sicnot

Perfil

Mundo

Número de deslocados no mundo bate recorde

A violência e conflitos, sobretudo na Síria e na Ucrânia, levaram 38 milhões de pessoas a abandonar as suas casas e deslocar-se no próprio país, indica um relatório hoje publicado por uma organização norueguesa. 

Pelo menos 38 milhões de pessoas foram obrigadas a abandonar as suas casas, em 2014.

Pelo menos 38 milhões de pessoas foram obrigadas a abandonar as suas casas, em 2014.

© Rogan Ward / Reuters

De acordo com o estudo da organização não-governamental Observatório das Situações de Deslocação Interna (IDMC, sigla em inglês), este é um número recorde, equivalente às populações totais de Nova Iorque, Londres e Pequim. 

38 milhões de deslocados significa que foram cerca de 30 mil por dia, em 2014.

"Estes são os piores números de deslocações forçadas numa geração, mostrando o nosso completo fracasso na proteção de civis inocentes", declarou Jan Egeland, secretário-geral do Conselho para os Refugiados Norueguês (NRC), do qual depende o IDMC. 

De acordo com o IDMC, atualmente o número de IDP é mais do dobro do número de refugiados em todo o mundo. O relatório não indica um número exato de refugiados. 

As estatísticas das Nações Unidas referem a existência de cerca de 16,7 milhões de refugiados em todo o mundo, no final de 2013. 

No ano passado, o número de pessoas deslocadas internamente aumentou 14% relativamente ao ano anterior, à crise de Darfur (Sudão) em 2004, à violência no Iraque em meados da década de 2000, ou depois das revoltas da chamada "primavera árabe" em 2011, indica o IDMC. 

"Este relatório devia ser um tremendo grito de alerta", disse Egeland. "Temos de acabar com estas situações em que milhões de homens, mulheres e crianças são apanhados em zonas de conflito, em todo o mundo", acrescentou.

No ano passado, 60% dos novos deslocados internos foram registados em cinco países: Iraque, Sudão do Sul, Síria, República Democrática do Congo e Nigéria. 

O Iraque é o mais atingido, com 2,2 milhões de pessoas forçadas a fugir de zonas do país conquistadas pelo grupo extremista Estado Islâmico (EI). 

Os 'jihadistas' do EI também são os responsáveis por milhares de deslocados na Síria, já devastada pela guerra civil. 

Perto de um milhão de pessoas deslocou-se na Síria no ano passado, o que eleva o número total de deslocados internos no país para 7,6 milhões, ou 40% da população. 

A Ucrânia surge pela primeira vez no relatório do IDMC, com 646.500 pessoas deslocadas internamente em 2014, com a guerra entre os separatistas pró-russos e as forças de Kiev. 

Com Lusa

  • SIC Europa

    É dramática a situação de centenas de refugiados que procuram todas as semanas chegar à Europa. Esta semana, em Bruxelas, os chefes de Estado e de governo e os líderes europeus decidiram triplicar o orçamento das missões de patrulha e salvamento no Mediterrâneo.

  • UE triplica orçamento para missões no Mediterrâneo
    4:53

    Os Europeus

    É dramática a situação de centenas de refugiados que procuram todas as semanas chegar à Europa. Esta semana, em Bruxelas, os chefes de Estado e de governo e os líderes europeus decidiram triplicar o orçamento das missões de patrulha e salvamento no Mediterrâneo.

  • Corpos de portuguesas trasladados segunda-feira 
    1:27
  • Incendiários vão passar o verão com pulseira eletrónica

    País

    Os tribunais vão poder condenar os incendiários a penas de prisão domiciliária, com pulseira eletrónica, durante as épocas de incêndio. A nova lei foi aprovada na semana passada, na Assembleia da República, e aguarda a promulgação do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

  • Estado vai tomar posse de terras abandonadas

    País

    O Governo vai recorrer ao Código Civil para permitir que o Estado tome posse de terras ao abandono. À margem da entrevista ao Expresso, o primeiro-ministro anunciou que o Governo irá acionar o artigo 1345º do Código Civil, que estabelece que as coisas imóveis sem dono conhecido se consideram do património do Estado.

  • "Trump, deixe-me ajudá-lo a escrever o discurso"
    0:47

    Mundo

    Arnold Schwarzenegger diz que Donald Trump tem o dever moral de se opor ao ódio e ao racismo. Num vídeo publicado nas redes sociais, o ator norte-americano e antigo governador da Califórnia encenou o discurso que Donald Trump devia ter. 

  • Hino da SIC tocado pela viola beiroa
    2:22