sicnot

Perfil

Mundo

Conselho da Europa pede que Estados facilitem reconhecimento das pessoas intersexo

O Conselho da Europa quer ver facilitado o reconhecimento das pessoas intersexo, para que não tenham de escolher entre género masculino ou feminino nos documentos de identidade, alertando que a Europa desconsidera os direitos destas pessoas.

Intersexo é um termo usado para definir as pessoas que nascem com uma anatomia sexual ou reprodutiva que não encaixa nas definições típicas de género masculino ou feminino, ou seja, uma pessoa pode nascer com características físicas externas femininas, mas a anatomia interna ser masculina, por exemplo. (Arquivo)

Intersexo é um termo usado para definir as pessoas que nascem com uma anatomia sexual ou reprodutiva que não encaixa nas definições típicas de género masculino ou feminino, ou seja, uma pessoa pode nascer com características físicas externas femininas, mas a anatomia interna ser masculina, por exemplo. (Arquivo)

© Jorge Cabrera / Reuters

Num relatório divulgado hoje, com o nome "Direitos Humanos e Pessoas Intersexo", o Comissário Europeu para os Direitos Humanos, Nils Muiznieks, recomenda aos Estados membros que facilitem o reconhecimento das pessoas intersexo perante a lei.

Intersexo é um termo usado para definir as pessoas que nascem com uma anatomia sexual ou reprodutiva que não encaixa nas definições típicas de género masculino ou feminino, ou seja, uma pessoa pode nascer com características físicas externas femininas, mas a anatomia interna ser masculina, por exemplo.

Para isso, o Conselho da Europa pede aos Estados membros que disponibilizem, de forma rápida, certidões de nascimento, registo civil, documentos de identidade, passaportes ou outros documentos pessoais oficiais, respeitando o direito destas pessoas à autodeterminação.

Sugere procedimentos flexíveis na altura de atribuir ou reatribuir o género nos documentos oficiais e que prevejam a possibilidade de não ser obrigatório ter de escolher entre masculino ou feminino.

"A maioria dos europeus desconhece as penosas histórias das pessoas intersexo e as violações aos direitos humanos que elas enfrentam", apontou Nils Muiznieks, em comunicado.

Na opinião do comissário europeu, os estereótipos e as normas sustentadas na classificação binária feminino/masculino levaram a "intervenções médicas e cirúrgicas desnecessárias em crianças intersexuais e a um clima de incompreensão na sociedade".

"É tempo de resolver esta situação inaceitável", defendeu Muiznieks.

Nesse sentido, diz que "os Estados membros devem acabar com tratamentos de 'normalização' desnecessários, incluindo esterilização ou cirurgias genitais irreversíveis", quando esses procedimentos são feitos sem o conhecimento ou consentimento da pessoa em causa.

"As pessoas intersexo e as suas famílias devem ter direito a aconselhamento interdisciplinar e apoio e deve ser garantido o acesso aos registos médicos", lê-se no relatório.

Para o Conselho da Europa, as classificações nacionais e internacionais sobre as características sexuais devem ser revistas, com vista a eliminar obstáculos no uso pleno dos direitos humanos, incluindo o direito de acesso a cuidados de saúde.

Por outro lado, quer também que as legislações nacionais relativas a crimes de ódio sejam revistas e passem a incluir as pessoas intersexo e pede que as organizações não-governamentais (ONG) cuja área de atuação seja os direitos humanos tenham um papel ativo na defesa destas pessoas.

"Os Estados membros devem fazer trabalho de investigação sobre a situação e sobre a necessidade de proteção dos direitos humanos das pessoas intersexo", diz o Conselho da Europa, justificando que há ainda um grande desconhecimento em relação a esta matéria.

Por último, pede que as violações dos direitos humanos que estas pessoas sofreram nos últimos anos sejam investigadas, conhecidas publicamente e resolvidas.
  • Pablo Bravo: o chileno suspeito de um assalto milionário em Gaia
    6:01

    País

    As autoridades receiam um aumento da violência nos assaltos de redes sul-americanas em Portugal, à semelhança do que tem acontecido noutros países europeus. Pablo Bravo é um chileno com um longo cadastro criminal que, em Portugal, é suspeito de um assalto milionário a um hipermercado, em Gaia e, dias depois, foi detido em flagrante, em Paris, a tentar roubar uma loja de relógios de luxo.

    Notícia SIC

  • Obras para as novas instalações da SIC já começaram
    1:54

    País

    As obras do novo estúdio da SIC e SIC Notícias vão começar. A ampliação do edifício do grupo Impresa vai unir os funcionários do grupo num único espaço, com uma área de 750 metros. O Presidente da Câmara de Oeiras entregou esta terça-feira a licença de obra.

  • Já há destinos esgotados para o Carnaval e Páscoa
    3:08

    Economia

    A procura de viagens na altura do Carnaval e Páscoa tem vindo a aumentar e vários destinos já estão esgotados já que muitas pessoas optam por tirar dias de férias nesta altura do ano. Em contagem decrescente, as agências de viagens não têm tido mãos a medir com promoções e ofertas para destinos variados e adequados a várias bolsas.

  • As crianças que estão a morrer à fome em África

    Mundo

    A UNICEF alertou esta terça-feira que a má nutrição aguda que afeta a Nigéria, Somália, Sudão do Sul e Iémen coloca este ano em "iminente" risco de morte 1,4 milhões de crianças devido à fome que existe naqueles países. São milhares de casos de um incessante desespero numa luta diária pela sobrevivência.

  • Cães desfilam no Rio de Janeiro
    1:00

    Mundo

    O tradicional cortejo de Carnaval brasileiro só acontece daqui a uns dias, mas no Rio de Janeiro já há inúmeros desfiles pelas ruas. Na praia de Copacabana, os animais mascararam-se de humanos.