sicnot

Perfil

Mundo

Greenpeace exibe faixa contra a "lei da mordaça" junto ao Congresso espanhol

Três ativistas do Greenpeace penduraram hoje uma faixa de 32 metros quadrados numa grua junto ao Congresso dos Deputados em Espanha, contra o que denominam de "mordaça", relativamente à lei da segurança e cidadania.

greenpeace.org

Os três elementos do Greenpeace escalaram a grua em que colocaram a faixa, com lema "O protesto é um direito", já que estimam que a partir de quarta-feira, dia em que entra em vigor o diploma, o exercício de direitos de expressão, reunião e manifestação "estará à mercê da interpretação que fizerem as forças de segurança do Estado e o Ministério do Interior".

Trata-se de uma ação que começou à primeira hora da manhã, em protesto pela entrada em vigor na quarta-feira das leis de proteção da segurança e cidadania e do Código Penal, que foram aprovadas pelas Cortes em 26 de março, "apenas com os votos favoráveis do PP", recorda o Greenpeace.

 "Esta lei carece de justificação, já que não há problemas graves de segurança e cidadania em Espanha", declara Miguel Ángel Soto, porta-voz do Greenpeace, em comunicado.

Acrescentou que a legislação está "pensada para silenciar com multas as vozes que criticam a gestão do Governo e as consequências da crise social, ambiental e económica, resultante da corrupção, dos cortes sociais e de direitos e da privatização de serviços públicos".

 

 

Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.