sicnot

Perfil

Mundo

UE concedeu asilo a 185 mil pessoas em 2014, Portugal a 40

Os Estados-membros da União Europeia concederam proteção a 185 mil requerentes de asilo em 2014, uma subida de 50% face ao ano anterior, tendo Portugal respondido favoravelmente a 40 dos 155 pedidos recebidos, revela hoje o Eurostat.

Acampamento de refugiados africanos em Calais, França.

Acampamento de refugiados africanos em Calais, França.

© Pascal Rossignol / Reuters

O relatório do gabinete oficial de estatísticas da UE, divulgado hoje, na véspera de a Comissão Europeia apresentar a sua Agenda Europeia para a Migração, que deverá abordar a questão da criação de quotas para pedidos de asilo, revela que mais de um terço dos requerentes de asilo que viram os seus pedidos atendidos em 2014 eram de nacionalidade síria (68.400 pessoas), seguindo-se naturais da Eritreia (14.600) e do Afeganistão (14.100).

Os sírios, cujo número quase duplicou face a 2013 e quadruplicou relativamente a 2012, como consequência da guerra civil no país, foram, em 2014, os principais beneficiários de estatuto de proteção em praticamente metade dos 27 Estados-membros sobre os quais há dados disponíveis (não há dados para a Áustria), sendo que mais de 60% dos 68.400 sírios a quem foi concedida proteção receberam-na em dois países, Alemanha (25.700) e Suécia (16.800).

De resto, Alemanha (com um total de 47.555 respostas favoráveis a pedidos de asilo), Suécia (33.025), França (20.640) e Itália (20.630) foram responsáveis por mais de dois terços dos estatutos de asilo concedidos na União Europeia em 2014.

Já em Portugal, onde os números são praticamente residuais, dos 40 pedidos de asilo que receberam resposta favorável, 15 foram provenientes de cidadãos da Guiné-Conacri, Irão e Paquistão (cinco cada).



Lusa
  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.