sicnot

Perfil

Mundo

Mais de 20 mil manifestantes pedem demissão do governo da Macedónia

Mais de 20.000 pessoas concentraram-se hoje em Skopje para pedir a demissão do primeiro-ministro conservador, Nikola Gruevski, e do seu governo acusado de corrupção e de escutas ilegais em larga escala, segundo os organizadores e jornalistas no local.

© Ognen Teofilovski / Reuters

Com bandeiras macedónias, mas também albanesas, e gritando "Vitória, Vitória", os manifestantes concentraram-se na avenida do edifício do governo.

"Ficaremos enquanto for necessário, até à vitória final, até à demissão do primeiro-ministro", disse à agência France Presse Aleksandar Krstevski, um psicólogo com cerca de 30 anos, que veio de Kumanovo (norte).

"É preciso acabar com este governo", comentou Jelena de 29 anos, segurando um cartaz com as palavras "Adeus Nikola", dirigido ao chefe de governo, no poder há nove anos.

No sábado, numa entrevista à televisão local NOVA, o líder da oposição de esquerda Zoran Zaev afirmou que os manifestantes iam ficar no local até à demissão do governo.

"O protesto vai continuar. Cerca de 4.600 militantes, nomeadamente jovens, disseram 'Vamos ficar quer tu o faças ou não'", disse Zaev.

Manifestações antigovernamentais de menor amplitude vêm sendo realizadas desde há semanas em Skopje, enquanto a oposição denuncia regularmente casos de corrupção e de suborno implicando o governo.

Desafiando a oposição, o primeiro-ministro disse no sábado não ter qualquer intenção de se demitir, adiantando que por trás da oposição se encontram serviços secretos estrangeiros.

Ao contrário, três dos seus colaboradores, os ministros do Interior e dos Transportes e o chefe dos serviços de informações, apresentaram as suas demissões.

Ex-república jugoslava com 2,1 milhões de habitantes, a Macedónia enfrenta uma crise política desde o início do ano.

Gruevski e o seu partido (VMRO-DPMNE) foram reeleitos para um novo mandato de quatro anos em legislativas antecipadas em abril, mas a oposição tem recusado participar nos trabalhos do parlamento e denuncia "fraudes" cometidas durante o escrutínio.





Lusa
  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • Esquerda contra a venda do Novo Banco
    1:51

    Economia

    O futuro do Novo Banco promete agitar a maioria de esquerda nas próximas semanas. O Bloco de Esquerda e o PCP estão contra os planos de privatização e insistem que a solução é nacionalizar o banco. O Bloco de Esquerda defende que privatizar 75% é o pior de dois mundos. Já o PCP diz que o banco deve ser integrado no setor público.

  • Identificadas 10 mil vítimas de violência em 2016
    1:32

    País

    Há cada vez mais homens e idosos a pedirem ajuda à Associação Portuguesa de Apoio à Vítima. Segundo o relatório anual da APAV conhecido esta segunda-feira, foram identificadas quase 10 mil vítimas de violência no ano passado. Cerca de 80% são mulheres casadas e com cerca de 50 anos.