sicnot

Perfil

Mundo

Anunciado fecho da lendária loja de brinquedos FAO Schwarz na Quinta Avenida

A lendária loja de brinquedos FAO Schwarz da Quinta Avenida, em Nova Iorque, uma das maiores e mais antigas do mundo, fecha em julho devido ao aumento das rendas naquele bairro de elite de Manhattan, foi hoje anunciado.

© Mike Segar / Reuters

A empresa, fundada em 1862, tem desde os anos 1930 o seu principal estabelecimento comercial na conhecida artéria nova-iorquina e ocupa desde 1986 a atual localização, nas imediações do Central Park.

A loja, imortalizada em vários filmes de Hollywood, como "Sozinho em Casa 2", encerrará a 15 de julho.

Segundo o diário The New York Times, a FAO Shwarz andava há anos a negociar a renda daquele espaço com os proprietários do edifício e finalmente acordou abandonar o imóvel antes do final do contrato, em 2017.

Adquirida em 2009 pela Toys'R'Us, a empresa tenta agora encontrar uma nova localização, embora, de acordo com o jornal nova-iorquino, seja pouco provável que a nova loja abra antes do outono de 2016.

A sua atual localização é um íman para os turistas que visitam Nova Iorque, atraídos pelos milhares de peluches, alguns com mais de três metros de altura, e pelo facto de ter sido cenário de diversos filmes.

O mais famoso deles é "Big", em que o ator Tom Hanks, desempenhando o papel de um menino que acorda num corpo de adulto, dança sobre um piano gigante na loja, outra das suas grandes atrações que continua a estar à disposição do público.








Lusa
  • Bruno de Carvalho garante empenho do Sporting
    0:52

    Desporto

    Bruno de Carvalho diz que o Sporting continua empenhado apesar do momento que o clube atravessa. O presidente leonino discursou ao início da tarde no núcleo Leões da Madeira, no Funchal, onde o Sporting joga hoje com o Marítimo.

  • Cágado tratado com implante impresso em 3D
    2:26
  • Patrões não aceitam alterações ao acordo de concertação social
    2:25

    Economia

    As confederações patronais foram esta sexta-feira ao Palácio de Belém dizer ao Presidente da República que não aceitam que o Parlamento faça alterações ao acordo de concertação social. Os patrões dizem ainda ter esperança que o Parlamento não chumbe o decreto-lei que reduz a TSU das empresas com salários mínimos.