sicnot

Perfil

Mundo

Tripulação do navio capturado pelo Irão está fora de perigo

O grupo dinamarquês de transportes marítimos A.P. Moeller-Maersk disse hoje que os 24 tripulantes do cargueiro capturado pelo Irão estão fora de perigo e que a detenção terá ocorrido devido a uma disputa pela carga transportada.

© Edgar Su / Reuters

Na terça-feira, a Guarda Revolucionária do Irão intercetou o 'Maersk Tigris', quando este se encontrava a atravessar o Estreito de Ormuz com destino ao Golfo Persa. A bordo estavam 24 tripulantes (na sua maioria europeus de leste e asiáticos) e o navio transportava carga comercial regular, sem relação com armas, garantiu um porta-voz da Rickmers Ship Management.

O navio cargueiro, com bandeira das Ilhas Marshall, era operado pela Rickmers Ship Management, com sede em Singapura e em Hamburgo, e estava a transportar carga pela Maersk Line, a unidade de expedição do grupo dinamarquês que fretou o navio.

"Estamos em contacto permanente com a Rickmers Ship Management e satisfeitos por saber que a tripulação está a salvo e, apesar das circunstâncias, de bom humor", disse o grupo dinamarquês, em comunicado.

O diretor administrativo dos Portos Iranianos Mohanmmad Saidinejad disse à agência noticiosa oficial do Irão, IRNA, que o confisco foi ordenado depois de uma empresa privada ter apresentado uma queixa contra a Maersk por dívidas por saldar.

Por sua vez, a Maersk justificou a captura com uma disputa pela carga do navio, "alegadamente por resolver", afirmando no entanto não ter recebido "qualquer notificação escrita ou similar referente à reivindicação ou à captura do navio".

Por isso, a companhia disse não ser capaz de confirmar se esta "é ou não a verdadeira razão por detrás da apreensão", mas que vai prosseguir com "os esforços para obter mais informações".

A embaixada iraniana em Copenhaga justificou a disputa com uma dívida com 10 anos e que não havia motivos políticos ou questões de segurança por trás do confisco.

Segundo a mesma embaixada, citada pela agência Ritzau, a embaixada dinamarquesa em Teerão foi informada sobre o caso ao longo dos anos e alertada de que seria permitido ao navio prosseguir viagem assim que a Maersk saldasse a dívida.

Um porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros dinamarquês disse à agência noticiosa AFP que "está a acompanhar de perto a situação" e que permanece "em diálogo" com a Maersk.

A captura do navio acontece numa altura em que as tensões no Golfo se intensificam, devido ao conflito no Iémen e às conversações de alto nível entre Washington e Teerão sobre o programa nuclear do Irão.



Lusa
  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.