sicnot

Perfil

Mundo

Texas executa sétimo condenado à morte em 2015

O Estado norte-americano do Texas executou hoje Derrick Charles, um afroamericano de 32 anos condenado pelo homicídio da sua namorada, a mãe e a avó desta em 2002 na casa em Houston.

reuters

Derrick Charles foi declarado morto às 18:36 locais (00:36 de hoje em Lisboa) depois de executado com uma injeção letal na prisão de Huntsville, revelou o Departamento de Justiça Criminal do Texas.

As suas últimas palavras foram: "Estou pronto para ir para casa".

Na altura dos homicídios, Derrick Charles tinha 19 anos e acabou com a vida da sua namorada Myiesha Bennett, de 15 anos, da mãe desta, Brenda Bennett, de 44 anos, e com a a da avó, Obie Bennett, de 77 anos.

Com a execução de hoje, o estado do Texas soma já sete execuções em 2015 e tem já duas programadas para junho.

O Texas é o único estado norte-americano que tem previsto aplicar a pena de morte durante os próximos meses, uma situação insólita que se explica pelo desafio legal às injeções letais que está a ser discutido no Supremo Tribunal
  • Turistas chegam a esperar 2 horas no controlo de passaporte do Aeroporto de Lisboa
    2:35

    País

    Chegar ao Aeroporto de Lisboa pode ser uma dor de cabeça para centenas de passageiros. A espera para o controlo de passaporte chegou a ultrapassar as duas horas nos meses de fevereiro e março. Manuela Niza, do Sindicato dos Funcionários do Serviços de Estrangeiros e Fronteiras, diz que têm sido contratados inspetores que depois são desviados para outros serviços.

  • Hasta pública de madeira ardida rendeu 2,85 milhões de euros

    País

    Mais de meia centena de lotes de madeira ardida proveniente de matas nacionais e perímetros florestais geridos pelo Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) foram esta quinta-feira vendidos por 2,85 milhões de euros, numa hasta pública em Viseu.

  • "Dinheiro gasto em contentores dava para construir outro hospital" no Porto
    1:40

    País

    A bastonária dos Enfermeiros pede uma investigação aos contratos de contentores no Hospital de São João, no Porto. Ana Rita Cavaco diz que os "milhares de euros" já gastos na contratação e manutenção dos contentores da Pediatria e outros serviços do centro Hospitalar de São João davam para construir um novo hospital. E levanta ainda a suspeita sobre a empresa contratada.