sicnot

Perfil

Mundo

ONU pede respeito integral do cessar-fogo na Ucrânia

As Nações Unidas pediram hoje a todas as partes em conflito na Ucrânia para respeitarem integralmente o cessar-fogo acordado em Minsk em fevereiro, depois de confrontos nos últimos dias terem suscitado o receio de uma escalada. 

© Gleb Garanich / Reuters

"O cessar-fogo deve ser integralmente respeitado e a proteção dos civis deve ser uma prioridade", disse o secretário-geral adjunto da ONU para os Assuntos Políticos, Jeffrey Feltman, numa reunião de emergência do Conselho de Segurança.

"Ou estamos a assistir ao aprofundamento de um conflito insanável ou a um recrudescimento momentâneo em partes da zona de conflito. Não podemos permitir-nos nenhum desses cenários", disse Feltman perante os 15 membros do órgão.

O Conselho de Segurança reuniu-se hoje de emergência, a pedido da Lituânia, para avaliar a situação na Ucrânia, onde os confrontos nos últimos dias suscitaram o receio de o cessar-fogo estar em risco.

Na quarta-feira, pelo menos 28 pessoas foram mortas na cidade de Marinka, nos piores confrontos desde que a trégua entrou em vigor.

"Os desenvolvimentos em torno de Marinka são preocupantes", disse por seu lado ao Conselho o "número dois" da missão de observação da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), Alexander Hug.

Esses confrontos, considerou, sugerem que "a via militar não foi abandonada em favor da via política" e as violações da trégua estão a tornar-se "mais frequentes e mais graves".

O conflito armado no leste da Ucrânia fez mais de 6.400 mortos desde abril de 2014.








Lusa
  • Cágado tratado com implante impresso em 3D
    2:26
  • Patrões não aceitam alterações ao acordo de concertação social
    2:25

    Economia

    As confederações patronais foram esta sexta-feira ao Palácio de Belém dizer ao Presidente da República que não aceitam que o Parlamento faça alterações ao acordo de concertação social. Os patrões dizem ainda ter esperança que o Parlamento não chumbe o decreto-lei que reduz a TSU das empresas com salários mínimos.