sicnot

Perfil

Mundo

PM japonês interrompido por protestos contra a presença dos EUA em Okinawa

O primeiro-ministro japonês foi hoje contestado por pacifistas, no âmbito da controversa presença norte-americana no arquipélago de Okinawa, enquanto discursava na cerimónia que assinalou o 70.º aniversário da batalha contra os aliados da II Guerra Mundial.  

Shinzo Abe, primeiro-ministro japonês (Reuters/ Arquivo)

Shinzo Abe, primeiro-ministro japonês (Reuters/ Arquivo)

© POOL New / Reuters

"Devemos estar felizes por beneficiarmos da paz, da segurança e da liberdade, depois de termos passado por dificuldades incalculáveis", afirmou Shinzo Abe, durante um breve discurso.  

 

A sua intervenção foi perturbada por pessoas hostis à presença militar dos EUA em Okinawa, a qual é cada vez menos apoiada pela população local.  

 

Ocupado pelos norte-americanos depois da II Guerra Mundial e entregue a Tóquio em 1972, este arquipélago alberga mais de metade dos 47.000 soldados norte-americanos destacados no Japão e inclui um grande contingente de fuzileiros.  
 

Shinzo Abe prometeu "continuar a fazer o seu melhor para reduzir o fardo" dos habitantes de Okinawa, o que não impediu os contestatários de lhe gritarem "vai para casa" várias vezes.  

 

Liderados pelo governador de Okinawa, Takeshi Onaga, os residentes do arquipélago foram mobilizados contra o projeto de relocalização da base aérea norte-americana de Futenma, instalada numa zona urbana, para a região litoral pouco povoada de Henoko. 
 

Bastante aplaudido por cerca de 5.000 participantes, Onaga denunciou hoje o "pesado fardo" das bases norte-americanas em Okinawa. O governador voltou a pedir a anulação do projeto de transferência da base de Funtenma e respetiva deslocalização para os arredores da sua província.  

 

"73,8% das instalações militares norte-americanas (no Japão) estão concentradas na nossa região que só representa 0,6% de todo o território do país", observou.  

 

Os habitantes de Okinawa queixam-se do barulho e riscos de acidente. Por outro lado apontam a criminalidade associada aos soldados norte-americanos, citando exemplos de vários casos, nomeadamente de violação, registados nos últimos anos.  

 

Abe manifestou recentemente a sua vontade de prosseguir com a transferência da base de Futenma - um plano que remonta a 1996 - como parte do tratado de segurança estabelecido entre o Japão e os EUA. 
 

O primeiro-ministro nipónico está ainda numa batalha política interna para impor uma revisão da Constituição pacifista que permitiria ao Japão reforçar o seu papel militar a nível internacional, uma iniciativa impopular num país ainda traumatizado pela guerra.  

 

 
 

Lusa

  • PSD está a "perder terreno" na escolha de candidato a Lisboa
    1:46

    País

    Quem o diz é Luís Marques Mendes: o PSD perde na demora da escolha de um candidato para a Câmara de Lisboa. O líder Passos Coelho rejeita apoiar a candidatura de Assunção Cristas e garante que o partido vai ter um candidato próprio. Segundo o comentador da SIC, o último convite foi dirigido a José Eduardo Moniz.

  • Trump não escreve todos os tweets, mas dita-os

    Mundo

    O Presidente eleito dos EUA não escreve todos os tweets que são publicados na sua conta desta rede social, mas dita-os aos seus funcionários. Numa entrevista a um ex-secretário de Estado britânico, Donald Trump explica como usa a sua conta e garante que depois de ser investido Presidente, vai continuar a usar o Twitter para defender-se da "imprensa desonesta".

  • Depressão pode ser mais prejudicial para o coração do que a hipertensão

    Mundo

    Um estudo recente estabelece uma nova ligação entre depressão e distúrbios cardíacos. De acordo com a investigação publicada na revista Atheroscleroses, o risco de vir a sofrer de uma doença cardíaca grave é quase tão elevado para os homens que sofram de depressão, do que para os que tenham colesterol elevado ou obesidade, e pode mesmo ser maior do que para os que sofram de hipertensão.