sicnot

Perfil

Mundo

Sobe para 61 número de mortos por deslizamento de terras na Colômbia

O número de mortos devido ao deslizamento de terras na Colômbia subiu para 61, naquela que já é considerada uma das piores tragédias naturais dos últimos anos no país.

© STRINGER Colombia / Reuters

As vítimas viviam no município de Salgar, Departamento de Antioquia, atingido por uma avalanche na segunda-feira, enquanto os habitantes dormiam.

Salgar, um município de agricultores com 18.000 habitantes, despertou na segunda-feira num cenário de desastre, depois de toneladas de lodo terem arrastado casas com as pessoas lá dentro, e levado consigo árvores, veículos e destruído campos de cultivo.

As fortes chuvas que assolaram a região fizeram transbordar o rio no vale de Liboriana, local de difícil acesso e agora coberto de lama e detritos, e onde se encontra a aldeia de Las Margaritas, de onde provem a maioria das vítimas.

A presidente da Câmara de Salgar, Olga Osorio, disse à Radio RCN que a aldeia foi praticamente "apagada do mapa".

De acordo com a Unidade Nacional para a Gestão de Risco de Desastres "registam-se 61 mortos. Os corpos estão a ser transportados para a Medicina Legal em Medellín, onde será realizado o processo de identificação". 

Além dos 61 mortos, contabilizam-se 37 feridos, um número indeterminado de desaparecidos e 31 casas afetadas.

O Presidente da Colômbia já declarou o estado de "calamidade pública" em Salgar, depois de se reunir com as autoridades locais e regionais.

"A primeira coisa que se fez foi declarar (o estado de) calamidade pública, para se poder ter a flexibilidade de usar os recursos onde são mais necessários", afirmou Santos.



Lusa

  • Marinha dos EUA considera "absolutamente inaceitável" desenho de um pénis no céu

    Mundo

    Os cidadãos do Condado de Okanogan, em Washington, foram surpreendidos esta quinta-feira com o contorno de um pénis no céu. A imagem resultou de um rasto de condensação deixado por um avião militar norte-americano. A Marinha confirmou que um dos seus pilotos tinha desenhado a figura no ar e defendeu que a situação era "absolutamente inaceitável".