sicnot

Perfil

Mundo

Pelo menos 14 imigrantes morreram colhidos por comboio na Macedónia

Pelo menos 14 imigrantes morreram e dez ficaram feridos ao serem atingidos por um comboio, na noite de quinta-feira, perto da cidade de Veles, no centro da Macedónia, informou hoje a polícia.

© Marko Djurica / Reuters

O acidente aconteceu por volta das 20:30 TMG (21:30 em Lisboa), quando um grupo de 50 imigrantes ilegais caminhava pelos carris e o comboio apareceu por trás e acabou por os colher.

O grupo caminhava pelos carris devido à falta de espaço, pois o local do acidente é um espaço muito estreito entre montanhas.

Segundo a polícia, a metade do grupo conseguiu colocar-se a salvo.

O comboio de passageiros fazia a rota regular internacional entre Salónica, na Grécia, e Belgrado, na Sérvia.

Segundo as primeiras informações, o grupo era oriundo maioritariamente da Somália e do Afeganistão.

Nos últimos meses, dez imigrantes ilegais morreram na Macedónia aos serem atropelados por comboios, em vários acidentes com caraterísticas similares. 

No último ano, o número de imigrantes que cruzam o território macedónio, a partir da Grécia, aumentou sensivelmente, na sua maioria refugiados sírios, afegãos ou somalis.

Em geral, utilizam as linhas férreas para chegar até à Sérvia, onde continuam a caminhada para os países ocidentais da União Europeia.


Lusa


  • Os números das eleições francesas
    0:50

    Eleições França 2017

    Os resultados definitivos mostram que Emmanuel Macron obteve 24% dos votos, na primeira volta das eleições francesas. Ficou quase três pontos à frente de Marine Le Pen, que conseguiu 21,3%. Os números oficiais, publicados pelo Ministério do Interior, dão ainda conta da taxa de abstenção: 22,2%, um ligeiro aumento face à primeira volta das presidenciais de 2012.

  • Estarão os portugueses a consumir vitamina D em excesso? 
    6:44
  • Investigadores criam nanovacina contra diferentes cancros

    Mundo

    Investigadores da Universidade do Texas, nos Estados Unidos, desenvolveram uma nanovacina (vacina administrada através de partículas microscópicas) contra diferentes cancros, como o da pele, do cólon e do reto, numa experiência com ratos, revela um estudo publicado esta segunda-feira.