sicnot

Perfil

Mundo

Procuradoria da Catânia responsabiliza comandante e iliba navio português

O comandante da embarcação que naufragou no passado fim de semana, com centenas de migrantes a bordo, foi apontado pela procuradoria siciliana de Catânia como o principal responsável pelo drama, afastando qualquer responsabilidade de um navio português. 

© Stringer . / Reuters

Os sobreviventes desta nova hecatombe de migrantes, uma das mais trágicas no Mediterrâneo, com cerca de 800 mortes presumidas, chegaram ao início de terça-feira à Sicília, ao mesmo tempo que os dois traficantes de pessoas, que foram detidos. Estes vão ser ouvidos por um magistrado, que depois decide se os acusa ou não. Enquanto esperam, permanecem encarcerados na Catânia.  

A responsabilização do comandante do navio, um tunisino de 27 anos, Mohammed Ali Malek, é inquestionável. É acusado de naufrágio involuntário, homicídio múltiplo involuntário e favorecimento de imigração clandestina, segundo a justiça italiana. 

Para os procuradores encarregues do inquérito, o homem provocou o naufrágio ao sobrecarregar o navio e mostrar-se incapaz de o manobrar perante a aproximação de um cargueiro português, que o vinha socorrer e com o qual entrou em colisão. 

A tripulação do cargueiro, o primeiro a acudir depois do lançamento do pedido de socorro na noite de sábado para domingo, "em nada contribuiu" para o drama, assegurou a procuradoria. 

O balanço oficial do naufrágio é de 24 mortos e 28 sobreviventes, mas o número dos desaparecidos está estimado em cerca de 800 pelas organizações humanitárias internacionais. 

A procuradoria não confirma este número, mas estima em 850 o número de pessoas a bordo deste barco de pesca com 20 metros, com base nos depoimentos dos sobreviventes e nas estimativas da tripulação do navio português. 

O pequeno número de sobreviventes é explicado pela procuradoria com o facto de "numerosos migrantes, entre os quais mulheres e crianças, estarem fechados no porão". 

Lusa
  • A história de João Ricardo
    10:37
  • Parceiros sociais começam hoje debate sobre salário mínimo

    Economia

    Os parceiros sociais reúnem-se hoje com o ministro do Trabalho, Vieira da Silva, para iniciarem a discussão sobre a atualização do salário mínimo para o próximo ano, com as centrais sindicais e confederações patronais a assumirem posições divergentes.Em cima da mesa estarão as propostas das centrais sindicais, com a CGTP a exigir 600 euros a partir de janeiro de 2018 e a UGT a reivindicar 585 euros como ponto de partida para a negociação.

  • Os 72 golos de mais uma noite de Liga Europa

    Liga Europa

    Os 16 avos-de-final da Liga Europa começam a ganhar forma. São já 16 as equipas apuradas para a próxima fase da competição, entre elas o Sporting de Braga, que somou mais uma vitória. Em sentido inverso, o Vitória de Guimarães saiu derrotado de Salzburgo e ficou mais longe da qualificação. A 5.ª jornada da fase de grupos jogou-se esta quinta-feira e ao todo marcaram-se 72 golos. Estão todos aqui, para ver ou rever.

  • "No fim, logo se vê" se foram quatro anos de uma legislatura perdida
    1:28

    País

    Pedro Passos Coelho acusa o Governo de perder uma legislatura. O presidente do PSD diz que "no fim, logo se vê" se foram ou não quatro anos de oportunidade perdida para o país. No último Conselho Nacional antes das eleições diretas do partido, Passos acusou o Executivo de perder o rumo e apontou os casos do Infarmed e do aumento do preço da água como exemplos de desorientação.

  • Marcelo apoia novo Mecanismo Europeu de Proteção Civil
    0:44

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa considera o novo Mecanismo de Proteção Civil uma ideia muito boa, que tem todo o apoio do Governo e do Presidente da República. Marcelo apenas lamenta que o modelo não existisse durante os incêndios deste ano.