sicnot

Perfil

Mundo

Marrocos expulsa ativista espanhola dos direitos dos homossexuais

O governo marroquino expulsou na quarta-feira uma ativista espanhola da organização Novact, que organizou em Marrocos ações de defesa dos homossexuais, disseram hoje à agência espanhola EFE fontes policiais e da Novact.

novact.org/

O Ministério do Interior acusou hoje a ativista, que não identifica, de "patrocinar ações não autorizadas no quadro das ofensivas de organizações estrangeiras que apoiam causas de comportamentos desviantes", numa alusão à homossexualidade.

Fontes da  Novact confirmaram à EFE tratar-se da sua  delegada em Marrocos, que foi detida na quarta-feira na sua casa em Rabat e levada pela polícia até o porto de Tanger, onde foi obrigada a embarcar num 'ferry' para a cidade espanhola de Algeciras.

A ativista já tinha sido expulsa a 22 de maio, alegadamente devido a irregularidades no seu estatuto migratório.

Num comunicado, o Ministério do Interior assinala que desta vez a ativista "entrou com um novo passaporte e apresentando uma identidade diferente".

"Perante a gravidade dos factos, o ministro do Interior marroquino contactou o seu homólogo espanhol para pedir explicações sobre o facto de (a ativista) poder ter conseguido dois passaportes com identidades diferentes para escapar à vigilância das autoridades", adianta o texto.

O conselheiro político da embaixada de Espanha em Rabat, encarregado de negócios na ausência do embaixador, também foi chamado para dar explicações sobre "as organizações que dirigem e apoiam esta pessoa em atos hostis contra Marrocos".

Fontes oficiais espanholas em Rabat disseram que o passaporte utilizado agora pela ativista é legal, mas como é um documento novo tem um número diferente do anterior.

Para o Ministério do Interior marroquino, "a atividade hostil desta cidadã espanhola deve ser relacionada com as atividades de duas cidadãs francesas expulsas na terça-feira", numa referência às ativistas do movimento feminista Femen que foram fotografadas seminuas a beijarem-se perto do mausoléu Hassan II, em Rabat, numa iniciativa contra a homofobia.

Também se relaciona com "a exibição impudica" de dois jovens marroquinos detidos na quarta-feira quando se beijavam perto do mesmo monumento.

Marrocos considera que "estas manobras de provocação e assédio, dirigidas por organismos estrangeiros que violam deliberadamente as leis marroquinas, atentam contra os fundamentos sócio-religiosos da sociedade marroquina e contra a moralidade pública".

O Código Penal de Marrocos, no seu artigo 489, pune com até três anos de prisão quem tiver "relações sexuais contranatura com pessoas do mesmo sexo".

Lusa
  • Bomba encontrada na Nazaré pode ter sido largada durante 2.ª Guerra Mundial
    2:26

    País

    A bomba que esta segunda-feira veio nas redes de um arrastão na Nazaré já foi detonada. O engenho explosivo foi identificado como uma bomba de avião por especialistas da Marinha, que eliminaram também o perigo equivalente a 600 quilogramas de TNT. A bomba sem qualquer inscrição tinha um desgaste evidente e, segundo a Marinha, pode ter sido largada de um avião durante a 2.ª Guerra Mundial.

  • Derrocada de muro em Lisboa obriga à retirada de 40 pessoas de 5 prédios
    2:14

    País

    Os moradores de três prédios de Lisboa não podem regressar tão cedo a casa. Durante a madrugada, a derrocada de um muro obrigou à retirada de 40 pessoas de cinco edifícios. Um dos inquilinos sofreu ferimentos ligeiros. Entretanto, a maioria dos residentes já foi realojada em casas de familiares e num hotel.

  • "Geringonça" elogiada na Europa e EUA
    4:22

    País

    Num momento em que por cá se fala de claustrofobia democrática, a Europa e os Estados Unidos desdobram-se em elogios ao sucesso da maioria de Esquerda em Portugal. A palavra "geringonça" já tem até tradução em várias línguas.

  • ONU estima que mais 750 mil civis estejam em risco na cidade de Mossul
    1:39

    Mundo

    As Nações Unidas estimam que mais 750 mil civis estejam em risco na zona ocidental de Mossul, no Iraque. Mais de 10 mil pessoas fugiram da zona ocidental da cidade nos últimos quatro dias. Enquanto a população tenta escapar ao fogo cruzado, as forças iraquianas avançam sobre a cidade ainda controlada pelo Daesh.