sicnot

Perfil

Mundo

Onda de calor mata 800 pessoas na Índia

galeria de fotos

Mais de 800 pessoas morreram na sequência da onda de calor que se regista há mais de uma semana na Índia, sobretudo nos estados do sul do país, disseram hoje as autoridades. 

© Amit Dave / Reuters

© Jitendra Prakash / Reuters

© Amit Dave / Reuters

© Anindito Mukherjee / Reuters

© Munish Sharma / Reuters

© Mukesh Gupta / Reuters

© Jitendra Prakash / Reuters

© Munish Sharma / Reuters

© Shailesh Andrade / Reuters

© Mukesh Gupta / Reuters

© Anindito Mukherjee / Reuters

© Amit Dave / Reuters

No estado de Andhra Pradesh (sul), o mais atingido, pelo menos 551 pessoas morreram na última semana.  


Na segunda-feira, a temperatura rondava 47º centígrados, o que levou as autoridades a colocar em prevenção os hospitais daquele estado e a recomendar à população para evitar sair à rua. 


"O governo do Estado lançou programas de informação na televisão e em outros 'media' para recomendar às pessoas que não saiam sem chapéu e para beberem água", disse P. Tulsi Rani, responsável da unidade de gestão de catástrofes de Andhra Pradesh. 


"Pedimos também às organizações não-governamentais e agências estatais para abrirem pontos de abastecimento de água para que toda a população tenha acesso à água", acrescentou.


Uma grande parte da Índia está a ser afetada por esta onda de calor, incluindo a capital Nova Deli. 


De acordo com o jornal The Hindustan Times, a temperatura máxima em Deli atingiu um novo recorde na segunda-feira, 45,5º, mais cinco graus do que a média para esta época do ano. 


No estado de Telanga, que faz fronteira com Andhra Pradesh, 231 pessoas morreram numa semana e as temperaturas atingiram os 48 graus durante o fim de semana. 


Em Orissa (leste), 11 pessoas morreram na sequência da vaga de calor. Os serviços meteorológicos indianos emitiram um "alerta vermelho" para hoje e quarta-feira neste estado devido às previsões de temperaturas superiores a 45º centígrados. 


Em Bengala ocidental (leste), 13 pessoas morreram e os sindicatos dos taxistas de Calcutá recomendaram aos motoristas que limitem as deslocações durante o dia. 


Centenas de pessoas, sobretudo entre a população mais pobre, morrem todos os verões devido ao calor e dezenas de milhares são afetadas por cortes de eletricidade devido à rede sobrecarregada. 


De acordo com o The Hindustan Times, as condições meteorológicas podem causar uma seca nos estados mais atingidos por esta vaga de calor, antes da chegada das monções, esperadas no final do mês em Kerala (sul). 


A estação das chuvas deverá levar várias semanas até chegar às planícies mais áridas do norte. 



Lusa
  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.