sicnot

Perfil

Mundo

Dois detidos em Barcelona por difundir ideais do Estado Islâmico

A polícia espanhola deteve hoje duas pessoas em Barcelona que difundiam, pelas redes sociais, conteúdos extraídos diretamente dos meios de informação oficiais da organização terrorista autodenominada Estado Islâmico.

© Dado Ruvic / Reuters

De acordo com um comunicado do Ministério do Interior espanhol, a difusão do material do Estado Islâmico (DAESH, no acrónimo em árabe) fazia-se através de uma "complexa rede de perfis virtuais". 

A detenção foi feita por agentes da divisão de informações do Corpo Nacional de Polícia e da polícia da Catalunha.

Os detidos também "elaboravam material próprio que distribuiam" na Internet. 

"Com as suas atividades propagandísticas e proselitistas, davam um maior alcance ao idealogia da organização terrorista DAESH, à qual já tinham dado mostras públicas de lealdade", adianta o ministério.

A operação policial está enquadrada em diligências ordenadas pelo Tribunal Central de Instrução número 4 da Audiência Nacional (instância especial em Espanha, com jurisdição em todo o território e especializada em crimes graves ou complexos, como corrupção, crime financeiro ou terrorismo).



  • "A nossa lei tem demasiados buracos"
    0:44

    País

    Rui Cardoso acusa a classe política de não querer resolver os problemas da corrupção em Portugal. Entrevistado na Edição da Noite da SIC Notícias o magistrado do Ministério Público considera que ainda há um longo caminho a percorrer no combate à corrupção.

  • Beyoncé e a irmã caem e o vídeo torna-se viral

    Cultura

    Beyoncé voltou este fim de semana a subir ao palco do Coachella, depois de ter atuado na primeira semana do festival que decorreu no deserto da Califórnia, nos EUA. A cantora norte-americana voltou a brilhar, mas foi o momento em que caiu no palco com a irmã, Solange, que acabou por se tornar viral.

    SIC

  • Cientistas querem sequenciar genomas de 15 milhões de espécies

    Mundo

    Um consórcio internacional de cientistas, que por enquanto não inclui portugueses, propõe-se sequenciar, catalogar e analisar os genomas (conjuntos de informação genética) de 15 milhões de espécies, uma tarefa que levará dez anos a fazer, foi divulgado esta segunda-feira.