sicnot

Perfil

Mundo

Al-Qaeda na Síria não tem intenção de atacar o Ocidente "por agora"

O líder da Frente al-Nusra afirmou hoje que por enquanto não tem a intenção de lançar ataques contra o Ocidente, mas admitiu fazê-lo no futuro, se continuar a apoiar o regime do Presidente Bachar al-Assad.

© Stringer . / Reuters

"Temos ordens para não atacar agora o Ocidente e a Europa, mas isso pode mudar se continuarem a apoiar o regime" de Bachar al-Assad, disse hoje Abu Mohamed al-Yulani, cujo grupo é a filial da Al-Qaeda na Síria, durante uma entrevista à estação de televisão Al Jazeera.

Desta forma, acusou os EUA e os países ocidentais de apoiarem o governo de Damasco: "A prova está em que atacam a Frente al-Nusra sempre que pressionamos Al-Assad", avançou. 

O dirigente da Al-Qaeda na Síria considerou que os objetivos do dirigente da organização, Ayman al-Zawahiri, para o país são derrubar o regime e os seus aliados, como o grupo xiita libanês Hezbollah, e "trabalhar com toda a gente por um estado islâmico justo"

Durante a entrevista, assegurou que a intenção é converter o território sírio em base de apoio à projeção para outros países, mas de momento os alvos "são apenas Al-Assad e o Hezbollah".

Al-Yulani disse também que a organização aceita financiamentos de muçulmanos fora da Síria, "mas não de países", acrescentando que a Al-Nusra "não tem qualquer relação com serviços de informações". 

Ao comentar a situação no terreno, onde a filial da Al-Qaeda controla quase toda a província de Idleb, com outros grupos, Al Yulani disse que "as áreas libertadas recentemente são consideradas uma linha defensiva frente à costa", bastião do regime. 

Porém, fez questão de assegurar que não procura expandir a presença no território. "Apenas nos centramos nos agressores", disse, acrescentando que por esse motivo não vê necessidade de lutar contra fiéis de outros credos, como cristãos ou drusos, a não ser que os ataquem. 

Apesar dos seus triunfos recentes, Al-Yulani previu que o futuro "vai ter etapas muito difíceis", sublinhando que a batalha acabará em Damasco. 








Lusa
  • Benefícios fiscais trouxeram a Portugal 10 mil estrangeiros em 2015

    Economia

    Os benefícios fiscais em Portugal atraíram mais de 10 mil estrangeiros no ano passado. A maioria vem com o estatuto de residente não habitual, que dá isenção total de IRS aos reformados por dez anos e 20% de isenção no imposto para profissionais que estiverem ligados a atividades de valor acrescentado como Psicologia, Investigação ou Medicina.

  • Trump e os jornalistas: uma relação (su)rreal
    2:08
  • Novo campo de refugiados construído em Mossul

    Mundo

    Um novo campo de refugiados foi construído em Mossul, no Iraque. Com cerca de 4 mil tendas, foi construído durante 45 dias para albergar os deslocados que se prevê que aumentem com a atual ofensiva militar na zona ocidental da cidade.