sicnot

Perfil

Mundo

Marrocos expulsa ativista espanhola dos direitos dos homossexuais

O governo marroquino expulsou na quarta-feira uma ativista espanhola da organização Novact, que organizou em Marrocos ações de defesa dos homossexuais, disseram hoje à agência espanhola EFE fontes policiais e da Novact.

novact.org/

O Ministério do Interior acusou hoje a ativista, que não identifica, de "patrocinar ações não autorizadas no quadro das ofensivas de organizações estrangeiras que apoiam causas de comportamentos desviantes", numa alusão à homossexualidade.

Fontes da  Novact confirmaram à EFE tratar-se da sua  delegada em Marrocos, que foi detida na quarta-feira na sua casa em Rabat e levada pela polícia até o porto de Tanger, onde foi obrigada a embarcar num 'ferry' para a cidade espanhola de Algeciras.

A ativista já tinha sido expulsa a 22 de maio, alegadamente devido a irregularidades no seu estatuto migratório.

Num comunicado, o Ministério do Interior assinala que desta vez a ativista "entrou com um novo passaporte e apresentando uma identidade diferente".

"Perante a gravidade dos factos, o ministro do Interior marroquino contactou o seu homólogo espanhol para pedir explicações sobre o facto de (a ativista) poder ter conseguido dois passaportes com identidades diferentes para escapar à vigilância das autoridades", adianta o texto.

O conselheiro político da embaixada de Espanha em Rabat, encarregado de negócios na ausência do embaixador, também foi chamado para dar explicações sobre "as organizações que dirigem e apoiam esta pessoa em atos hostis contra Marrocos".

Fontes oficiais espanholas em Rabat disseram que o passaporte utilizado agora pela ativista é legal, mas como é um documento novo tem um número diferente do anterior.

Para o Ministério do Interior marroquino, "a atividade hostil desta cidadã espanhola deve ser relacionada com as atividades de duas cidadãs francesas expulsas na terça-feira", numa referência às ativistas do movimento feminista Femen que foram fotografadas seminuas a beijarem-se perto do mausoléu Hassan II, em Rabat, numa iniciativa contra a homofobia.

Também se relaciona com "a exibição impudica" de dois jovens marroquinos detidos na quarta-feira quando se beijavam perto do mesmo monumento.

Marrocos considera que "estas manobras de provocação e assédio, dirigidas por organismos estrangeiros que violam deliberadamente as leis marroquinas, atentam contra os fundamentos sócio-religiosos da sociedade marroquina e contra a moralidade pública".

O Código Penal de Marrocos, no seu artigo 489, pune com até três anos de prisão quem tiver "relações sexuais contranatura com pessoas do mesmo sexo".

Lusa
  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    1:41
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.

  • A SIC visitou os bastidores do Santuário de Fátima
    7:43
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52