sicnot

Perfil

Mundo

EUA começam a treinar rebeldes sírios para lutar contra o "Estado Islâmico"

Os Estados Unidos começaram a treinar rebeldes sírios moderados na Jordânia, com vista a lutar contra o grupo Estado Islâmico (EI), disse esta quinta-feira, em Washington, um responsável americano.

Ao anunciar o programa de formação, os EUA referiram o objetivo de treinar 5000 combatentes por ano, mas os militares americanos enfrentam particulares dificuldades na seleção dos candidatos, querendo limitar o risco de estes lutadores se voltarem contra eles.

Ao anunciar o programa de formação, os EUA referiram o objetivo de treinar 5000 combatentes por ano, mas os militares americanos enfrentam particulares dificuldades na seleção dos candidatos, querendo limitar o risco de estes lutadores se voltarem contra eles.

© Hosam Katan / Reuters

O mesmo responsável, que falou à Agência France-Presse (AFP) a coberto do anonimato, acrescentou que esta formação em competências básicas militares será alargada à Turquia, à Arábia Saudita e ao Qatar.

Na Jordânia, o porta-voz do governo, Mohamed al-Momani, confirmou que o treino de rebeldes sírios "começou bem", sendo parte "dos esforços da Jordânia em complementaridade com os países irmãos e amigos, membros da coligação", para combater o terrorismo.

"A Jordânia enfatizou que a guerra contra o terrorismo é a nossa guerra, e é a guerra dos árabes e dos muçulmanos em primeiro lugar para proteger os nossos interesses e a segurança dos nossos países e povos", acrescentou.

Ao anunciar o programa de formação, os EUA referiram o objetivo de treinar 5000 combatentes por ano, mas os militares americanos enfrentam particulares dificuldades na seleção dos candidatos, querendo limitar o risco de estes lutadores se voltarem contra eles.

De acordo com os últimos números fornecidos pelo Pentágono, 3750 sírios apresentaram candidaturas, tendo sido pré-selecionados 400, numa fase que deverá ser complementada por outras verificações.

O Congresso dos EUA, que tem pressionado fortemente a administração Obama para realizar este programa, votou no sentido de lhe serem destinados 500 milhões de dólares de financiamento.

Os Estados Unidos haviam anunciado que cerca de 1.000 soldados norte-americanos seriam destacados para este programa, tendo até agora chegado ao local 450.

Alguns parceiros de Washington, como a Turquia, acusam os EUA de querer direcionar a ação dos rebeldes apenas contra o grupo Estado Islâmico, em detrimento da luta contra o regime do presidente sírio, Bachar al-Assad.

A Jordânia já anunciara em março que ia treinar lutadores de "tribos sírias" para combater o EI.
Lusa
  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Itália tenta colocar migrações na agenda do G7 contra vontade dos EUA
    1:45
  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.