sicnot

Perfil

Mundo

Médicos pedem fármacos alternativos para tratar doentes com VIH em África

Uma quarta parte dos pacientes com VIH tratados com antirretrovirais em Manhiça, Moçambique, desenvolveu resistência aos fármacos, o que levou os médicos a alertarem para a necessidade de utilização de medicamentos alternativos.

© Darrin Zammit Lupi / Reuters

Um estudo desenvolvido por investigadores do Instituto de Saúde Global de Barcelona e do Instituto de Investigação da Sida, hoje publicado na revista Journal of Antimicrobial Chemoptherapy, demonstrou que está a aumentar a resistência do VIH contra os medicamentos disponíveis.

Segundo a investigadora María Rupérez, as pessoas que desenvolveram resistência aos tratamentos podem transmitir essa resistência no momento de contágio da infeção, pelo que o número de mutações do vírus deverá aumentar com o tempo.

O estudo revela que a falta de antirretrovirais alternativos, juntamente com a ausência de mecanismos de monitorização nos países em desenvolvimento, impede que se detete o fracasso dos tratamentos a tempo de mudar os fármacos e suspender a progressão da doença. 

Este estudo foi realizado no Centro de Investigação de Saúde de Manhiça, uma das regiões com maior prevalência de VIH em África, com 40% da população infetada.

Os resultados obtidos mostram que 24% dos pacientes tratados em Manhiça apresentava cargas virais elevadas, o que significa que o vírus continua a replicar-se apesar de receberem tratamento. Destes, 89% desenvolveu resistência aos fármacos antirretrovirais que se utilizam habitualmente.

"Estes dados são preocupantes porque se o tratamento que estes pacientes seguem não está a funcionar, é necessário mudar para outros tratamentos, que são mais caros e nem sempre estão disponíveis [com facilidade]", alertou María Rupérez.

"Existe [também] o perigo de que os vírus resistentes se transmitam ao resto da população, o que poderia piorar a situação e comprometer o controlo da epidemia do VIH em África", advertiu a especialista.


  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.