sicnot

Perfil

Mundo

Encontrados destroços da embarcação que se afundou e causou a morte de 700 pessoas

A Marinha italiana anunciou hoje que já avistou os destroços da traineira que se afundou em abril quanto tentava fazer a travessia marítima para a Europa, provocando a morte de cerca de 700 pessoas. 

(AP/ Arquivo)

"Hoje, cerca de 85 milhas a norte da costa da Líbia foi localizada a 375 metros de profundidade, uma embarcação de cor azul com um comprimento de 25 metros, capaz de ser um dos barcos que se afundou em 18 de abril", anunciou a Marinha num comunicado.


O primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi, na sequência do desastre humanitário, comprometeu-se a tentar resgatar o barco para que os mortos que ainda estão no porão, trancados, pudessem receber um enterro apropriado. 


O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, lamentou, na altura, o naufrágio de uma traineira, com 700 imigrantes a bordo, frente à costa líbia, e pediu à União Europeia (UE) uma resposta face às inúmeras mortes de imigrantes no Mediterrâneo.


Ban Ki-moon manifestou-se "chocado e profundamente entristecido" com a tragédia, a mais recente de uma série de outras ocorridas na última semana, envolvendo a morte de centenas de imigrantes e refugiados, refere em comunicado o seu porta-voz.


Para o secretário-geral da ONU, estas tragédias figuram como "urgentes lembretes da necessidade fundamental de se ter uma forte capacidade de busca e de resgate no Mediterrâneo", pelo que instou a UE e os seus governos a "acelerar os seus atuais esforços no sentido de responder de forma global à situação daqueles que procuram refúgio nas suas fronteiras".


"Com números recorde de pessoas que fogem da guerra e da perseguição, há mais gente a tentar chegar à Europa por barco e estão a perder-se mais vidas", realçou.


Segundo dados da ONU, a confirmar-se a morte dos imigrantes desaparecidos no naufrágio de sábado, desde o início do ano terão morrido em águas do Mediterrâneo cerca de 1.600 pessoas, as quais se somam às mais de 3.500 que perderam a vida em 2014.


"Isto faz do Mediterrâneo a rota mais mortífera das utilizadas pelos requerentes de asilo e imigrantes", concluiu Ban Ki-moon



Lusa
  • Negócios do Fogo
    22:00
  • Direção da Raríssimas na Madeira demitiu-se em setembro
    1:58

    País

    Três representantes da Raríssimas na ilha da Madeira demitiram-se, em setembro, de costas voltas para a direção. A delegação da instituição na ilha começou em 2015 e fechou com as três demissões. Em entrevista à SIC, uma das antigas delegadas afirmou que todos os fundos angariados foram para a sede, em Lisboa, ficando depois sem dinheiro para pagas as despesas.

  • Deputado do PSD recusa vice-presidência da Raríssimas
    1:58

    País

    Nas reações políticas ao caso da Raríssimas, o PSD e CDS dizem que é preciso acionar todos os mecanismos legais apropriados para averiguar a situação. O deputado social-democrata, Ricardo Baptista Leite, que tinha sido convidado recentemente para vice-presidente da instituição, diz que já não há condições para tomar posse.

  • Presidente da Câmara de Nova Iorque confirma "atentado terrorista falhado"
    0:29
  • Turistas aproveitam nevão na Serra da Estrela
    1:23
  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59
  • Dezenas de feridos em protestos contra decisão de Trump em Israel
    1:55
  • A brincadeira de um youtuber que podia ter acabado mal

    Mundo

    Um jovem youtuber inglês enfiou a cabeça num saco de plástico, prendeu-a na parte interna de um microondas e encheu depois o eletrodoméstico com cimento. A brincadeira, que podia ter acabado de forma trágica, deixou o jovem completamente preso e obrigou à intervenção dos serviços de emergência.

    SIC

  • "Popeye" russo pode ter que amputar braços

    Mundo

    Um jovem russo injetou um óleo no corpo para conseguir ter músculos, mais propriamente nos seus braços, que já cresceram cerca de 25 centímetros. Contudo, segundo um médico, o procedimento pode levar à necessidade de amputação, deixando o jovem sem os membros.