sicnot

Perfil

Mundo

"Não estamos curados do racismo"

O Presidente norte-americano, Barack Obama, advertiu sobre a sombra da segregação que ainda paira sobre a sociedade norte-americana, afirmando, numa entrevista divulgada esta segunda-feira, que os Estados Unidos ainda não conseguiram superar a questão do racismo. 

"O legado da escravatura, Jim Crow [a designação das leis de segregação racial] e a discriminação em quase todas as instituições das nossas vidas têm um impacto duradouro e continuam a fazer parte do nosso ADN", acrescentou Obama.

"O legado da escravatura, Jim Crow [a designação das leis de segregação racial] e a discriminação em quase todas as instituições das nossas vidas têm um impacto duradouro e continuam a fazer parte do nosso ADN", acrescentou Obama.

MICHAEL REYNOLDS / Lusa

"Não estamos curados do racismo", disse Obama, numa entrevista ao programa de rádio "WTF with Marc Maron", hoje transmitida, dias depois do tiroteio numa igreja frequentada por uma comunidade maioritariamente negra em Charleston, no estado norte-americano da Carolina do Sul.  

O autor confesso do tiroteio, um jovem branco, identificado como Dylann Roof, matou nove pessoas aparentemente por motivos raciais. 

"Não é só uma questão de não dizer a palavra 'negro' em público porque é de má educação. Não é isso que determina se existe ou não racismo", referiu Obama, o primeiro Presidente afro-americano na história dos Estados Unidos. 

"Não é só uma questão de discriminação patente. As sociedades não apagam por completo, de um dia para o outro, o que se passou 200 ou 300 anos antes", prosseguiu o governante.

"O legado da escravatura, Jim Crow [a designação das leis de segregação racial] e a discriminação em quase todas as instituições das nossas vidas têm um impacto duradouro e continuam a fazer parte do nosso ADN", acrescentou.

Tal como afirmou nas suas primeiras declarações públicas após o tiroteio em Charleston, Barack Obama voltou a insistir, nesta entrevista ao comediante Marc Maron, que é possível atuar sobre estas matérias, defendendo medidas "de bom senso" para o controlo das armas nos Estados Unidos, para que tragédias deste tipo sejam "menos prováveis".

Dylann Roof, de 21 anos, foi detido horas depois do tiroteio, ocorrido na quarta-feira à noite, e foi formalmente acusado de nove crimes de homicídio. O jovem arrisca-se a enfrentar a pena de morte.

Roof confessou a autoria do crime, que aparentemente cometeu para iniciar uma "guerra racial".

No tiroteio morreram nove pessoas: três homens e seis mulheres. Entre as vítimas mortais figurava o pastor Clementa Pinckney, uma figura importante da comunidade negra local e representante democrata no Senado do Estado.
Lusa
  • CGD terá de reconhecer imparidades e prepara saída de 2 mil funcionários
    2:45

    Caso CGD

    O novo plano estratégico da Caixa está pronto e foi entregue há duas semanas ao Ministério das Finanças. A SIC sabe que está a ser preparada a saída de 2 mil trabalhadores e que o banco terá de reconhecer imparidades. O Expresso diz que a CGD vai fechar o ano com prejuízos que podem chegar aos 3 mil milhões de euros.

  • Jovens do exército russo aderem ao Desafio do Manequim
    1:01

    Mundo

    Na Rússia, o grupo de jovens do exército também já aderiu ao famoso Mannequin Challenge. O vídeo foi divulgado pelo Ministério da Defesa russo. O objetivo é mostrar o dia-a-dia do chamado exército de jovens, cuja principal missão passa por sensibilizar os russos para a necessidade de cumprir o serviço militar obrigatório.