sicnot

Perfil

Mundo

Líder da Chechénia ordena para atirar a matar sobre soldados russos

O dirigente checheno Ramzan Kadyrov ordenou esta quinta-feira às suas tropas para "atirarem a matar" sobre todo e qualquer soldado russo que se encontre no território da Chechénia sem autorização. 

As declarações de Kadyrov parecem ter sido feitas durante uma reunião com os representantes das forças especiais da Chechénia, onde houve uma guerra pela independência contra a Rússia, entre 1994 e 1996, e uma segunda, em 1999. (Arquivo)

As declarações de Kadyrov parecem ter sido feitas durante uma reunião com os representantes das forças especiais da Chechénia, onde houve uma guerra pela independência contra a Rússia, entre 1994 e 1996, e uma segunda, em 1999. (Arquivo)

© Stringer Russia / Reuters

"Anuncio oficialmente que se [um soldado] estiver no vosso território sem autorização, pouco importa que venha de Moscovo ou de Stravropol, atirem a matar. É preciso que nos levem a sério", declarou, em vídeo difundido pela televisão local, Grozny TV.

As declarações de Kadyrov parecem ter sido feitas durante uma reunião com os representantes das forças especiais da Chechénia, onde houve uma guerra pela independência contra a Rússia, entre 1994 e 1996, e uma segunda, em 1999. 

"Nós, nós não temos o direito de sair do nosso território para fazer operações antiterroristas contra os extremistas na Ingúchia (uma república vizinha no Cáucaso russo). Se são os donos do vosso território, então devem controlá-lo", acrescentou. 

Hoje à noite, o Kremlin continuava a recusar fazer comentários. "Nós vimos. Nós ouvimos. Nós lemos. Não faço mais comentários", afirmou o porta-voz do Presidente Vladimir Putin, Dmitri Peskov, citado pela agência noticiosa RIA Novosti.

Por seu lado, o Ministério da Interior russo qualificou as afirmações do dirigente checheno como "inaceitáveis". 

Kadyrov garantiu hoje a jornalistas locais que estava pronto a demitir-se se Putin o ordenasse. "Se for preciso que abandone (o cargo), deixo-o, e também estou pronto a morrer", afirmou, segundo a RIA Novosti.

Colocado à cabeça da Chechénia por Putin, Ramzan Kadyrov desafiou a autoridade deste, por várias vezes, nos últimos meses, de forma mais ou menos frontal. 

Com 38 anos, Kadyrov exerce o poder com punho de ferro desde fevereiro de 2007, ocupando o lugar do seu pai -- que foi morto em atentado --, por decisão do Presidente Putin.

As organizações e militantes locais dos direitos do homem acusam-no regularmente de abusos e de semear o terror na Chechénia, bem como de ter instaurado o culto da personalidade de si próprio e do seu pai. 
Lusa
  • Sessão solene no Parlamento e desfile popular nas celebrações do 25 de Abril

    País

    Os 43 anos da Revolução dos Cravos são hoje comemorados com a sessão solene no Parlamento e o tradicional desfile popular, tendo o Presidente da República escolhido o 25 de Abril para condecorar, a título póstumo, Francisco Sá Carneiro. A SIC Notícias acompanha esta manhã a sessão solene na Assembleia da República. Veja aqui em direto.

  • Desconhecem-se as causas do incêndio na fábrica da Tratolixo
    0:43

    País

    Os moradores de Trajouce, em São Domingos de Rana, não ganharam para o susto com um incêndio nas instalações da empresa de resíduos Tratolixo.O alerta foi dado por populares e trabalhadores da empresa. O vento foi o maior problema dos bombeiros no combate às chamas durante a noite. No local estiveram 133 homens, apoiados por 51 viaturas.Desconhecem-se para já as causas do incêndio. O incêndio foi circunscrito de madrugada, mas pode demorar algumas horas a ser dominado.

  • ASAE encerra em média um restaurante por dia
    1:33
  • Duas execução no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.