sicnot

Perfil

Mundo

Estados Unidos apontam tortura e homicídios da polícia em Angola

Os Estados Unidos apontam casos de tortura e homicídios praticados pela polícia em Angola, entre outros abusos, segundo o relatório anual internacional sobre os direitos humanos, divulgado hoje pelo Departamento de Estado norte-americano.

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

© Amr Dalsh / Reuters

De acordo com esta análise, relativa a 2014 e feita por país, entre os principais abusos dos direitos humanos registados em Angola contam-se punições "cruéis, excessivas e degradantes", incluindo "casos de tortura e espancamento" sobre cidadãos.

O documento, consultado pela Lusa, acrescenta, sobre Angola, que se verificaram "homicídios praticados pela polícia e outros agentes de segurança", bem como "limites à liberdade de reunião, de associação, de expressão e de imprensa", além de "corrupção oficial e impunidade".

Reconhece nomeadamente a violência física infligida a elementos do Movimento Revolucionário, um grupo de jovens ativistas que contestam o atual regime através de várias manifestações agendadas para Luanda, normalmente abortadas pela intervenção policial.

Vários elementos deste grupo estão detidos em Luanda, desde o último sábado, sob suspeita de se organizarem para tentar derrubar o regime, segundo divulgou a Procuradoria-Geral da República angolana.

O relatório norte-americano refere que as autoridades angolanas mantêm "geralmente" um "efetivo controlo sobre as forças de segurança" e que o Governo, liderado desde 1979 por José Eduardo dos Santos, "deu passos" para "punir" os agentes policiais que cometeram violações dos direitos humanos.

Ainda assim, reconhece outros abusos verificados em 2014, como a "privação arbitrária ou ilegal da vida", as "más condições nas prisões" - mesmo "potencialmente fatais", bem como "prisões e detenções arbitrárias, prisões preventivas prolongadas" ou "impunidade para os violadores de direitos humanos".

Infrações à privacidade dos cidadãos ou violação dos seus direitos, além da ineficiência do sistema judicial e "restrições impostas às organizações não-governamentais" são igualmente reconhecidas pelo Departamento de Estado norte-americano no relatório sobre Angola, bem como discriminação e violência contra as mulheres, abuso de crianças, tráfico de pessoas ou o trabalho forçado, entre outros.

Neste relatório são apontados casos concretos para os vários abusos identificados, como um polícia que na província do Cuanza Norte, a 24 de março (2014), se envolveu numa discussão com um cidadão, tendo disparado vários tiros que atingiram dois adultos e mortalmente uma criança de oito anos.

O relatório aponta outros casos, nomeadamente os decorrentes de conflitos entre forças dos dois principais partidos angolanos, o Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), no poder desde 1975, e a União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA).

Sobre a situação das cadeias angolanas, o documento reconhece que em setembro funcionavam 39 estabelecimentos prisionais, com cerca de 22.000 reclusos (para um limite de 18.260), dos quais 5.000 na prisão de Viana, nos arredores de Luanda, a maior de Angola.

Refere também que um suspeito em Angola pode estar até 45 dias detido sem ser presente a um juiz.

Citando denúncias dos 'média' locais sobre alegados casos de enriquecimento ilícito, o relatório refere que apesar de o país ter leis para penalizar a corrupção nas instituições oficiais, esses mecanismos não são implementados de forma "eficiente".






Lusa
  • Primeiro-ministro agradece sacrifícios dos portugueses
    0:46

    Economia

    O primeiro-ministro diz que os números do INE em relação ao défice de 2016 são prova de que havia uma alternativa e deixou uma palavra de agradecimento aos portugueses. As declarações de António Costa foram feiras aos jornalistas em Roma, onde se encontra para assinalar no sábado os 60 anos da União Europeia.

  • Jerónimo diz que UE vai continuar a causar constrangimentos a Portugal
    0:35

    Economia

    Esta sexta-feira na inauguração de uma exposição em Almada que denuncia a precariedade dos postos de trabalho, Jerónimo de Sousa falou sobre o défice de 2016. Para o secretário-geral do PCP, apesar do Governo ter ido além do exigido por Bruxelas, a União Europeia vai continuar a impedir Portugal de crescer.

  • Enfermeiros desconvocam greve

    País

    O Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) desconvocou esta sexta-feira a greve geral nacional marcada para quinta e sexta-feira da próxima semana, anunciou o presidente da estrutura, justificando com os compromissos assumidos pelo Ministério da Saúde.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.

  • Probido fumar na praia? Não-fumadores aplaudem ideia
    1:33

    País

    O Comissário Europeu da Saúde defende uma proibição total do consumo de tabaco no espaço público. Esta e outras medidas foram defendidas, ontem, na Conferência Tabaco e Saúde da Liga Portuguesa Contra o Cancro. 

  • Visitar o Titanic vai custar 97 mil euros por pessoa

    Mundo

    Uma viagem a bordo do Titanic em 1912 era considerada uma viagem de luxo. Mais de 100 anos depois, continua a ser um luxo visitar o Titanic. Em 2018, vai ser possível conhecer os restos daquele que em tempos foi o maior navio do mundo. Contudo, nem todos vão poder fazê-lo, pois a viagem irá custar cerca de 97 mil euros por pessoa.