sicnot

Perfil

Mundo

Onda de calor no Paquistão causa mais de 100 mortos

Pelo menos 122 pessoas morreram desde sábado em consequência de uma onda de calor que atingiu Karachi, a maior cidade do Paquistão, e a região sul de Sindh, revelaram hoje as autoridades paquistanesas.

© Mohsin Raza / Reuters

O governo da província de Sindh declarou o estado de emergência em todos os hospitais e aumentou as reservas de material médico para responder aos pedidos de ajuda por causa do calor.

No sábado, Karachi registou temperaturas máximas de 45 graus.

Num dos hospitais paquistaneses morreram desde sábado à noite 100 pessoas com insolação.

Na capital paquistanesa, com cerca de 20 milhões de habitantes, os efeitos do calor agravaram-se por causa dos cortes de fornecimento de eletricidade, que afetam o sistema de abastecimento de água.











Lusa
  • "Cada drama, cada problema, cada testemunho, impressiona muito"
    1:55
  • Clínica veterinária em Tondela recebeu dezenas de animais feridos nos fogos
    2:57
  • Temperaturas sobem até ao final do mês
    1:09

    País

    O tempo não dá tréguas e, até ao final do mês, as temperaturas vão atingir valores acima do normal para esta época do ano. As temperaturas máximas vão subir entre os 25 e os 32 graus. O risco de incêndio aumenta a partir desta segunda-feira em todo o país e os meios aéreos, viaturas, operacionais e equipas de patrulha vão ser reforçados.

  • Maioria das praias do Algarve já não tem nadador-salvador
    2:19

    País

    A lei não obrigada os concessionários a garantir o serviço e, por isso, a esmagadora maioria das praias do Algarve está sem vigilância desde 30 de setembro. Ainda assim, os areais vão atraindo milhares de banhistas com as temperaturas altas que ainda se fazem sentir. Um nadador-salvador recomenda os banhistas a não nadar e, em dias de ondulação, evitar caminhadas à beira-mar.

  • Parlamento catalão vai responder à ativação do artigo 155
    1:54
  • A história por detrás da fotografia que correu (e impressionou) o Mundo

    Mundo

    Depois dos incêndios da semana passada na Galiza, começou a circular na internet e nas redes sociais a imagem de uma cadela que alegadamente levava a sua cria carbonizada na boca. Contudo, a cadela é na verdade macho e chama-se Jacki. Esta é a história do cão que passou os dias após os fogos a recolher animais mortos para os enterrar num campo perto de uma igreja, em Coruxo, Vigo.

    SIC

  • Quando o cão de Macron fez chichi no gabinete do Presidente francês
    0:31