sicnot

Perfil

Mundo

Países bálticos vão pedir milhares de tropas à NATO devido à tensão com a Rússia

Os países bálticos vão pedir formalmente à NATO o destacamento de milhares de tropas para uma missão de dissuasão, dada "a situação de segurança na região", anunciou hoje um porta-voz militar lituano, referindo-se à tensão com a Rússia.

Exercício da NATO na Estónia.

Exercício da NATO na Estónia.

© Ints Kalnins / Reuters

"Pretendemos uma unidade do tamanho de uma brigada para que cada um dos países bálticos tenha um batalhão", disse o porta-voz militar Mindaugas Neimontas à agência France Presse.

O objetivo é dispor de "forças permanentes rotativas" da NATO como "medida de dissuasão dada a situação de segurança na região", marcada por tensões entre os três países bálticos, todos ex-repúblicas soviéticas, e a Rússia desde o início do conflito na Ucrânia.

O pedido formal vai ser enviado em breve pelos chefes das Forças Armadas da Lituânia, Estónia e Letónia ao comandante das forças da NATO na Europa, o general norte-americano Philip Breedlove, precisou.

Em Antalya (Turquia), onde hoje terminou uma reunião informal de ministros dos Negócios Estrangeiros da NATO, o secretário-geral da organização, Jens Stoltenberg, disse à imprensa saber da intenção, mas considerou prematuro fazer qualquer avaliação neste momento.

"Quando recebermos a carta vamos analisá-la cuidadosamente e avaliar as propostas que contiver", disse Stoltenberg, acrescentando que a NATO já tomou medidas para defender a segurança dos países bálticos, como o aumento da presença naval e aérea.

"O nosso objetivo principal neste momento é a implementação das decisões que já tomámos", acrescentou.

Alguns dos aliados europeus têm manifestado reservas quanto a uma presença militar aliada substancial nos bálticos, por considerarem que pode violar o acordo de 1997 entre a Aliança Atlântica e a Rússia.

Segundo fontes da NATO, a organização prefere apostar na força de intervenção rápida aprovada em novembro de 2014, capaz de ser rapidamente destacada para crises que surjam a leste ou a sul, em vez de numa presença permanente no leste europeu.

Estónia, Letónia e Lituânia têm-se queixado de um aumento da atividade militar na região na sequência do conflito na Ucrânia, incluindo voos de aviões militares russos com os emissores desligados, que colocam em risco a aviação civil.


Lusa
  • Santana diz que Marcelo por vezes faz de conta que é primeiro-ministro
    1:12

    País

    Santana Lopes diz que a expectativa que Passos Coelho criou sobre o mau desempenho do Governo se está a virar-se contra ele. Numa entrevista ao jornal Expresso deste sábado, o ex-primeiro-ministro e ex-presidente da Câmara Municipal de Lisboa considera contudo que Passos Coelho ainda poderá ganhar as próximas eleições. Sobre Marcelo, o atual provedor da Santa Casa da Misericórdia diz que por vezes faz de conta que é o primeiro-ministro.

  • Coala do Zoo de Duisburg viaja para Lisboa 

    País

    A SIC acompanhou, em exclusivo, a transferência de uma coala do Zoo de Duisburg, na Alemanha, para o Jardim Zoológico de Lisboa. O animal foi transportado pela TAP e batizado pelos passageiros que seguiam a bordo. Uma reportagem para ver mais logo no Jornal da Noite da SIC.

    Hoje no Jornal da Noite

  • Caravana com cinzas de Fidel chega este sábado a Santiago de Cuba
    2:01
  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.