sicnot

Perfil

Mundo

Ex-chanceler alemão Helmut Kohl "está bem" após duas cirurgias

O ex-chanceler alemão Helmut Kohl, de 85 anos, foi submetido no último mês a duas operações cirúrgicas e "está bem dadas as circunstâncias", referiu o gabinete do político, num comunicado.

Kohl está dependente de uma cadeira de rodas desde que sofreu um acidente vascular cerebral em 2008. (Arquivo)

Kohl está dependente de uma cadeira de rodas desde que sofreu um acidente vascular cerebral em 2008. (Arquivo)

© Ralph Orlowski / Reuters

Kohl foi submetido no início de maio à colocação de uma prótese na anca e sujeito "de seguida a outra intervenção" cirúrgica, indicou a mesma fonte, sem especificar os motivos da segunda operação.

"Dadas as circunstâncias [Helmut Kohl] está bem", lê-se na nota informativa do gabinete que gere a agenda do político alemão.

O comunicado do gabinete de Helmut Kohl surge depois de vários 'media' alemães, citando pessoas próximas do ex-governante, terem noticiado hoje que o antigo chanceler conservador (1982-1998) estava internado na unidade de cuidados intensivos de um hospital de Heidelberg (sudoeste da Alemanha) após uma cirurgia aos intestinos e que estava em estado crítico. 

Kohl está dependente de uma cadeira de rodas desde que sofreu um acidente vascular cerebral em 2008.

Em 2012, o ex-chanceler alemão foi sujeito a uma operação ao coração.

Arquiteto da Reunificação alemã e figura histórica da União Democrática Cristã (CDU), Kohl é considerado como a pessoa a quem a atual chanceler, Angela Merkel, deve a sua ascensão política nos anos 1990.
  • Três letras de Zeca Afonso

    Cultura

    No dia em que se assinalam 30 anos da morte de Zeca Afonso, Raquel Marinho, jornalista da SIC e divulgadora de poesia portuguesa contemporânea, escolhe três letras do cantor e autor para dizer, em forma de homenagem.

    Raquel Marinho

  • Cunhado do Rei de Espanha em liberdade sem caução

    Mundo

    Inaki Urdangarin vai mesmo aguardar o desenrolar do recurso em liberdade na Suíça, onde o marido da Infanta Cristina tem residência oficial e onde terá de se apresentar às autoridades uma vez por mês, para além de estar obrigado a comunicar qualquer deslocação fora da Europa. De fora fica ainda o pagamento da caução de 200 mil euros pedida pelo Ministério Público espanhol.