sicnot

Perfil

Mundo

Manifestação de professores no Brasil acaba em violência

Manifestação de professores no Brasil acaba em violência

O movimento de professores no Brasil está a lançar um apelo para mais manifestações, desta feira a condenar a atuação policial desta noite em Curitiba. A SIC falou com um professor português que não integra as manifestações por trabalhar no setor privado mas está naturalmente a acompanhar com preocupação a situação que gerou os confrontos.

O número de feridos devido à repressão policial durante uma manifestação de professores em Curitiba, no Brasil, na quarta-feira, ascende os 200, com as forças de segurança a recorrerem a gás lacrimogéneo e balas de borracha.

De acordo com a prefeitura de Curitiba, mais de 200 pessoas, entre elas polícias, foram assistidas devido a ferimentos - 45 tiveram mesmo de ser transportadas para diferentes hospitais da capital do Paraná.

A polícia utilizou bombas de gás lacrimogéneo, balas de borracha e água para dispersar os manifestantes, na sua maioria professores, que reagiram lançando pedras e outros objetos.

Algumas crianças de uma escola próxima do local dos distúrbios tiveram de receber assistência médica por se terem sentido mal devido ao gás lacrimogéneo, informou a prefeitura.

O professor universitário Sérgio Gadini, em greve desde segunda-feira, disse à agência Efe que a situação é "absurda" e comparou o Governo regional do Paraná a uma "ditadura regional do Brasil".

"Não respeitam os direitos humanos. Nunca vi um Governo mobilizar um corpo policial tão grande para uma manifestação pacífica", sublinhou o docente.

O confronto entre polícias e manifestantes ocorreu no Centro Cívico de Curitiba, um espaço que concentra as principais sedes do poder público e onde um grupo de professores está concentrado desde segunda-feira para impedir que se promovam alterações às regras para a reforma.

  • Sismo de magnitude 4,0 provoca um morto em Nápoles

    Mundo

    Um sismo de magnitude 4,0 na escala de Richter atingiu esta segunda-feira a ilha de Ísquia no golfo de Nápoles, no mar Tirreno, no sul de Itália. De acordo com o jornal La Stampa uma mulher terá morrido e dois feridos estarão em perigo de vida.

  • A easyJet não está a oferecer bilhetes no Facebook. Cuidado, é uma burla

    País

    Se esteve no Facebook nos últimos dias, provavelmente reparou na oferta de dois bilhetes para uma viagem da easyJet, a propósito do 22.º aniversário da companhia aérea britânica. Uma viagem para dois tinha tudo para correr bem, não fosse um esquema de burla, criado para obter os dados pessoais dos utilizadores que partilham a publicação na rede social.

  • Brasileiros procuram Portugal
    3:59

    País

    Viver em Portugal é hoje em dia um grande sonho da classe média brasileira. De acordo com o Ministério dos Negócios Estrangeiros, só em 2016, o número de vistos de residência aumentarem em mais de 30%. A língua, a segurança e a qualidade de vida são as razões apontadas para a mudança. Todos os dias, no consulado português no Rio de Janeiro, para a obtenção de vistos.

  • Big Ben em silêncio durante quatro anos
    2:15

    Mundo

    Esta segunda-feira ficou marcada pelas últimas badaladas dos famosos sinos do Big Ben, em Londres, no Reino Unido. A torre, na qual está instalada o relógio mais famoso do mundo, vai entrar em obras e os sinos só vão voltar a tocar em 2021.

  • Garrafa lançada ao mar em Rhodes recebe resposta de Gaza
    1:43

    Mundo

    A história parece de filme, mas aconteceu numa praia de Gaza. Um casal britânico lançou uma garrafa com uma mensagem ao mar, em julho, na ilha grega de Rhodes. A garrafa foi encontrada por um pescador numa praia de Gaza, que aproveitou para enviar a resposta, na qual falou sobre as restrições impostas por Israel.