sicnot

Perfil

Mundo

Um soldado morto e sete feridos na região leste da Ucrânia

Um soldado ucraniano morreu e outros sete ficaram feridos nas últimas 24 horas, no leste separatista pró-russo da Ucrânia, apesar do cessar-fogo acordado em fevereiro último, entre as duas fações, divulgou hoje o exército ucraniano.

© Gleb Garanich / Reuters

Um porta-voz militar ucraniano, Oleksandre Motouzianyk, acusou os separatistas pró-russos de terem intensificado os ataques contra as posições do exército de Kiev.

"As violações do cessar-fogo pelos rebeldes aumentaram nas últimas 24 horas", acrescentou o representante, acusando os elementos pró-russos de utilizarem armamento pesado, nomeadamente lança-foguetes múltiplos e morteiros de calibre 122 milímetros.

A utilização deste tipo de armamento pesado está proibida pelos acordos de paz de Minsk (Bielorrússia), assinados em fevereiro passado sob moderação internacional e que permitiram estabelecer um cessar-fogo frágil, mas globalmente respeitado na zona de conflito.

Observadores da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) destacados no leste ucraniano relataram, no passado dia 20 de abril, que durante uma inspeção às forças rebeldes verificaram que várias peças de armamento pesado não estavam nos locais combinados de retirada.

Os líderes rebeldes explicaram na altura que as peças em questão iam ser utilizadas numa parada militar agendada para o próximo dia 09 de maio, segundo indicou um relatório da OSCE.

O conflito armado no leste da Ucrânia entre as tropas de Kiev e os separatistas pró-russos já fizeram mais de 6.100 mortos desde abril de 2014.


Lusa

  • Marine devolve bandeira do Japão 73 anos depois 
    2:13

    Mundo

    Setenta e três anos depois da batalha mais sangrenta do Pacífico, um veterano dos Estados Unidos cumpriu uma promessa pessoal. Marvin Strombo devolveu à família a bandeira da sorte de um soldado japonês, morto em 1944, em Saipan, na II Guerra Mundial. 

  • Autoridades usam elefantes para resgatar pessoas das cheias na Ásia
    1:31

    Mundo

    Mais de 215 pessoas morreram nas inundações que estão a devastar o centro da Ásia, e estima-se que três milhões tiveram de abandonar as casas. As autoridades estão a usar elefantes para resgatar locais e turistas das zonas mais afetadas e avisam que há dezenas de pessoas desaparecidas.