sicnot

Perfil

Mundo

Assange vai recorrer às instâncias internacionais para se defender

O fundador do Wikileaks, Julian Assange, vai apresentar um recurso junto das "instâncias internacionais", anunciou hoje um dos seus advogados, um dia depois de a justiça sueca ter recusado anular um mandado de detenção em seu nome por violação. 

© POOL New / Reuters

O ex-juiz espanhol Baltazar Garzón afirmou que esta decisão "acaba com a via judicial nacional", seguindo-se agora o recurso "às instâncias internacionais para a salvaguarda dos direitos gravemente atacados". 

A defesa de Assange está a estudar "em qual das instâncias internacionais" vai apresentar o processo.

Assange é alvo de um mandado de detenção europeu por acusações de violação e agressão sexual na Suécia, em 2010, que ele nega. 

Refugiado desde junho de 2012 na embaixada do Equador em Londres, recusa deslocar-se à Suécia, por receio de ser expulso para os EUA, que o querem julgar por ter divulgado cerca de meio milhão de documentos classificados através do Wikileaks.

Baltasar Garzón, que ganhou notoriedade por decisões como a de mandar deter o ditador chileno Augusto Pinochet, em Londres, em 1998, estima que o Supremo Tribunal sueco recusou "pronunciar-se sobre os atrasos injustificados, devido à inação" da procuradoria, ou "à privação da liberdade de facto, sem qualquer garantia processual, durante quase três anos" de Julian Assange.

Baltasar Garzón reiterou a disposição de Assange para ser interrogado em Londres "com caráter de urgência, de forma a acabar com esta situação de incapacidade de se defender, que o obriga a esconder-se e impede de facto um processo equitativo". 

As autoridades judiciais suecas propuseram em março interrogar o fundador do Wikileaks em Londres. 







Lusa
  • Governo quer reduzir gastos com papel na função pública
    1:08

    Economia

    O Governo proibiu a livre utilização das impressoras pelos funcionários públicos. O ministro das Finanças quer assim reduzir em 20% a despesa em consumo de papel e, ao mesmo tempo, minimizar a perigosidades dos resíduos produzidos com as impressoras, no Estado.