sicnot

Perfil

Mundo

Viúva de Mandela exorta África do Sul a acordar perante xenofobia

A viúva do Presidente sul-africano Nelson Mandela, Graça Machel, instou hoje a África do Sul "a acordar" antes que a violência xenófoba que enlutou o país no início de abril se volte contra os próprios sul-africanos.

© Yves Herman / Reuters

"Gostaria de dizer - porque há pessoas neste país que perguntam se estes ataques são xenófobos ou não - que sim, são xenófobos", declarou a viúva de Mandela nas exéquias de um cidadão moçambicano esfaqueado em plena rua a 18 de abril perante a objetiva de um fotojornalista.

"Perdão, meu filho, por teres tido de esconder a tua identidade para viver na África do Sul", disse Graça Machel, de origem moçambicana e viúva do Presidente moçambicano Samora Machel.

O atual chefe de Estado sul-africano, Jacob Zuma, anunciara no seu discurso do feriado nacional, na segunda-feira, que o homem esfaqueado, que usava o nome Emmanuel Sithole, se chamava realmente Manuel Jossias e que era um imigrante ilegal com uma identidade falsa.

Assassinado, segundo Zuma, durante um "bárbaro assalto", o cidadão moçambicano não foi por ele contabilizado entre os sete mortos que os distúrbios oficialmente fizeram.

Manuel Jossias "tornou-se um símbolo do que não deve acontecer nunca mais em qualquer das nossas nações" da África Austral, sublinhou Graça Machel.

Um misto de cólera e de ódio autodestrutivo, alimentado de frustrações e acumulado desde os anos do apartheid, manifesta-se atualmente contra os estrangeiros na África do Sul.

"Mas amanhã, deixará de ser contra os estrangeiros e passará a ser contra os próprios sul-africanos", advertiu.

A violência xenófoba "deve servir de alerta a toda a África do Sul e a toda a SADC (África Austral)", de acordo com a viúva de Mandela.

"Se não criarmos as condições políticas e económicas para permitir que os cidadãos da África Austral se sintam em casa em todo o lado, continuaremos a ter este género de situações", defendeu.

"Até atacarmos as causas de todos esses problemas, aos níveis político, económico e social, não devemos ficar surpreendidos se ocorrerem outros confrontos deste tipo", insistiu.

O discurso proferido na segunda-feira por Jacob Zuma ia mais ou menos no mesmo sentido: Reafirmando que é necessário atacar as raízes do problema na própria África do Sul, o Presidente interpelou, contudo, os seus homólogos africanos, dizendo que o seu país não teria de acolher tantos imigrantes se a situação económica e política fosse melhor nos seus países.


Lusa

  • SIC faz-se à estrada para ouvir eleitores
    2:13
  • Furacão Maria ameaça Ilhas Virgens e Porto Rico

    Mundo

    O furacão Maria "potencialmente catastrófico" está a ameaçar as Ilhas Virgens e o Porto Rico, depois de esta terça-feira ter semeado a destruição na Dominica e provocado um morto e dois desaparecidos na ilha francesa de Guadalupe.

  • Pistolas Nerf podem causar graves lesões nos olhos

    Mundo

    As balas das pistolas Nerf, quando atingem os olhos, podem causar graves lesões. O aviso é de um grupo de médicos de Londres, que recomenda a utilização de óculos protetores e o aumento da idade mínima para a utilização dos brinquedos.

    SIC

  • Investigadores descobrem como transformar gordura "má" em gordura "boa"

    Mundo

    Uma equipa de investigadores da Universidade de Washington, Estados Unidos, descobriu como converter a gordura corporal "má" em gordura "boa", permitindo queimar mais calorias e atrasar o aumento de peso, num estudo conduzido em ratos. Estes resultados abrem caminho para a possibilidade de desenvolver tratamentos mais eficazes para a obesidade e para a diabetes associada ao aumento de peso em pessoas, segundo os autores.

  • Escola na Croácia usa imagem de Melania Trump para chamar alunos

    Mundo

    "Imagine até onde pode ir com um pouco de inglês", foi com estas palavras que uma escola de inglês da Croácia decidiu promover as suas aulas, juntando ainda a fotografia de Melania Trump ao placard do anúncio. Agora, a primeira-dama norte-americana ameaça levar o Instituo Americki a tribunal. Entretanto, o placard já foi retirado do local.

    SIC