sicnot

Perfil

Mundo

Países bálticos vão pedir milhares de tropas à NATO devido à tensão com a Rússia

Os países bálticos vão pedir formalmente à NATO o destacamento de milhares de tropas para uma missão de dissuasão, dada "a situação de segurança na região", anunciou hoje um porta-voz militar lituano, referindo-se à tensão com a Rússia.

Exercício da NATO na Estónia.

Exercício da NATO na Estónia.

© Ints Kalnins / Reuters

"Pretendemos uma unidade do tamanho de uma brigada para que cada um dos países bálticos tenha um batalhão", disse o porta-voz militar Mindaugas Neimontas à agência France Presse.

O objetivo é dispor de "forças permanentes rotativas" da NATO como "medida de dissuasão dada a situação de segurança na região", marcada por tensões entre os três países bálticos, todos ex-repúblicas soviéticas, e a Rússia desde o início do conflito na Ucrânia.

O pedido formal vai ser enviado em breve pelos chefes das Forças Armadas da Lituânia, Estónia e Letónia ao comandante das forças da NATO na Europa, o general norte-americano Philip Breedlove, precisou.

Em Antalya (Turquia), onde hoje terminou uma reunião informal de ministros dos Negócios Estrangeiros da NATO, o secretário-geral da organização, Jens Stoltenberg, disse à imprensa saber da intenção, mas considerou prematuro fazer qualquer avaliação neste momento.

"Quando recebermos a carta vamos analisá-la cuidadosamente e avaliar as propostas que contiver", disse Stoltenberg, acrescentando que a NATO já tomou medidas para defender a segurança dos países bálticos, como o aumento da presença naval e aérea.

"O nosso objetivo principal neste momento é a implementação das decisões que já tomámos", acrescentou.

Alguns dos aliados europeus têm manifestado reservas quanto a uma presença militar aliada substancial nos bálticos, por considerarem que pode violar o acordo de 1997 entre a Aliança Atlântica e a Rússia.

Segundo fontes da NATO, a organização prefere apostar na força de intervenção rápida aprovada em novembro de 2014, capaz de ser rapidamente destacada para crises que surjam a leste ou a sul, em vez de numa presença permanente no leste europeu.

Estónia, Letónia e Lituânia têm-se queixado de um aumento da atividade militar na região na sequência do conflito na Ucrânia, incluindo voos de aviões militares russos com os emissores desligados, que colocam em risco a aviação civil.


Lusa
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, fez 100 dias este sábado. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52