sicnot

Perfil

Mundo

Governo britânico anuncia nova lei de controlo das comunicações

A ministra do Interior britânica anunciou esta quinta-feira que vai apresentar ao Parlamento, no final do verão, um projeto de lei polémico para alargar as competências dos serviços secretos na vigilância das telecomunicações. 

O projeto de lei vai alargar o acesso das forças de segurança às comunicações entre os cidadãos e já suscitou as críticas de numerosas organizações de defesa dos direitos cívicos, por temerem uma violação do direito à privacidade. (Arquivo)

O projeto de lei vai alargar o acesso das forças de segurança às comunicações entre os cidadãos e já suscitou as críticas de numerosas organizações de defesa dos direitos cívicos, por temerem uma violação do direito à privacidade. (Arquivo)

© Edgard Garrido / Reuters

Theresa May adiantou que a primeira versão do texto, bloqueada durante a anterior legislatura pelos parceiros liberais-democratas no governo de coligação, será submetida à apreciação de uma comissão da Câmara dos Comuns para garantir o apoio de todos os partidos. 

A ministra, que pretende ver a lei aprovada antes do fim do próximo ano, insistiu na necessidade de aumentar as ferramentas para combater o terrorismo. 

"As ameaças são consideráveis e evoluem. Não se trata apenas do terrorismo estrangeiro e nacional, mas também da espionagem industrial, militar e dos Estados", argumentou May. 

O projeto de lei vai alargar o acesso das forças de segurança às comunicações entre os cidadãos e já suscitou as críticas de numerosas organizações de defesa dos direitos cívicos, por temerem uma violação do direito à privacidade. 

May fez este anúncio numa resposta a um relatório sobre a atual legislação, apresentado pelo advogado David Anderson, encarregado de a rever pelo governo. 

Anderson recomendou a promulgação da nova lei, em revogação da atual - anterior à era digital -, e a delimitação dos poderes dos serviços secretos, muito criticados pelos programas de vigilância maciça, divulgados pelo norte-americano Edward Snowden. 

De acordo com o assessor do governo britânico, os agentes do Estado deviam poder aceder ao grosso das comunicações dos cidadãos, mas mediante uma autorização prévia da Justiça ou do executivo para as operações mais sensíveis. 
Lusa
  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.