sicnot

Perfil

Mundo

Marroquino queima a mulher viva por esta lhe negar um segundo casamento

Um marroquino foi condenado a prisão perpétua por um tribunal de Tânger por ter queimado viva a sua mulher, que lhe negava o direito a casar-se com uma segunda mulher, noticia hoje a imprensa local.

© Rafael Marchante / Reuters

Segundo o diário Ajbar al Yawm, o crime aconteceu no passado dia 21 de janeiro em Alcácer Quibir, entre Tânger e Rabat, mas a sentença só foi ditada na passada quinta-feira. 

O homem, de 33 anos, prendeu a esposa, de 30 anos, e pegou fogo à casa, ignorando os seus gritos de auxílio enquanto a casa ardia. No entanto, retirou os seus três filhos da habitação.

Foi o filho mais velho, de 12 anos, quem denunciou à polícia que o incêndio foi intencional.

Mais tarde, familiares explicaram que o homem pretendia casar-se com uma segunda mulher, algo que é permitido por lei sempre que a primeira mulher assim o aceite, algo que neste caso foi recusado categoricamente.

Inicialmente, o homem tentou pedir o divórcio, mas face aos elevados custos que teria de suportar, desistiu desta via e começou a infligir maus-tratos à mulher, para a pressionar a ser ela a pedir e divórcio, o que a privaria de grande parte dos seus direitos económicos por ser a iniciadora do processo.   

A poligamia é pouco comum em Marrocos, registando-se em 0,3% dos matrimónios, mas ultimamente tem gerado controvérsia, depois de ter sido tornado público que dois ministros islamitas do Governo de Abdelilah Benkirán são bígamos, uma prática considera um "direito corânico", por estar consagrado no Alcorão. 

  • "Não se reconstroem serviços públicos em dois anos"
    0:53

    País

    O Ministro da Saúde diz que os problemas do Serviço Nacional de Saúde não se resolvem em dois anos nem se consegue reverter a trajetória de desinvestimento e delapidação dos serviços públicos até 2019, ou até ao final da legislatura. Em entrevista ao jornal Público e à rádio Renascença, Adalberto Campos Fernandes admitiu ainda que é contra a eutanásia, mas garante que o SNS estará pronto a aplicar a lei, se assim for decidido pelo Parlamento.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte I)
    35:45

    Operação Marquês

    A acusação da Operação Marquês diz que, em 5 anos, foram pagos quase 36 milhões de euros de luvas a José Sócrates. A maior fatia veio do Grupo Espírito Santo. O Ministério Público fala em pagamentos por decisões políticas sobre negócios da PT, alegadamente em benefício de Ricardo Salgado. Além de Sócrates, também Zeinal Bava e Henrique Granadeiro terão recebido dezenas de milhões de euros do ex-banqueiro. Nesta primeira parte da reportagem "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês", começamos a seguir do rasto desse dinheiro, conduzidos pelas pistas deixadas à investigação, nos registos secretos de um director do Grupo Espírito Santo.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte II)
    24:59

    Operação Marquês

    O Ministério Público estima que, em apenas 8 anos, a ES Enterprises movimentou mais de três mil milhões de euros. E sempre à margem de qualquer controlo. Na tese da Operação Marquês, foi desta empresa fantasma que saiu a maior parte das luvas alegadamente pagas por Ricardo Salgado a José Sócrates, Zeinal Bava, Henrique Granadeiro e Hélder Bataglia, por causa dos negócio da PT. Na primeira parte da grande reportagem "Oui, Monsieur - o saco azul do marquês" vimos como o chumbo da OPA da SONAE à PT terá sido o primeiro desses negócios.Agora, olhamos para outros pagamentos milionários e procuramos perceber o que está atrás desse alegado saco azul. A investigação concluiu que era financiado através de operações financeiras complexas, por vezes com dinheiro dos clientes do BES.