sicnot

Perfil

Mundo

Deputados franceses rejeitam moção de censura contra o Governo

Os deputados franceses rejeitaram esta quinta-feira uma moção de censura apresentada pela oposição de direita contra o governo socialista, por ocasião do debate de um projeto de reformas económicas controversas.

Só 198 deputados votaram a favor da moção de censura, quando eram precisos 289 para fazer cair o Governo do primeiro-ministro Manuel Valls.

Só 198 deputados votaram a favor da moção de censura, quando eram precisos 289 para fazer cair o Governo do primeiro-ministro Manuel Valls.

© Charles Platiau / Reuters

Só 198 deputados votaram a favor da moção de censura, quando eram precisos 289 para fazer cair o Governo do primeiro-ministro Manuel Valls. 

A rejeição desta moção significa a adoção de um projeto de lei que o parlamento francês está a debater há vários meses e que encontra fortes reticências à esquerda e à direita. 

As medidas propostas, através das quais o governo quer relançar a economia e mostrar aos parceiros europeus da França a vontade de introduzir reformas, incluem o alargamento do trabalho em período de descanso, a liberalização do setor dos transportes, a introdução de reformas nas profissões jurídicas regulamentadas e a flexibilização da lei laboral. 

Em fevereiro, Manuel Valls conseguiu aprovar o projeto em primeira leitura. 

O texto vai ser debatido pelo Senado a partir de 29 de junho, antes de uma adoção definitiva na Assembleia "antes de 14 de julho", como pretende o Presidente François Hollande. 
Lusa
  • Como se sobrevive à dor em Nodeirinho e Pobrais
    2:43
  • Raphäel Guerreiro vai continuar a acompanhar a seleção
    1:08
  • 74 mil alunos do secundário têm a vida "suspensa" 
    2:22

    País

    Enquanto o Ministério Público investiga a fuga de informação no exame nacional de Português do 12.º ano, 74 mil estudantes ficam com a vida suspensa. Se a fuga se confirmar, o exame corre o risco de ser anulado e as candidaturas ao ensino superior atrasam. O Instituto de Avaliação Educativa (IAVE), responsável pelos exames, prometeu esclarecimentos para os próximos dias.