sicnot

Perfil

Mundo

Chuvas de 2015 já mataram 178 pessoas em Angola

As chuvas do primeiro trimestre deste ano, em Angola, já provocaram 178 mortos e só na última noite deixaram mais de 100 famílias ao relento no Libolo, província do Cuanza Sul. 

© Finbarr O'Reilly / Reuters

Segundo o administrador municipal do Libolo, José Maria Silvestre, as chuvas provocaram a destruição total e parcial de 55 casas naquela localidade, estando os seus ocupantes ao relento.

O responsável, citado hoje pela rádio pública angolana, referiu ainda que alguns dos sinistrados foram acolhidos por familiares e outros continuam a aguardar apoio do governo da província.

Ainda na província do Cuanza Sul, nos arredores da cidade do Sumbe, 88 casas desabaram e uma ponte ficou destruída na sequência das fortes chuvas que caíram sobre aquela região nas últimas 48 horas. 

Segundo o porta-voz do Serviço Nacional de Proteção Civil e Bombeiros, Faustino Sebastião, está a ser realizado um levantamento da situação, para posterior apoio às famílias.

Na província angolana do Uíge, norte de Angola, 119 famílias ficaram desalojadas em dois municípios, na sequência das fortes chuvas que caíram sobre aquela região nas últimas horas, informou hoje o responsável local do serviço de proteção civil e bombeiros.

Igildo Fernando disse que 20 casas ficaram destruídas nos municípios de Ambuíla e de Bembe, estando as famílias abrigadas em casa de familiares e em escolas.

Segundo dados do Serviço Nacional de Proteção Civil e Bombeiros, referentes ao período entre 1 de janeiro a 26 de março, as chuvas já causaram em todo o país a morte de 178 pessoas, o ferimento de 203 outras e o desaparecimento de 18 outras, afetando globalmente 48.274 pessoas.

Nos três primeiros meses do ano, as chuvas provocaram ainda a destruição total de 1.725 residências e parcial a outras 2.330, além de inundações em 4.170 casas. 

Na capital angolana, Luanda, fortes enxurradas causaram nove mortos por descargas elétricas, afogamentos e desabamento de paredes, a destruição total de 275 residências e parcial de 78, tendo 8.279 casas, 22 escolas e dez postos da polícia ficado inundados.

A época das chuvas em Angola compreende o período entre 15 de agosto e 15 de maio, sendo o mês de abril o que regista o maior volume de precipitação.

Lusa
  • Aeroporto Cristiano Ronaldo? Nem todos os madeirenses estão de acordo
    2:21
  • Fatura da água a dobrar
    2:26

    Economia

    Desde o início do ano que a população de Celorico de Basto está a receber duas faturas da água para pagar. Tanto a Câmara como a Águas do Norte reclamam o direito a cobrar pelo serviço. Contactada pela SIC, a Entidade Reguladora esclarece que o município não pode emitir faturas e tem de devolver o dinheiro.

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43

    Daesh

    Há suspeitas de que o Daesh tenha criado uma vala comum com cerca de seis mil corpos a sul de Mossul, no Iraque. A área em redor estará minada. A revelação é de uma equipa de reportagem da televisão britânica Sky News.

  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.