sicnot

Perfil

Mundo

Texas executa sétimo condenado à morte em 2015

O Estado norte-americano do Texas executou hoje Derrick Charles, um afroamericano de 32 anos condenado pelo homicídio da sua namorada, a mãe e a avó desta em 2002 na casa em Houston.

reuters

Derrick Charles foi declarado morto às 18:36 locais (00:36 de hoje em Lisboa) depois de executado com uma injeção letal na prisão de Huntsville, revelou o Departamento de Justiça Criminal do Texas.

As suas últimas palavras foram: "Estou pronto para ir para casa".

Na altura dos homicídios, Derrick Charles tinha 19 anos e acabou com a vida da sua namorada Myiesha Bennett, de 15 anos, da mãe desta, Brenda Bennett, de 44 anos, e com a a da avó, Obie Bennett, de 77 anos.

Com a execução de hoje, o estado do Texas soma já sete execuções em 2015 e tem já duas programadas para junho.

O Texas é o único estado norte-americano que tem previsto aplicar a pena de morte durante os próximos meses, uma situação insólita que se explica pelo desafio legal às injeções letais que está a ser discutido no Supremo Tribunal
  • Será que lavar em lavandarias self-service compensa?
    8:21
  • "Não se pode voltar atrás, o povo de Deus confirmou a necessidade deste Papa"
    3:15
  • Dois em cada três portugueses vivem vidas sedentárias

    País

    Com menos de hora e meia de exercício semanal, mais de dois terços dos portugueses vivem vidas sedentárias. E a maioria desvaloriza a importância da atividade física, segundo um inquérito divulgado esta quinta-feira pela Fundação Portuguesa de Cardiologia.

  • Depois de dar a volta (de bicicleta de Lisboa a Setúbal)

    País

    Missão cumprida. A SIC foi dar uma volta de bicicleta, acompanhando a primeira etapa de uma iniciativa que pretende impulsionar o uso dos velocípedes no país. Ao longo desta quarta-feira, publicámos vários vídeos em direto na página de Facebook da SIC Notícias, que aqui reunimos, em jeito de balanço.

    Ricardo Rosa

  • Primeira dama chinesa defende avanços na igualdade

    Mundo

    A primeira dama chinesa, Peng Liyuan, defendeu os avanços da China em matéria de igualdade dos géneros. Uma rara entrevista, difundida numa altura em que feministas chinesas asseguram serem controladas pela polícia face às suas campanhas.