sicnot

Perfil

Mundo

Mais de 20 mil manifestantes pedem demissão do governo da Macedónia

Mais de 20.000 pessoas concentraram-se hoje em Skopje para pedir a demissão do primeiro-ministro conservador, Nikola Gruevski, e do seu governo acusado de corrupção e de escutas ilegais em larga escala, segundo os organizadores e jornalistas no local.

© Ognen Teofilovski / Reuters

Com bandeiras macedónias, mas também albanesas, e gritando "Vitória, Vitória", os manifestantes concentraram-se na avenida do edifício do governo.

"Ficaremos enquanto for necessário, até à vitória final, até à demissão do primeiro-ministro", disse à agência France Presse Aleksandar Krstevski, um psicólogo com cerca de 30 anos, que veio de Kumanovo (norte).

"É preciso acabar com este governo", comentou Jelena de 29 anos, segurando um cartaz com as palavras "Adeus Nikola", dirigido ao chefe de governo, no poder há nove anos.

No sábado, numa entrevista à televisão local NOVA, o líder da oposição de esquerda Zoran Zaev afirmou que os manifestantes iam ficar no local até à demissão do governo.

"O protesto vai continuar. Cerca de 4.600 militantes, nomeadamente jovens, disseram 'Vamos ficar quer tu o faças ou não'", disse Zaev.

Manifestações antigovernamentais de menor amplitude vêm sendo realizadas desde há semanas em Skopje, enquanto a oposição denuncia regularmente casos de corrupção e de suborno implicando o governo.

Desafiando a oposição, o primeiro-ministro disse no sábado não ter qualquer intenção de se demitir, adiantando que por trás da oposição se encontram serviços secretos estrangeiros.

Ao contrário, três dos seus colaboradores, os ministros do Interior e dos Transportes e o chefe dos serviços de informações, apresentaram as suas demissões.

Ex-república jugoslava com 2,1 milhões de habitantes, a Macedónia enfrenta uma crise política desde o início do ano.

Gruevski e o seu partido (VMRO-DPMNE) foram reeleitos para um novo mandato de quatro anos em legislativas antecipadas em abril, mas a oposição tem recusado participar nos trabalhos do parlamento e denuncia "fraudes" cometidas durante o escrutínio.





Lusa
  • Ronaldo terá colocado milhões de euros nas Ilhas Virgens britânicas
    4:15

    Desporto

    José Mourinho e Cristiano Ronaldo são apenas dois dos nomes da maior fuga de informação na história do desporto. A plataforma informática Football Leaks forneceu milhões de documentos à revista alemã Der Spiegel, entre os quais documentos que indicam que o capitão da seleção nacional terá colocado milhões de euros da publicidade nas Ilhas Virgens britânicas. Os dados foram analisados por um consórcio de 60 jornalistas, do qual o Expresso faz parte, numa investigação que pode ler este sábado no semanário.

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.