sicnot

Perfil

Mundo

Pelo menos 42 mortos em combates entre rebeldes e "Estado Islâmico" na Síria

Pelo menos 42 combatentes morreram em 24 horas de violentos confrontos entre rebeldes islamitas e o grupo extremista Estado Islâmico na província síria de Damasco, indicou esta quarta-feira uma organização no terreno.

"Pelo menos 30 rebeldes e 12 membros do Estado Islâmico (EI) foram mortos em combate desde terça-feira" na região montanhosa de Qalamun, disse o Observatório Sírio dos Direitos Humanos.

"Pelo menos 30 rebeldes e 12 membros do Estado Islâmico (EI) foram mortos em combate desde terça-feira" na região montanhosa de Qalamun, disse o Observatório Sírio dos Direitos Humanos.

© Hosam Katan / Reuters

"Pelo menos 30 rebeldes e 12 membros do Estado Islâmico (EI) foram mortos em combate desde terça-feira" na região montanhosa de Qalamun, disse o Observatório Sírio dos Direitos Humanos.

Qalamun divide-se numa parte ocidental, que faz fronteira com o Líbano e é maioritariamente controlada pelo regime e pelo seu aliado, o movimento xiita libanês Hezbollah.

O setor oriental, que tem sido palco de intensos combates entre rebeldes e elementos do EI, é de elevada importância estratégica porque faz fronteira com a "badiya", a estepe síria.

Estas planícies são usadas pelos rebeldes para transportar armas da fronteira turca para norte e da fronteira jordana para o sul.

De acordo com o Observatório sírio, sediado no Reino Unido, o EI já cortou uma destas estradas e pretende controlar outras para "asfixiar" os rebeldes.

Entretanto, pelo menos 11 pessoas foram mortas em bombardeamentos do regime do Presidente Bashar al-Assad a duas cidades da província de Damasco.

"É provável que tenha havido ainda mais mortos no ataque, e o número irá aumentar, devido a pessoas que se encontram em estado crítico", observou o diretor do Observatório, Rami Abdel Rahman.

Na província de Aleppo, no norte da Síria, 12 pessoas foram mortas e pelo menos 40 outras ficaram feridas em ataques aéreos das forças do regime sobre Deir al-Hafir, uma cidade sob controlo de membros do EI.

"Ainda há pessoas presas em edifícios depois de estes terem abatido", sublinhou Abdel Rahman.

Treze civis, incluindo nove crianças, foram mortos na terça-feira à noite num bombardeamento da província de Idlib, no noroeste do país, cuja capital provincial foi tomada pela afiliada síria da Al-Qaida e pelos rebeldes seus aliados.

Das vítimas, um homem e cinco crianças, três das quais irmãs, foram mortos num ataque aéreo do regime sobre Maarat al-Numan.

Outros sete, incluindo um casal e os seus quatro filhos, foram mortos por bombas rebeldes em Jisr al-Shughur, uma das últimas cidades controladas pelo regime na província de Idleb.

Desde que perderam o controlo da cidade de Idleb, as forças de regime estão a tentar atacar as partes da província controladas pela oposição, para proteger a sua estrada de acesso entre Ariha e Jisr al-Shughur.
Lusa
  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.