sicnot

Perfil

Mundo

Luso-descendente assassinado a tiro na Venezuela

Um luso-descendente foi esta sexta-feira assassinado a tiro em Caracas por desconhecidos que teriam tentado roubar a sua viatura, noticiou a emissora venezuelana Unión Rádio.

A insegurança é apontada pelos analistas e pelos próprios cidadãos como uma das principais preocupações dos venezuelanos. (Arquivo)

A insegurança é apontada pelos analistas e pelos próprios cidadãos como uma das principais preocupações dos venezuelanos. (Arquivo)

Ramon Espinosa / AP

A vítima, identificada como sendo Carlos Rodríguez, de 48 anos de idade, foi intercetada por homens armados depois de sair de casa, em Sarria (centro), para ir ao Consulado Geral de Portugal em Caracas, para tratar de documentos.

"Ele estava a tratar dos papéis porque queria ir embora", explicou um sobrinho à Unión Rádio.

O cadáver foi localizado na Cota Mil, uma autoestrada do norte de Caracas, que liga o centro com o leste da capital venezuelana.

Carlos Rodríguez era casado e deixa dois filhos, de 24 e 21 anos.

Fontes não oficiais dão conta que a viatura do luso-descendente foi localizada pelas autoridades em Pinto Salinas, um bairro do centro de Caracas.

O caso está a ser investigado pelo Corpo de Investigações Científicas, Penais e Criminalísticas (Cicpc, antiga Polícia Técnica Judiciária).

A insegurança é apontada pelos analistas e pelos próprios cidadãos como uma das principais preocupações dos venezuelanos, afetando por igual tanto a nacionais como a estrangeiros radicados no país.
  • Coreia do Norte foi "isolada à força"

    Mundo

    O empresário espanhol León Smit, que organiza visitas à Coreia do Norte, diz que o país foi "isolado à força", sendo "muito difícil" estabelecer relações comerciais com Pyongyang, sob o regime de Kim Jong-un.

  • Fuga de Vale de Judeus em junho de 1975 no Perdidos e Achados
    0:36

    Perdidos e Achados

    Prisão Vale de Judeus, final de tarde de domingo, dia 29 de junho de 1975. O plano da fuga terá sido desenhado por uma vintena de homens. Serrada a presiana metálica era preciso passar, para fora do edifício, as cabeceiras dos beliches onde os presos dormiam. Ao longo de cerca de uma hora 89 detidos, agentes da PIDE/DGS, a Polícia Internacional e de Defesa do Estado português extinta depois da revolução de 1974, fogem do estabelecimento prisional.

    Segunda-feira no Jornal da Noite