sicnot

Perfil

Mundo

Médicos pedem fármacos alternativos para tratar doentes com VIH em África

Uma quarta parte dos pacientes com VIH tratados com antirretrovirais em Manhiça, Moçambique, desenvolveu resistência aos fármacos, o que levou os médicos a alertarem para a necessidade de utilização de medicamentos alternativos.

© Darrin Zammit Lupi / Reuters

Um estudo desenvolvido por investigadores do Instituto de Saúde Global de Barcelona e do Instituto de Investigação da Sida, hoje publicado na revista Journal of Antimicrobial Chemoptherapy, demonstrou que está a aumentar a resistência do VIH contra os medicamentos disponíveis.

Segundo a investigadora María Rupérez, as pessoas que desenvolveram resistência aos tratamentos podem transmitir essa resistência no momento de contágio da infeção, pelo que o número de mutações do vírus deverá aumentar com o tempo.

O estudo revela que a falta de antirretrovirais alternativos, juntamente com a ausência de mecanismos de monitorização nos países em desenvolvimento, impede que se detete o fracasso dos tratamentos a tempo de mudar os fármacos e suspender a progressão da doença. 

Este estudo foi realizado no Centro de Investigação de Saúde de Manhiça, uma das regiões com maior prevalência de VIH em África, com 40% da população infetada.

Os resultados obtidos mostram que 24% dos pacientes tratados em Manhiça apresentava cargas virais elevadas, o que significa que o vírus continua a replicar-se apesar de receberem tratamento. Destes, 89% desenvolveu resistência aos fármacos antirretrovirais que se utilizam habitualmente.

"Estes dados são preocupantes porque se o tratamento que estes pacientes seguem não está a funcionar, é necessário mudar para outros tratamentos, que são mais caros e nem sempre estão disponíveis [com facilidade]", alertou María Rupérez.

"Existe [também] o perigo de que os vírus resistentes se transmitam ao resto da população, o que poderia piorar a situação e comprometer o controlo da epidemia do VIH em África", advertiu a especialista.


  • DIRETO: Célula terrorista preparava grande atentado na Catalunha

    Ataque em Barcelona

    Uma das vítimas mortais do atentado em Barcelona era de Lisboa e há uma outra portuguesa, a sua neta, desaparecida. A polícia procura quatro jovens e há outras quatro detenções confirmadas. Os autores dos ataques na Catalunha, que mataram 14 pessoas e feriram 140, pertenciam ao mesmo grupo. Siga aqui as últimas informações, ao minuto.

    Em atualização

  • Um mortos e oito feridos em ataque com faca na Finlândia

    Mundo

    Um homem foi hoje atingido a tiro e detido pela polícia finlandesa, depois de ter esfaqueado várias pessoas na cidade de Turku, no sudoeste do país. Pelo menos uma pessoa morreu e oito ficaram feridas no ataque, segundo fonte hospitalar.

    Em atualização

  • Vídeo mostra passagem da carrinha a alta velocidade nas Ramblas
    0:33
  • O momento em que os suspeitos foram abatidos em Cambrils
    2:35

    Ataque em Barcelona

    Em Cambrils, também na Catalunha, foram mortos cinco alegados terroristas que atropelaram várias pessoas, uma morreu e seis ficaram feridas, quando escapavam a uma perseguição policial, esta madrugada. As autoridades investigam uma eventual relação entre os dois atentados. Nota: chamamos à atenção para a violência das imagens, que podem chocar os espetadores mais sensíveis.

  • Nível de ameaça terrorista em Portugal continua moderado
    1:31

    Ataque em Barcelona

    O primeiro-ministro garantiu hoje que, para já, o nível de ameaça terrorista em Portugal não vai ser alterado (o nível está no 4 em 5). Já o Presidente da República disse que não há tolerância possível e garante que há medidas preparadas caso o mesmo cenário venha a acontecer em Portugal.

  • Vento e calor provocam reacendimentos em Mação
    1:55