sicnot

Perfil

Mundo

Deputados franceses rejeitam moção de censura contra o Governo

Os deputados franceses rejeitaram esta quinta-feira uma moção de censura apresentada pela oposição de direita contra o governo socialista, por ocasião do debate de um projeto de reformas económicas controversas.

Só 198 deputados votaram a favor da moção de censura, quando eram precisos 289 para fazer cair o Governo do primeiro-ministro Manuel Valls.

Só 198 deputados votaram a favor da moção de censura, quando eram precisos 289 para fazer cair o Governo do primeiro-ministro Manuel Valls.

© Charles Platiau / Reuters

Só 198 deputados votaram a favor da moção de censura, quando eram precisos 289 para fazer cair o Governo do primeiro-ministro Manuel Valls. 

A rejeição desta moção significa a adoção de um projeto de lei que o parlamento francês está a debater há vários meses e que encontra fortes reticências à esquerda e à direita. 

As medidas propostas, através das quais o governo quer relançar a economia e mostrar aos parceiros europeus da França a vontade de introduzir reformas, incluem o alargamento do trabalho em período de descanso, a liberalização do setor dos transportes, a introdução de reformas nas profissões jurídicas regulamentadas e a flexibilização da lei laboral. 

Em fevereiro, Manuel Valls conseguiu aprovar o projeto em primeira leitura. 

O texto vai ser debatido pelo Senado a partir de 29 de junho, antes de uma adoção definitiva na Assembleia "antes de 14 de julho", como pretende o Presidente François Hollande. 
Lusa
  • Souto de Moura feliz com distinção na Bienal de Arquitetura de Veneza
    1:10
  • "Sonho com um futuro melhor", o desejo de um jovem sírio em Portugal
    2:12

    País

    Mais de 50 jovens sírios chegaram esta madrugada a Lisboa, para iniciarem o novo ano letivo, em Portugal. Sonham com um futuro melhor. Sonham com uma educação melhor. Os 54 estudantes vieram ao abrigo do programa lançado pelo antigo Presidente da República, Jorge Sampaio, que nos últimos anos já deu uma nova oportunidade a cerca de 200 alunos. Depois de um curso intensivo de português durante três meses, os jovens vão iniciar o ano letivo em vários pontos do país.