sicnot

Perfil

Mundo

Serviços secretos franceses vigiam cerca de 1.600 suspeitos

 Os serviços secretos franceses estão a vigiar cerca de 1.600 pessoas que acreditam serem potencialmente perigosas e poderem participar em atos terroristas, afirmou hoje o procurador de Paris, François Moulins.

© Charles Platiau / Reuters

Em declarações à France Info, Moulins disse que há "milhares e milhares de pessoas que dão sinais, ainda que débeis" sobre uma possível vontade terrorista. 

O procurador, encarregado de liderar a investigação sobre presumíveis planos terroristas, como o de há mais de uma semana contra duas igrejas nos arredores de Paris, explicou que estão a emergir novos perfis de suspeitos. 

Moulins adiantou que a sua peculiaridade é que não se tratam de células terroristas, mas sim de "indivíduos radicalizados" que em muitos casos escondem as suas convicções para não levantar suspeitas, e que podem atuar com ajuda exterior. 

O responsável da procuradoria não entrou em detalhes sobre a operação que abortou o atentado contra as igrejas, apesar de ter insistido que o principal suspeito, o argelino Sid Ahmed Ghlam, recebeu ajuda para obter carros e armas
  • "Se me pergunta se estou de consciência tranquila, estou"
    2:13

    País

    O ministro Vieira da Silva assegura que aguarda com tranquilidade que a investigação em curso esclareça as alegadas irregularidades na associação Raríssimas. Alguns mecenas estão já a suspender o apoio, na sequência do escândalo que já levou a duas demissões. 

  • Novo regime dos recibos verdes "acaba com as injustiças dos escalões"
    1:10
  • Brinquedos tecnológicos para oferecer no Natal
    5:33
  • Aniversário de Marcelo passado nas comemorações dos 700 anos da Marinha
    1:45

    País

    O Presidente da República defende que é preciso continuar a investir na Armada, nas pessoas, nas capacidades e no apoio de retaguarda. No dia em que fez 69 anos, Marcelo Rebelo de Sousa esteve nas comemorações dos 700 da Marinha, onde sublinhou os sete séculos de conquistas e de combates navais.

  • Costa anuncia reunião sobre neutralidade carbónica em fevereiro
    2:03

    País

    O Presidente francês defende que é preciso ir mais longe e mais rápido na luta contra as alteração climáticas, numa resposta à decisão de Donald Trump de retirar os EUA do Acordo de Paris. Em fevereiro, será a vez de Portugal organizar uma reunião sobre energia e transportes.