sicnot

Perfil

Mundo

Pelo menos 42 mortos em combates entre rebeldes e "Estado Islâmico" na Síria

Pelo menos 42 combatentes morreram em 24 horas de violentos confrontos entre rebeldes islamitas e o grupo extremista Estado Islâmico na província síria de Damasco, indicou esta quarta-feira uma organização no terreno.

"Pelo menos 30 rebeldes e 12 membros do Estado Islâmico (EI) foram mortos em combate desde terça-feira" na região montanhosa de Qalamun, disse o Observatório Sírio dos Direitos Humanos.

"Pelo menos 30 rebeldes e 12 membros do Estado Islâmico (EI) foram mortos em combate desde terça-feira" na região montanhosa de Qalamun, disse o Observatório Sírio dos Direitos Humanos.

© Hosam Katan / Reuters

"Pelo menos 30 rebeldes e 12 membros do Estado Islâmico (EI) foram mortos em combate desde terça-feira" na região montanhosa de Qalamun, disse o Observatório Sírio dos Direitos Humanos.

Qalamun divide-se numa parte ocidental, que faz fronteira com o Líbano e é maioritariamente controlada pelo regime e pelo seu aliado, o movimento xiita libanês Hezbollah.

O setor oriental, que tem sido palco de intensos combates entre rebeldes e elementos do EI, é de elevada importância estratégica porque faz fronteira com a "badiya", a estepe síria.

Estas planícies são usadas pelos rebeldes para transportar armas da fronteira turca para norte e da fronteira jordana para o sul.

De acordo com o Observatório sírio, sediado no Reino Unido, o EI já cortou uma destas estradas e pretende controlar outras para "asfixiar" os rebeldes.

Entretanto, pelo menos 11 pessoas foram mortas em bombardeamentos do regime do Presidente Bashar al-Assad a duas cidades da província de Damasco.

"É provável que tenha havido ainda mais mortos no ataque, e o número irá aumentar, devido a pessoas que se encontram em estado crítico", observou o diretor do Observatório, Rami Abdel Rahman.

Na província de Aleppo, no norte da Síria, 12 pessoas foram mortas e pelo menos 40 outras ficaram feridas em ataques aéreos das forças do regime sobre Deir al-Hafir, uma cidade sob controlo de membros do EI.

"Ainda há pessoas presas em edifícios depois de estes terem abatido", sublinhou Abdel Rahman.

Treze civis, incluindo nove crianças, foram mortos na terça-feira à noite num bombardeamento da província de Idlib, no noroeste do país, cuja capital provincial foi tomada pela afiliada síria da Al-Qaida e pelos rebeldes seus aliados.

Das vítimas, um homem e cinco crianças, três das quais irmãs, foram mortos num ataque aéreo do regime sobre Maarat al-Numan.

Outros sete, incluindo um casal e os seus quatro filhos, foram mortos por bombas rebeldes em Jisr al-Shughur, uma das últimas cidades controladas pelo regime na província de Idleb.

Desde que perderam o controlo da cidade de Idleb, as forças de regime estão a tentar atacar as partes da província controladas pela oposição, para proteger a sua estrada de acesso entre Ariha e Jisr al-Shughur.
Lusa
  • "Estou a ficar sem água, vai ser um trabalho inglório"
    1:06

    País

    A SIC teve acesso a comunicações entre operacionais que estavam no terreno a combater os incêndios no distrito de Viseu. Nestes registos áudio, é percetível a falta de meios no terreno ou até mesmo estradas que não foram cortadas porque não havia elementos da GNR disponíveis.

  • "Quem está no Governo tem sérias responsabilidades"
    1:07

    Opinião

    Pacheco Pereira aponta falhas do Estado, dos bombeiros e da Proteção Civil como causa dos incêndios que assolaram o país no passado domingo. O comentador da SIC considera que o Governo tem responsabilidade perante o que aconteceu.

  • Presidente das Indústrias de Madeira diz que fogos estão a afetar o setor
    0:39

    País

    A Associação das Indústrias de Madeira e Mobiliário desvaloriza que os industriais do setor possam comprar madeira mais barata, em resultado dos incêndios florestais. Em entrevista na SIC Notícias, o presidente da associação, Vítor Poças, considera que os fogos estão a prejudicar gravemente a indústria.

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47