sicnot

Perfil

Mundo

Ex-ministro de Dilma Rousseff diz que Partido dos Trabalhadores "roubou demais"

O ex-ministro brasileiro Carlos Lupi afirmou hoje que uma das razões da crise política do Brasil é que o Partido dos Trabalhadores (PT) "roubou demais", noticia a edição deste domingo do jornal 'O Estado de São Paulo'.

© Ueslei Marcelino / Reuters

Lupi é presente do Partido Democrático dos Trabalhadores (PDT), que faz parte da coligação governamental, e foi ministro nos últimos anos da gestão de Lula da Silva (2003-2010).

A atual presidente do Brasil, Dilma Rousseff, nomeou-o em 2011 para o cargo de ministro do Trabalho, mas Lupi demitiu-se em dezembro desse ano, na sequência de suspeitas de corrupção, que acabaram por ser comprovadas.

O jornal brasileiro, a quem o ministro confirmou as afirmações, adianta que Carlos Lupi garantiu, numa ação privada do PDT, que o PT, liderado por Lula e Rousseff, "se acomodou" no poder.

"O PT acomodou-se. Eles não inventaram a corrupção, mas roubaram demais, exageraram e o seu projeto converteu-se num projeto de poder", afirmou Lupi.

O presidente do PDT referiu-se ao escândalo de corrupção da Petrobrás, que está a ser investigado e que, segundo cálculos da própria empresa, implica um desvio de 6.200 milhões de reais (cerca de 1.927 milhões de euros), na última década.



Lusa

  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23

    País

    A Proteção Civil emitiu um alerta para o tempo frio e seco e pede cuidados redobrados. As temperaturas já começaram a descer, com regiões a registarem valores negativos. No interior, podem chegar aos 5 graus negativos. Até ao Natal o tempo vai manter-se frio, seco e com ausência de chuva.

  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • Pedrógão Grande, seis meses depois - documentário Expresso
    0:29
  • Fitch retira Portugal do "lixo"
    2:20
  • PS volta a subir nas intenções de voto e não baixa dos 40%
    2:01
  • Marcelo evita "ideia de que o ano foi todo muito bom"
    3:14

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa disse esta sexta-feira que 2017 teve "o melhor e o pior" e que "é preciso evitar a "ideia que o ano foi todo muito bom". O Presidente da República fez estas declarações depois de António Costa ter dito que a nível económico este "foi um ano particularmente saboroso".