sicnot

Perfil

Mundo

Nepal recebeu apenas 14% dos 370 milhões necessários para ajuda humanitária

O Nepal recebeu apenas 14% dos 370 milhões de euros necessários para ajuda humanitária, após lançar apelo internacional na sequência de sismos ocorridos no país, disse hoje a ONU, alertando para "implicações graves" da falta de apoio. 

© Ahmad Masood / Reuters

"Se não agirmos rapidamente, as implicações serão graves" para as vítimas de dois recentes abalos sísmicos no país, avisou em comunicado o representante do Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA) no Nepal, Jamie McGoldrick.

De acordo com aquela agência da ONU, "a janela de oportunidade para prestar socorro vital para as pessoas afetadas pelos recentes sismos no Nepal está a fechar-se rapidamente", uma vez que "as necessidades urgentes de financiamento continuam a não ser atendidas".

Jamie McGoldrick alertou para o risco de "mais mortes, miséria e de arrepiante perda de dignidade" se não houver uma resposta da comunidade internacional.

 Há menos de um mês, o Nepal foi sacudido por dois abalos, que causaram mais de oito mil mortos e a destruição de cerca de 300 mil casas.

Na terça-feira, o Nepal foi atingido por um segundo sismo, de magnitude 7,3, gerando deslizamentos de terras e causando a destruição de vários edifícios, já enfraquecidos com o sismo de 25 de abril.

O terramoto de há três semanas, de magnitude 7,8 na escala de Richter, foi sentido na Índia, até Nova Deli, e causou o colapso de edifícios no Tibete, na vizinha China. 

O representante do OCHA no Nepal apelou hoje para a necessidade de se acudir "especialmente as zonas rurais e áreas remotas", onde "centenas de milhares de pessoas continuam desabrigadas, três semanas após o primeiro terramoto". 

Para Jamie McGoldrick "a prioridade mais urgente" é proporcionar abrigo para pessoas dada a aproximação da estação chuvosa, que pode "isolar as pessoas em regiões remotas e vulneráveis".

"As comunidades locais foram e continuam a ser os primeiros respondentes ao apelo. Os comités de desenvolvimento da aldeia, o sector privado, os voluntários realmente entenderam a sua responsabilidade", considerou o responsável pela agência humanitária da ONU, que lamentou a falta de resposta da comunidade internacional.

"Nesta fase, a nossa capacidade de resposta às necessidades urgentes dos Nepaleses depende unicamente do apoio financeiro que será fornecido", afirmou Jamie McGoldrick, citado na nota da OCHA publicada na sua página da Internet. 








Lusa
  • Confirmados dois novos casos de legionella

    Legionella

    Dois novos casos de legionella foram esta quarta-feira confirmados. A informação foi avançada em comunicado pela Direção-Geral da Saúde. Tratam-se de duas pessoas com mais de 80 anos, internadas no Hospital São Francisco Xavier e no Egas Moniz, ambas em situação clínica estável.

  • Quem é o novo Presidente do Zimbabué?
    2:15

    Mundo

    Emmerson Mnangagwa é o sucessor de Robert Mugabe que regressou esta quarta-feira da África do Sul, onde estava refugiado. No primeiro discurso, o Presidente do Zimbabué falou de uma nova democracia no país. Mnangagwa, conhecido como crocodilo, é suspeito de atrocidades na guerra civil pós-independência. 

  • Diminuem as hipóteses de salvar os tripulantes a bordo do submarino argentino
    3:09

    Mundo

    As hipóteses de salvar os tripulantes a bordo do submarino argentino, desaparecido há 8 dias, começaram a diminuir, uma vez que o chamado "tempo de segurança" já foi ultrapassado. A Marinha portuguesa está a acompanhar o caso do submarino que está desaparecido há oito dias. As hipóteses de salvar os tripulantes vão diminuindo.

  • Comprar um carro em segunda mão sem ser enganado 
    8:44
  • O que aprendemos com secas anteriores?
    32:50