sicnot

Perfil

Mundo

Líder da Chechénia ordena para atirar a matar sobre soldados russos

O dirigente checheno Ramzan Kadyrov ordenou esta quinta-feira às suas tropas para "atirarem a matar" sobre todo e qualquer soldado russo que se encontre no território da Chechénia sem autorização. 

As declarações de Kadyrov parecem ter sido feitas durante uma reunião com os representantes das forças especiais da Chechénia, onde houve uma guerra pela independência contra a Rússia, entre 1994 e 1996, e uma segunda, em 1999. (Arquivo)

As declarações de Kadyrov parecem ter sido feitas durante uma reunião com os representantes das forças especiais da Chechénia, onde houve uma guerra pela independência contra a Rússia, entre 1994 e 1996, e uma segunda, em 1999. (Arquivo)

© Stringer Russia / Reuters

"Anuncio oficialmente que se [um soldado] estiver no vosso território sem autorização, pouco importa que venha de Moscovo ou de Stravropol, atirem a matar. É preciso que nos levem a sério", declarou, em vídeo difundido pela televisão local, Grozny TV.

As declarações de Kadyrov parecem ter sido feitas durante uma reunião com os representantes das forças especiais da Chechénia, onde houve uma guerra pela independência contra a Rússia, entre 1994 e 1996, e uma segunda, em 1999. 

"Nós, nós não temos o direito de sair do nosso território para fazer operações antiterroristas contra os extremistas na Ingúchia (uma república vizinha no Cáucaso russo). Se são os donos do vosso território, então devem controlá-lo", acrescentou. 

Hoje à noite, o Kremlin continuava a recusar fazer comentários. "Nós vimos. Nós ouvimos. Nós lemos. Não faço mais comentários", afirmou o porta-voz do Presidente Vladimir Putin, Dmitri Peskov, citado pela agência noticiosa RIA Novosti.

Por seu lado, o Ministério da Interior russo qualificou as afirmações do dirigente checheno como "inaceitáveis". 

Kadyrov garantiu hoje a jornalistas locais que estava pronto a demitir-se se Putin o ordenasse. "Se for preciso que abandone (o cargo), deixo-o, e também estou pronto a morrer", afirmou, segundo a RIA Novosti.

Colocado à cabeça da Chechénia por Putin, Ramzan Kadyrov desafiou a autoridade deste, por várias vezes, nos últimos meses, de forma mais ou menos frontal. 

Com 38 anos, Kadyrov exerce o poder com punho de ferro desde fevereiro de 2007, ocupando o lugar do seu pai -- que foi morto em atentado --, por decisão do Presidente Putin.

As organizações e militantes locais dos direitos do homem acusam-no regularmente de abusos e de semear o terror na Chechénia, bem como de ter instaurado o culto da personalidade de si próprio e do seu pai. 
Lusa
  • "PCP não é força de suporte do Governo"
    2:11

    País

    Ao segundo dia de congresso comunista, ouviu-se o aviso mais forte, até agora, ao PS. João Oliveira, líder parlamentar do partido, diz que o PCP não se diluiu e que não é suporte do Governo. Já Jerónimo de Sousa deixou elogios à excelente geração de jovens que estão na frente política do PCP.

  • Passos elogia escolha de Paulo Macedo mas diz que não é suficiente
    1:47

    Caso CGD

    Pedro Passos Coelho diz que Paulo Macedo é competente para liderar os destinos da Caixa Geral de Depósitos, mas que a nomeação do antigo ministro não é suficiente para passar uma esponja sobre o assunto. Em Viseu, o líder do PSD não quis ainda avançar com um nome para a Câmara de Lisboa, depois de Santana Lopes afastar a hipótese de se candidatar.

  • O novo coala do zoo de Lisboa
    3:10

    País

    A SIC acompanhou em exclusivo a transferência de uma coala da Alemanha para o Zoo de Lisboa. O animal veio de avião e foi batizado pelos passageiros que seguiam a bordo. Ficou com o nome de Goolara. O coala é uma fêmea, com quase dois anos, e veio para aumentar a família da mesma espécie em Portugal.

  • Jovens do exército russo aderem ao Desafio do Manequim
    1:01

    Mundo

    Na Rússia, o grupo de jovens do exército também já aderiu ao famoso Mannequin Challenge. O vídeo foi divulgado pelo Ministério da Defesa russo. O objetivo é mostrar o dia-a-dia do chamado exército de jovens, cuja principal missão passa por sensibilizar os russos para a necessidade de cumprir o serviço militar obrigatório.