sicnot

Perfil

Mundo

Milhares protestaram contra transgénicos da empresa Monsanto

galeria de fotos

Vários milhares de pessoas manifestaram-se neste sábado por todo o mundo contra a empresa norte-americana de biotecnologia, a Monsanto, e especialmente contra os Organismos Geneticamente Modificados (OGM), pesticidas e outros produtos químicos. 

© John Vizcaino / Reuters

© John Vizcaino / Reuters

© John Vizcaino / Reuters

© John Vizcaino / Reuters

© STRINGER Chile / Reuters

© STRINGER Chile / Reuters

© Ricardo Moraes / Reuters

O apelo para a manifestação global foi lançado em mais de 400 cidades e quarenta países, incluindo Portugal. Lançada em 2013, a Marcha Global contra a Monsanto reclama-se "de uma dinâmica de cidadania, mobilizada por grupos locais."

Na Suíça, cerca de 2.500 pessoas manifestaram-se em Basileia onde a Monsanto tem a sua sede para a Europa, África e Médio Oriente.

Em Paris, entre 2.000 e 3.000 pessoas responderam ao apelo dos cidadãos e de muitas associações ambientalistas como a Greenpeace. Foram gritadas frases como "Vade retro Monsanto", "A Monsanto não, minha saúde sim" ou "OGM? Nós não queremos isso!".

O herbicida 'Round-Up', principal produto da Monsanto, recentemente classificado como "provavelmente cancerígeno" pela Organização Mundial da Saúde (OMS), foi particularmente visado pelos manifestantes.

Em Estrasburgo, entre 800 e mil manifestantes reuniram-se em frente ao Parlamento Europeu, antes de se deitarem no chão por um minuto de silêncio.   Em África, metade de mil pessoas marcharam em Ouagadougou contra a empresa gigante norte-americana, que introduziu o algodão transgénico no Burkina Faso em 2003. É o único país da África Ocidental que experimentou as culturas de OGM em algodão.

Os manifestantes pediram às autoridades de Burkina Faso "uma moratória de pelo menos 10 anos", a fim de "prosseguir uma investigação independente" sobre os OGM.


Lusa
  • Escritor e filólogo Frederico Lourenço distinguido com o Prémio Pessoa 2016

    Cultura

    O escritor, tradutor, professor universitário Frederico Lourenço foi distinguido com o Prémio Pessoa 2016. O anúncio foi feito hoje pelo presidente do júri, Francisco Pinto Balsemão, no Palácio de Seteais, em Sintra, sublinhando que a atividade de Frederico Lourenço tem como "traço singular" ter oferecido "à língua portuguesa as grandes obras de literatura clássica".

  • Governo garante que Portugal não desperdiçou nenhum fundo de ajuda alimentar
    1:18

    País

    O ministro da Solidariedade e Segurança Social garante que Portugal não desperdiçou nenhum fundo europeu de ajuda alimentar. Vieira da Silva respondeu, esta manhã, à notícia avançada pelo Jornal de Notícias que dava conta de que, este ano, o país teria desperdiçado 28 milhões de euros de um fundo europeu porque o programa ainda não está operacional. O ministro garante que o programa vai ser executado em 2017 e que este ano serviu para tomar medidas no sentido dessa implementação. Vieira da Silva assegura também que o montante disponível para o programa não foi desperdiçado e vai poder ser usado.

  • Sporting de Braga eliminado da Liga Europa
    2:01
  • Explosão no Cairo faz seis mortos

    Mundo

    Seis pessoas morreram hoje numa explosão junto a um posto de controlo da polícia no Cairo, indicaram os meios de comunicação social e responsáveis egípcios.