sicnot

Perfil

Mundo

Boko Haram raptou mais de 1000 crianças nos Camarões

O grupo radical islâmico nigeriano Boko Haram raptou mais de 1000 crianças nos Camarões e usou algumas como escudos humanos, disse esta semana a coordenadora humanitária da ONU para os Camarões, Najat Rochdi.

Em julho do ano passado, os 'jihadistas' começaram a realizar incursões ao país vizinho para arranjar comida, passando rapidamente os ataques a incluir a queima de aldeias e a morte de pessoas e, no final do ano, o rapto de crianças, disse a coordenadora humanitária da ONU para os Camarões.

Em julho do ano passado, os 'jihadistas' começaram a realizar incursões ao país vizinho para arranjar comida, passando rapidamente os ataques a incluir a queima de aldeias e a morte de pessoas e, no final do ano, o rapto de crianças, disse a coordenadora humanitária da ONU para os Camarões.

© Afolabi Sotunde / Reuters

"O sistema que utilizam é desumano", disse Rochdi numa entrevista à agência France Presse em Genebra. 

Os Camarões fazem fronteira com o nordeste da Nigéria onde a violenta revolta do Boko Haram causou mais de 15.000 mortos desde 2009. 

Em julho do ano passado, os 'jihadistas' começaram a realizar incursões ao país vizinho para arranjar comida, passando rapidamente os ataques a incluir a queima de aldeias e a morte de pessoas e, no final do ano, o rapto de crianças, disse Rochdi.

"A informação que tenho é que cerca de 1500" foram raptadas desde aquela altura, indicou, adiantando que as crianças são utilizadas sobretudo como criados para ajudar a carregar tendas e ir buscar água.

No auge dos ataques no norte dos Camarões em fevereiro, o Boko Haram levou crianças para a linha da frente, segundo a responsável da ONU.

"Pelo que sei, as crianças foram usadas como escudos humanos... tinham entre oito e 12 anos", disse.

A ofensiva regional contra o Boko Haram, que juntou forças da Nigéria, Níger, Chade e Camarões, conseguiu fazer parar os ataques durante algum tempo, mas Rochdi disse que os 'jihadistas' já voltaram a realizar incursões.

"Nos Camarões não sentimos nada que tenha terminado", declarou.

Assinalou que o país já faz um grande esforço para dar resposta às centenas de milhares de refugiados da Nigéria e da República Centro Africana, além dos 100.000 camaroneses deslocados desde que começaram os ataques do Boko Haram.

Najat Rochdi indicou que existem no país 200.000 crianças desnutridas e alertou que a ONU recebeu apenas 31% dos 264 milhões de dólares (234 milhões de euros) que pediu para os Camarões este ano.

A responsável advertiu que sem mais ajuda os Camarões arriscam "tornar-se uma ameaça real para a estabilidade de toda a região".
Lusa
  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.