sicnot

Perfil

Mundo

Nepal recebeu apenas 14% dos 370 milhões necessários para ajuda humanitária

O Nepal recebeu apenas 14% dos 370 milhões de euros necessários para ajuda humanitária, após lançar apelo internacional na sequência de sismos ocorridos no país, disse hoje a ONU, alertando para "implicações graves" da falta de apoio. 

© Ahmad Masood / Reuters

"Se não agirmos rapidamente, as implicações serão graves" para as vítimas de dois recentes abalos sísmicos no país, avisou em comunicado o representante do Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA) no Nepal, Jamie McGoldrick.

De acordo com aquela agência da ONU, "a janela de oportunidade para prestar socorro vital para as pessoas afetadas pelos recentes sismos no Nepal está a fechar-se rapidamente", uma vez que "as necessidades urgentes de financiamento continuam a não ser atendidas".

Jamie McGoldrick alertou para o risco de "mais mortes, miséria e de arrepiante perda de dignidade" se não houver uma resposta da comunidade internacional.

 Há menos de um mês, o Nepal foi sacudido por dois abalos, que causaram mais de oito mil mortos e a destruição de cerca de 300 mil casas.

Na terça-feira, o Nepal foi atingido por um segundo sismo, de magnitude 7,3, gerando deslizamentos de terras e causando a destruição de vários edifícios, já enfraquecidos com o sismo de 25 de abril.

O terramoto de há três semanas, de magnitude 7,8 na escala de Richter, foi sentido na Índia, até Nova Deli, e causou o colapso de edifícios no Tibete, na vizinha China. 

O representante do OCHA no Nepal apelou hoje para a necessidade de se acudir "especialmente as zonas rurais e áreas remotas", onde "centenas de milhares de pessoas continuam desabrigadas, três semanas após o primeiro terramoto". 

Para Jamie McGoldrick "a prioridade mais urgente" é proporcionar abrigo para pessoas dada a aproximação da estação chuvosa, que pode "isolar as pessoas em regiões remotas e vulneráveis".

"As comunidades locais foram e continuam a ser os primeiros respondentes ao apelo. Os comités de desenvolvimento da aldeia, o sector privado, os voluntários realmente entenderam a sua responsabilidade", considerou o responsável pela agência humanitária da ONU, que lamentou a falta de resposta da comunidade internacional.

"Nesta fase, a nossa capacidade de resposta às necessidades urgentes dos Nepaleses depende unicamente do apoio financeiro que será fornecido", afirmou Jamie McGoldrick, citado na nota da OCHA publicada na sua página da Internet. 








Lusa
  • Prisão preventiva para homicida de Barcelos
    1:43

    País

    O alegado homicida de Barcelos vai ficar em prisão preventiva, por quatro crimes de homicídio. Adelino Briote foi ouvido este sábado de manhã no Tribunal de Braga, depois de na sexta-feira ter alegadamente degolado quatro pessoas na freguesia de Tamel, em Barcelos.

  • Morte de portuguesa no Luxemburgo afinal não aconteceu

    País

    A morte de uma portuguesa em Bettembourg, no sul do Luxemburgo, não terá acontecido. O Jornal do Luxemburgo avançou, esta manhã, que a emigrante portuguesa tinha sido baleada mortamente pelo filho, uma informação entretanto desmentida por outro jornal online. Segundo o Bom Dia Luxemburgo, o que aconteceu foi afinal uma rusga policial.

  • Estamos quase na hora de verão

    País

    Esta madrugada muda a hora. Quando for 1h00, os relógios adiantam para as 2h00. Será uma noite com menos tempo de sono, mas os dias vão ficar mais longos com o chamado horário de verão.

  • Hora do Planeta, apagam-se as luzes para despertar consciências
    2:19
  • Milhares nas cerimónias fúnebres de dirigente do Hamas

    Mundo

    Milhares de palestinianos participaram nas cerimónias fúnebres de um dirigente do Hamas, assassinado esta sexta-feira, na Faixa de Gaza. Vários homens armados acompanharam o cortejo fúnebre até à mesquita, onde se fizeram as últimas orações.