sicnot

Perfil

Mundo

Líder da Chechénia ordena para atirar a matar sobre soldados russos

O dirigente checheno Ramzan Kadyrov ordenou esta quinta-feira às suas tropas para "atirarem a matar" sobre todo e qualquer soldado russo que se encontre no território da Chechénia sem autorização. 

As declarações de Kadyrov parecem ter sido feitas durante uma reunião com os representantes das forças especiais da Chechénia, onde houve uma guerra pela independência contra a Rússia, entre 1994 e 1996, e uma segunda, em 1999. (Arquivo)

As declarações de Kadyrov parecem ter sido feitas durante uma reunião com os representantes das forças especiais da Chechénia, onde houve uma guerra pela independência contra a Rússia, entre 1994 e 1996, e uma segunda, em 1999. (Arquivo)

© Stringer Russia / Reuters

"Anuncio oficialmente que se [um soldado] estiver no vosso território sem autorização, pouco importa que venha de Moscovo ou de Stravropol, atirem a matar. É preciso que nos levem a sério", declarou, em vídeo difundido pela televisão local, Grozny TV.

As declarações de Kadyrov parecem ter sido feitas durante uma reunião com os representantes das forças especiais da Chechénia, onde houve uma guerra pela independência contra a Rússia, entre 1994 e 1996, e uma segunda, em 1999. 

"Nós, nós não temos o direito de sair do nosso território para fazer operações antiterroristas contra os extremistas na Ingúchia (uma república vizinha no Cáucaso russo). Se são os donos do vosso território, então devem controlá-lo", acrescentou. 

Hoje à noite, o Kremlin continuava a recusar fazer comentários. "Nós vimos. Nós ouvimos. Nós lemos. Não faço mais comentários", afirmou o porta-voz do Presidente Vladimir Putin, Dmitri Peskov, citado pela agência noticiosa RIA Novosti.

Por seu lado, o Ministério da Interior russo qualificou as afirmações do dirigente checheno como "inaceitáveis". 

Kadyrov garantiu hoje a jornalistas locais que estava pronto a demitir-se se Putin o ordenasse. "Se for preciso que abandone (o cargo), deixo-o, e também estou pronto a morrer", afirmou, segundo a RIA Novosti.

Colocado à cabeça da Chechénia por Putin, Ramzan Kadyrov desafiou a autoridade deste, por várias vezes, nos últimos meses, de forma mais ou menos frontal. 

Com 38 anos, Kadyrov exerce o poder com punho de ferro desde fevereiro de 2007, ocupando o lugar do seu pai -- que foi morto em atentado --, por decisão do Presidente Putin.

As organizações e militantes locais dos direitos do homem acusam-no regularmente de abusos e de semear o terror na Chechénia, bem como de ter instaurado o culto da personalidade de si próprio e do seu pai. 
Lusa
  • Bomba encontrada na Nazaré pode ter sido largada durante 2.ª Guerra Mundial
    2:26

    País

    A bomba que esta segunda-feira veio nas redes de um arrastão na Nazaré já foi detonada. O engenho explosivo foi identificado como uma bomba de avião por especialistas da Marinha, que eliminaram também o perigo equivalente a 600 quilogramas de TNT. A bomba sem qualquer inscrição tinha um desgaste evidente e, segundo a Marinha, pode ter sido largada de um avião durante a 2.ª Guerra Mundial.

  • Derrocada de muro em Lisboa obriga à retirada de 40 pessoas de 5 prédios
    2:14

    País

    Os moradores de três prédios de Lisboa não podem regressar tão cedo a casa. Durante a madrugada, a derrocada de um muro obrigou à retirada de 40 pessoas de cinco edifícios. Um dos inquilinos sofreu ferimentos ligeiros. Entretanto, a maioria dos residentes já foi realojada em casas de familiares e num hotel.

  • "Geringonça" elogiada na Europa e EUA
    4:22

    País

    Num momento em que por cá se fala de claustrofobia democrática, a Europa e os Estados Unidos desdobram-se em elogios ao sucesso da maioria de Esquerda em Portugal. A palavra "geringonça" já tem até tradução em várias línguas.

  • ONU estima que mais 750 mil civis estejam em risco na cidade de Mossul
    1:39

    Mundo

    As Nações Unidas estimam que mais 750 mil civis estejam em risco na zona ocidental de Mossul, no Iraque. Mais de 10 mil pessoas fugiram da zona ocidental da cidade nos últimos quatro dias. Enquanto a população tenta escapar ao fogo cruzado, as forças iraquianas avançam sobre a cidade ainda controlada pelo Daesh.