sicnot

Perfil

Mundo

Glaciares do Evereste em risco de desaparecer

Os glaciares da região do Evereste podem diminuir 70 por cento ou mesmo desaparecer até ao final do século devido ao aquecimento global provocado pelas alterações climáticas, alertaram hoje os autores de um estudo científico internacional.

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

© Gopal Chitrakar / Reuters

Investigadores do Nepal, Holanda e França estudaram os padrões do clima na região da montanha mais alta do mundo e criaram um modelo das condições do Evereste para determinar o impacto futuro do aumento das temperaturas nos glaciares.


"O pior dos cenários mostra uma perda de 99% de massa de gelo glaciar, mas mesmo que comecemos a reduzir ligeiramente as emissões, podemos ver uma redução de 70%", explicou Joseph Shea, que coordenou o estudo, à agência France Presse.


O investigador é hidrologista no Centro Internacional para o Desenvolvimento Integrado da Montanha, com sede em Katmandu, considerado uma autoridade mundial no estudo dos glaciares nos Himalaias.


Shea integrou uma equipa que em 2014 publicou um estudo que, recorrendo a imagens satélite, mostrava que os glaciares do Nepal diminuíram um quarto entre 1977 e 2010.


Mas, neste novo estudo, publicado hoje na revista científica internacional The Cryosphere, o cenário do impacto das mudanças climáticas em 2100 agrava-se consideravelmente.


"Depois de testarmos o nosso modelo e acertarmos os padrões climáticos, aumentámos as temperaturas consoante diferentes cenários de emissões para obter cenários futuros", disse.


Segundo Shea, o degelo dos glaciares pode formar lagos profundos que podem vir a inundar comunidades das montanhas.


Por outro lado, prosseguiu, o degelo também pode afetar os recursos hídricos na região do Evereste, com volumes menores de neve derretida a chegar ao rio Dudh Kosi, que abastece as populações das montanhas.


A redução desses volumes, sobretudo na fase pré-monções, "vai provavelmente ter um impacto em futuros projetos hidroelétricos, porque não haverá chuva suficiente para as necessidades".



Lusa
  • Momento da avalancha no Evereste registado por videoamadores
    0:44

    Sismo no Nepal

    Na avalancha no Evereste, provocada pelo sismo que ocorreu a 81 quilómetros a noroeste de Katmandu, já morreram pelo menos 18 pessoas. O momento da avalancha foi registado por vários videoamadores. Nesta gravação, os alpinistas comentam que o chão estava a tremer. Em poucos segundos vêem uma nuvem de neve a descer as montanhas. Os alpinistas que estavam naquele campo tentaram de imediato refugiar-se dentro das tendas para se protegerem.Percebe-se o pânico que viveram e a destruição que ficou depois de terminar a avalancha. No local continuam as buscas para encontrar sobreviventes.

  • "Às vezes o senhor primeiro-ministro irrita-me um bocadinho"
    2:05

    País

    O Presidente da República disse esta quinta-feira de manhã que António Costa é "irritantemente otimista" por teimar em "ver violeta-rosa onde há roxo". Marcelo Rebelo de Sousa recordou ainda Mário Soares numa aula no Colégio Moderno, em Lisboa.

  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Cientistas testam útero artificial em cordeiros prematuros

    Mundo

    Um grupo de cientistas desenvolveu um útero artificial - o Biobag - que se assemelha a uma bolsa de plástico e que ajuda no desenvolvimento de cordeiros prematuros. O método foi testado nestes animais mas os cientistas do Hospital Pediátrico de Filadélfia, nos Estados Unidos, garantem que poderá vir a ser utilizado também em bebés que nascem prematuros.

  • Exame ao sangue descobre cancro um ano antes do reaparecimento

    Mundo

    Uma equipa de investigadores britânicos descobriu uma maneira de identificar o regresso do cancro, com um ano de antecedência. Através de um exame ao sangue, a equipa conseguiu identificar os primeiros sinais da doença, uma série de células invisíveis ao raio-X e à TAC. A descoberta pode vir a permitir tratar o cancro mais cedo e, como resultado, poderá aumentar as chances de o curar.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.