sicnot

Perfil

Mundo

Estudo conclui que ter amigos, sobretudo reais, faz bem à saúde

A amizade é benéfica para a saúde e bem-estar, especialmente se for presencial, segundo um estudo divulgado esta sexta-feira.

Através das relações de amizade as pessoas riem-se mais, exprimem mais emoções positivas, sentem-se mais apoiadas e otimistas e sentem que têm alguém em quem confiar em momentos difíceis. (Arquivo)

Através das relações de amizade as pessoas riem-se mais, exprimem mais emoções positivas, sentem-se mais apoiadas e otimistas e sentem que têm alguém em quem confiar em momentos difíceis. (Arquivo)

© Mohammad Ismail / Reuters

Através das relações de amizade as pessoas riem-se mais, exprimem mais emoções positivas, sentem-se mais apoiadas e otimistas e sentem que têm alguém em quem confiar em momentos difíceis.

Nas relações indiretas (através das redes sociais) há também uma sensação de pertença que promove o bem-estar, diz o estudo do Centro de Investigação e Intervenção Social do ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa.

O estudo inquiriu 803 pessoas e concluiu também que quem mais usa as redes sociais (Facebook por exemplo) sente-se mais só, sente que tem menos apoio em caso de necessidade e que está menos ligado aos que o rodeiam.

Realizado por uma equipa do ISCTE, o estudo "Amizade e Saúde" procurou perceber se os amigos "virtuais" têm o mesmo impacto positivo do que a amizade ao vivo. E a conclusão é que o impacto é maior nas amizades presenciais.

De acordo com as respostas, na "vida real" 55 por cento dos inquiridos tinha mais de dez amigos, 59 por cento tinha três ou mais amigos íntimos e 48 por cento convivia pessoalmente com eles pelo menos uma vez por semana.

Segundo a amostra 58 por cento disse que raramente se sentia só, 70 por cento disse achar que teria pessoas a quem pedir ajuda se necessário, 45 por cento disse que se sentia socialmente bem integrado e 56 por cento que sentia uma forte conexão social.

Quanto à "vida virtual", 90 por cento dos inquiridos disse ter Facebook e destes 45 por cento disse ter mais de 300 amigos, ainda que a maioria (80 por cento) tenha reconhecido que apenas 50 ou menos eram amigos verdadeiros.

 Diz o estudo que, apesar de a dimensão de amigos nas redes sociais se associar a uma maior integração social, a frequência de contactos no Facebook pode ser um fator de risco para as amizades ao vivo. 
Lusa
  • Equipa da SIC impedida de entrar na Venezuela

    País

    A SIC tinha uma equipa a caminho da Venezuela para cobrir as eleições da Assembleia Constituinte que decorrem no domingo. No entanto o jornalista Luís Garriapa e o repórter de imagem Odacir Junior foram impedidos de entrar no país. A equipa de reportagem foi barrada à chegada ao aeroporto de Caracas. Num despacho enviado à companhia aérea que os transportou, tanto o jornalista como o repórter de imagem são considerados "inadmissíveis no território da Venezuela".

  • "Fomos considerados inadmissíveis no território da Venezuela"
    4:43

    País

    O jornalista Luís Garriapa entrou em direto no Jornal da Noite, para explicar o que aconteceu esta quinta-feira, no aeroporto de Caracas. A equipa de reportagem de SIC foi impedida de entrar na Venezuela, onde ia cobrir as eleições da Assembleia Constituinte, marcadas para domingo.

  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25
  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • Uma viagem aérea pela aldeia histórica de Monsanto
    0:50
  • Quase três mil toneladas de plástico ameçam tartarugas no Mediterrâneo
    2:35

    Mundo

    O Mar Mediterrâneo está sob a ameaça de se tornar uma lixeira com três mil toneladas de plástico a flutuarem entre a Europa e África. Há milhões de turistas a nadarem nestas águas e há espécies marinhas que já estão em perigo. No Chipre, os cientistas estão a tentar proteger tartarugas, cuja alimentação já é quase totalmente de plástico.