sicnot

Perfil

Mundo

EUA retiram Cuba da lista de Estados patrocinadores do terrorismo

Os Estados Unidos retiraram Cuba da lista de Estados patrocinadores do terrorismo, no âmbito do restabelecimento histórico das relações diplomáticas entre os dois países, suspensas desde 1961, divulgou esta sexta-feira o Departamento de Estado norte-americano.  

A 17 de dezembro de 2014, os líderes norte-americano e cubano, Barack Obama e Raul Castro, respetivamente, anunciaram em simultâneo uma aproximação histórica entre Washington e Havana, que não têm relações diplomáticas oficiais há mais de meio século. Após esse anúncio, as duas partes já realizaram várias rondas negociais. (Arquivo)

A 17 de dezembro de 2014, os líderes norte-americano e cubano, Barack Obama e Raul Castro, respetivamente, anunciaram em simultâneo uma aproximação histórica entre Washington e Havana, que não têm relações diplomáticas oficiais há mais de meio século. Após esse anúncio, as duas partes já realizaram várias rondas negociais. (Arquivo)

© Jonathan Ernst / Reuters

Esta decisão era esperada depois de o Presidente norte-americano, Barack Obama, ter apresentado, em meados de abril, uma proposta neste sentido.  

Obama (democrata) notificou o Congresso norte-americano, atualmente controlado pelos republicanos, e deu um prazo de 45 dias para os legisladores analisarem a medida e se pronunciarem. Esse prazo terminou hoje. 

Havana sempre reclamou ser retirada desta 'lista negra' do Departamento de Estado norte-americano e colocou esta medida como uma pré-condição para o restabelecimento das relações diplomáticas com os Estados Unidos.  

Cuba figurava nesta lista desde 1982, ao lado de países como o Irão, a Síria ou o Sudão.

"O secretário de Estado [John Kerry] tomou a decisão final de revogar a designação de Cuba como um Estado patrocinador do terrorismo, de forma efetiva a partir de hoje, 29 de maio de 2015", anunciou o Departamento de Estado norte-americano, num comunicado, citando o porta-voz Jeffrey Rathke.

Em 1982, a administração do então Presidente Ronald Reagan (republicano) colocou Havana nesta lista por causa do apoio cubano aos separatistas bascos da ETA e aos rebeldes das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC).

"A revogação da designação de Cuba como um Estado patrocinador do terrorismo reflete a nossa avaliação de que Cuba cumpre os critérios legais para a revogação", frisou a diplomacia norte-americana, mesmo que "os Estados Unidos tenham importantes divergências e preocupações sobre um vasto leque de ações e de políticas de Cuba".

A 17 de dezembro de 2014, os líderes norte-americano e cubano, Barack Obama e Raul Castro, respetivamente, anunciaram em simultâneo uma aproximação histórica entre Washington e Havana, que não têm relações diplomáticas oficiais há mais de meio século. Após esse anúncio, as duas partes já realizaram várias rondas negociais.

Após o anúncio de hoje, fica por resolver outra questão fulcral para o relacionamento dos dois países: o embargo norte-americano, que está em vigor desde 1962.

Decretado em fevereiro de 1962, e severamente reforçado pela lei Helms-Burton de 1996, o embargo norte-americano total às transações económicas e financeiras com Cuba é frequentemente denunciado pelo regime de Havana como um obstáculo ao desenvolvimento da ilha caribenha, com prejuízos estimados superiores a 100 mil milhões de dólares (cerca de 89 mil milhões de euros).

Obama avançou com um conjunto de medidas de flexibilização do embargo, dentro dos limites das suas competências, mas estas foram consideradas como insuficientes por Havana.
Lusa
  • Mais de um milhão de crianças em risco de morrer à fome
    1:23

    Mundo

    Cerca de 1.4 milhões de crianças estão em risco iminente de morrer à fome. Deste modo, a UNICEF faz um apelo urgente de cerca de 230 milhões de euros para levar nos próximos meses comida, água e serviços médicos a estas crianças. As imagens desta reportagem podem impressionar os espectadores mais sensíveis.

  • Vídeo amador mostra destruição na Síria
    1:04

    Mundo

    A guerra na Síria continua a fazer vítimas mortais. Um vídeo amador divulgado esta segunda-feira mostra o estado de uma localidade a este de Damasco, depois de um ataque aéreo no fim-de-semana. No ataque, 16 pessoas morreram e há várias dezenas de feridos.

  • Partidos querem eleições a 1 de outubro
    1:35
  • Identificadas 10 mil vítimas de violência em 2016
    1:32
  • Homem que esfaqueou mulher em Esmoriz é acusado de homicídio qualificado
    1:24

    País

    O homem que no sábado esfaqueou a mulher em Esmoriz está acusado de homicídio qualificado. O arguido de 50 anos foi ouvido esta segunda-feira pelo juiz de instrução e ficou em prisão preventiva, uma medida fundamentada pelo perigo de fuga e de alarme. O homem remeteu-se ao silêncio durante o interrogatório, no Tribunal de Aveiro.

  • Homem condenado a oito anos e meio por abuso sexual da mãe
    1:10

    País

    O Tribunal de Coimbra condenou esta segunda-feira um homem de 53 anos a oito anos e meio de prisão por abuso sexual da mãe e ainda por crimes de roubo e coação. A mãe, de 70 anos, sofria de problemas nervosos e consumia bebidas alcoólicas com frequência, tendo sido vítima de abuso sexual por parte do filho enquanto dormia. Os crimes cometidos remetem para o início de 2016, depois do homem já ter cumprido outras penas de prisão em Espanha.

  • Jovem de 21 anos morre colhida por comboio na linha da Beira Baixa
    0:43

    País

    Uma jovem de 21 anos morreu esta segunda-feira ao ser atropelada pelo comboio Intercidades à saída da estação de Castelo Branco, na linha da Beira Baixa. A vítima foi colhida pelo comboio que seguia no sentido Lisboa-Covilhã ao atravessar a linha de caminho de ferro. Este é um local onde não existe passagem de nível, mas habitualmente muitas pessoas arriscam fazer a travessia da linha.

  • Banco do Metro com pénis gera polémica no México

    Mundo

    Um banco em formato de homem com o pénis exposto, numa das carruagens de Metro da Cidade do México, está a gerar polémica. A iniciativa integra uma campanha contra o assédio sexual de que as mulheres são vítima no país.