sicnot

Perfil

Mundo

Médicos pedem fármacos alternativos para tratar doentes com VIH em África

Uma quarta parte dos pacientes com VIH tratados com antirretrovirais em Manhiça, Moçambique, desenvolveu resistência aos fármacos, o que levou os médicos a alertarem para a necessidade de utilização de medicamentos alternativos.

© Darrin Zammit Lupi / Reuters

Um estudo desenvolvido por investigadores do Instituto de Saúde Global de Barcelona e do Instituto de Investigação da Sida, hoje publicado na revista Journal of Antimicrobial Chemoptherapy, demonstrou que está a aumentar a resistência do VIH contra os medicamentos disponíveis.

Segundo a investigadora María Rupérez, as pessoas que desenvolveram resistência aos tratamentos podem transmitir essa resistência no momento de contágio da infeção, pelo que o número de mutações do vírus deverá aumentar com o tempo.

O estudo revela que a falta de antirretrovirais alternativos, juntamente com a ausência de mecanismos de monitorização nos países em desenvolvimento, impede que se detete o fracasso dos tratamentos a tempo de mudar os fármacos e suspender a progressão da doença. 

Este estudo foi realizado no Centro de Investigação de Saúde de Manhiça, uma das regiões com maior prevalência de VIH em África, com 40% da população infetada.

Os resultados obtidos mostram que 24% dos pacientes tratados em Manhiça apresentava cargas virais elevadas, o que significa que o vírus continua a replicar-se apesar de receberem tratamento. Destes, 89% desenvolveu resistência aos fármacos antirretrovirais que se utilizam habitualmente.

"Estes dados são preocupantes porque se o tratamento que estes pacientes seguem não está a funcionar, é necessário mudar para outros tratamentos, que são mais caros e nem sempre estão disponíveis [com facilidade]", alertou María Rupérez.

"Existe [também] o perigo de que os vírus resistentes se transmitam ao resto da população, o que poderia piorar a situação e comprometer o controlo da epidemia do VIH em África", advertiu a especialista.


  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.