sicnot

Perfil

Mundo

Manifestação de professores no Brasil acaba em violência

Manifestação de professores no Brasil acaba em violência

O movimento de professores no Brasil está a lançar um apelo para mais manifestações, desta feira a condenar a atuação policial desta noite em Curitiba. A SIC falou com um professor português que não integra as manifestações por trabalhar no setor privado mas está naturalmente a acompanhar com preocupação a situação que gerou os confrontos.

O número de feridos devido à repressão policial durante uma manifestação de professores em Curitiba, no Brasil, na quarta-feira, ascende os 200, com as forças de segurança a recorrerem a gás lacrimogéneo e balas de borracha.

De acordo com a prefeitura de Curitiba, mais de 200 pessoas, entre elas polícias, foram assistidas devido a ferimentos - 45 tiveram mesmo de ser transportadas para diferentes hospitais da capital do Paraná.

A polícia utilizou bombas de gás lacrimogéneo, balas de borracha e água para dispersar os manifestantes, na sua maioria professores, que reagiram lançando pedras e outros objetos.

Algumas crianças de uma escola próxima do local dos distúrbios tiveram de receber assistência médica por se terem sentido mal devido ao gás lacrimogéneo, informou a prefeitura.

O professor universitário Sérgio Gadini, em greve desde segunda-feira, disse à agência Efe que a situação é "absurda" e comparou o Governo regional do Paraná a uma "ditadura regional do Brasil".

"Não respeitam os direitos humanos. Nunca vi um Governo mobilizar um corpo policial tão grande para uma manifestação pacífica", sublinhou o docente.

O confronto entre polícias e manifestantes ocorreu no Centro Cívico de Curitiba, um espaço que concentra as principais sedes do poder público e onde um grupo de professores está concentrado desde segunda-feira para impedir que se promovam alterações às regras para a reforma.

  • Passos começou a fazer oposição

    Bernardo Ferrão

    É inegável a habilidade política de António Costa mas no caso da TSU e do acordo de Concertação Social só cai quem quer. A verdade dos factos é que o primeiro-ministro fechou um acordo sabendo que não o podia cumprir. E agora tenta desviar-nos o olhar para o PSD, como se fosse ele o culpado, quando o problema está na geringonça. Antes de atacar Passos, Costa devia resolver os problemas em casa com o PCP e BE.

    Bernardo Ferrão

  • PSD está a "perder terreno" na escolha de candidato a Lisboa
    1:46

    País

    Quem o diz é Luís Marques Mendes: o PSD perde na demora da escolha de um candidato para a Câmara de Lisboa. O líder Passos Coelho rejeita apoiar a candidatura de Assunção Cristas e garante que o partido vai ter um candidato próprio. Segundo o comentador da SIC, o último convite foi dirigido a José Eduardo Moniz.

  • Trump não escreve todos os tweets, mas dita-os

    Mundo

    O Presidente eleito dos EUA não escreve todos os tweets que são publicados na sua conta desta rede social, mas dita-os aos seus funcionários. Numa entrevista a um ex-secretário de Estado britânico, Donald Trump explica como usa a sua conta e garante que depois de ser investido Presidente, vai continuar a usar o Twitter para defender-se da "imprensa desonesta".

  • Depressão pode ser mais prejudicial para o coração do que a hipertensão

    Mundo

    Um estudo recente estabelece uma nova ligação entre depressão e distúrbios cardíacos. De acordo com a investigação publicada na revista Atheroscleroses, o risco de vir a sofrer de uma doença cardíaca grave é quase tão elevado para os homens que sofram de depressão, do que para os que tenham colesterol elevado ou obesidade, e pode mesmo ser maior do que para os que sofram de hipertensão.