sicnot

Perfil

Mundo

Número de deslocados no mundo bate recorde

A violência e conflitos, sobretudo na Síria e na Ucrânia, levaram 38 milhões de pessoas a abandonar as suas casas e deslocar-se no próprio país, indica um relatório hoje publicado por uma organização norueguesa. 

Pelo menos 38 milhões de pessoas foram obrigadas a abandonar as suas casas, em 2014.

Pelo menos 38 milhões de pessoas foram obrigadas a abandonar as suas casas, em 2014.

© Rogan Ward / Reuters

De acordo com o estudo da organização não-governamental Observatório das Situações de Deslocação Interna (IDMC, sigla em inglês), este é um número recorde, equivalente às populações totais de Nova Iorque, Londres e Pequim. 

38 milhões de deslocados significa que foram cerca de 30 mil por dia, em 2014.

"Estes são os piores números de deslocações forçadas numa geração, mostrando o nosso completo fracasso na proteção de civis inocentes", declarou Jan Egeland, secretário-geral do Conselho para os Refugiados Norueguês (NRC), do qual depende o IDMC. 

De acordo com o IDMC, atualmente o número de IDP é mais do dobro do número de refugiados em todo o mundo. O relatório não indica um número exato de refugiados. 

As estatísticas das Nações Unidas referem a existência de cerca de 16,7 milhões de refugiados em todo o mundo, no final de 2013. 

No ano passado, o número de pessoas deslocadas internamente aumentou 14% relativamente ao ano anterior, à crise de Darfur (Sudão) em 2004, à violência no Iraque em meados da década de 2000, ou depois das revoltas da chamada "primavera árabe" em 2011, indica o IDMC. 

"Este relatório devia ser um tremendo grito de alerta", disse Egeland. "Temos de acabar com estas situações em que milhões de homens, mulheres e crianças são apanhados em zonas de conflito, em todo o mundo", acrescentou.

No ano passado, 60% dos novos deslocados internos foram registados em cinco países: Iraque, Sudão do Sul, Síria, República Democrática do Congo e Nigéria. 

O Iraque é o mais atingido, com 2,2 milhões de pessoas forçadas a fugir de zonas do país conquistadas pelo grupo extremista Estado Islâmico (EI). 

Os 'jihadistas' do EI também são os responsáveis por milhares de deslocados na Síria, já devastada pela guerra civil. 

Perto de um milhão de pessoas deslocou-se na Síria no ano passado, o que eleva o número total de deslocados internos no país para 7,6 milhões, ou 40% da população. 

A Ucrânia surge pela primeira vez no relatório do IDMC, com 646.500 pessoas deslocadas internamente em 2014, com a guerra entre os separatistas pró-russos e as forças de Kiev. 

Com Lusa

  • SIC Europa

    É dramática a situação de centenas de refugiados que procuram todas as semanas chegar à Europa. Esta semana, em Bruxelas, os chefes de Estado e de governo e os líderes europeus decidiram triplicar o orçamento das missões de patrulha e salvamento no Mediterrâneo.

  • UE triplica orçamento para missões no Mediterrâneo
    4:53

    Os Europeus

    É dramática a situação de centenas de refugiados que procuram todas as semanas chegar à Europa. Esta semana, em Bruxelas, os chefes de Estado e de governo e os líderes europeus decidiram triplicar o orçamento das missões de patrulha e salvamento no Mediterrâneo.

  • Pagar IMI a prestações e um Documento Único Automóvel mais pequeno

    País

    O programa Simplex + 2017 é apresentado hoje à tarde e recebeu mais de 250 propostas de cidadãos ao longo dos últimos meses. As novas medidas preveem o pagamento em prestações do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) e a criação de um simulador de custos da Justiça, que devem estar em vigor no próximo ano.

  • Cinco anos depois do incêndio na Serra do Caldeirão
    5:24
  • Destaques económicos que marcaram a semana
    2:03

    Economia

    A semana ficou marcada pela tragédia provocada pelos incêndios no centro do país. No entanto importa olhar para o que se passou noutras áreas e fazer um resumo das notícias relacionadas com a economia. 

  • "Toda a gente merece direitos iguais"
    0:14

    Mundo

    A polícia de Istambul montou cordões de segurança para dispersar a multidão que se juntou para a Marcha do Orgulho Gay, este domingo. O Governo proibiu a marcha por considerar que representa um risco para a segurança pública. Uma das ativistas fala numa decisão sem sentido, e diz que todas as pessoas merecem direitos iguais.

  • "Ela veio lá de fora e começou a atropelar as pessoas"
    0:43

    Mundo

    O atropelamento deste sábado em Newcastle, no Reino Unido, provocou pelo menos seis feridos. No local, as pessoas relatam momentos de pânico. Uma testemunha afirma que a condutora nunca perdeu o controlo do carro e que dirigiu intencionalmente contra a multidão.