sicnot

Perfil

Mundo

Boko Haram raptou mais de 1000 crianças nos Camarões

O grupo radical islâmico nigeriano Boko Haram raptou mais de 1000 crianças nos Camarões e usou algumas como escudos humanos, disse esta semana a coordenadora humanitária da ONU para os Camarões, Najat Rochdi.

Em julho do ano passado, os 'jihadistas' começaram a realizar incursões ao país vizinho para arranjar comida, passando rapidamente os ataques a incluir a queima de aldeias e a morte de pessoas e, no final do ano, o rapto de crianças, disse a coordenadora humanitária da ONU para os Camarões.

Em julho do ano passado, os 'jihadistas' começaram a realizar incursões ao país vizinho para arranjar comida, passando rapidamente os ataques a incluir a queima de aldeias e a morte de pessoas e, no final do ano, o rapto de crianças, disse a coordenadora humanitária da ONU para os Camarões.

© Afolabi Sotunde / Reuters

"O sistema que utilizam é desumano", disse Rochdi numa entrevista à agência France Presse em Genebra. 

Os Camarões fazem fronteira com o nordeste da Nigéria onde a violenta revolta do Boko Haram causou mais de 15.000 mortos desde 2009. 

Em julho do ano passado, os 'jihadistas' começaram a realizar incursões ao país vizinho para arranjar comida, passando rapidamente os ataques a incluir a queima de aldeias e a morte de pessoas e, no final do ano, o rapto de crianças, disse Rochdi.

"A informação que tenho é que cerca de 1500" foram raptadas desde aquela altura, indicou, adiantando que as crianças são utilizadas sobretudo como criados para ajudar a carregar tendas e ir buscar água.

No auge dos ataques no norte dos Camarões em fevereiro, o Boko Haram levou crianças para a linha da frente, segundo a responsável da ONU.

"Pelo que sei, as crianças foram usadas como escudos humanos... tinham entre oito e 12 anos", disse.

A ofensiva regional contra o Boko Haram, que juntou forças da Nigéria, Níger, Chade e Camarões, conseguiu fazer parar os ataques durante algum tempo, mas Rochdi disse que os 'jihadistas' já voltaram a realizar incursões.

"Nos Camarões não sentimos nada que tenha terminado", declarou.

Assinalou que o país já faz um grande esforço para dar resposta às centenas de milhares de refugiados da Nigéria e da República Centro Africana, além dos 100.000 camaroneses deslocados desde que começaram os ataques do Boko Haram.

Najat Rochdi indicou que existem no país 200.000 crianças desnutridas e alertou que a ONU recebeu apenas 31% dos 264 milhões de dólares (234 milhões de euros) que pediu para os Camarões este ano.

A responsável advertiu que sem mais ajuda os Camarões arriscam "tornar-se uma ameaça real para a estabilidade de toda a região".
Lusa
  • Atacantes de Barcelona "não estão a caminho da nossa fronteira"
    7:00

    Ataque em Barcelona

    O diretor da Unidade Nacional de Contraterrorismo da Polícia Judiciária esteve esta sexta-feira no Jornal da Noite para falar sobre o duplo atentado em Espanha. Luís Neves diz que o nível de ameaça em Portugal, perante os ataques, não foi alterado porque "não se detectou que tenha existido informação que possa colocar o nosso território em perigo".