sicnot

Perfil

Mundo

Sobe para 42 número de mortos em naufrágio nas Filipinas

Pelo menos 42 pessoas morreram e 11 outras continuam desaparecidas após o naufrágio de um ferry, ocorrido esta quinta-feira, no centro das Filipinas, informaram hoje fontes policiais.

© Stringer Philippines / Reuter

As equipas de resgate recuperaram seis corpos desde que mergulhadores alcançaram o interior do barco, antes de terem sido obrigadas a suspender as buscas devido ao mau tempo, informa a CNN Filipinas.

Segundo dados da guarda costeira filipina, a bordo do "MV Kim Nirvana-B" seguiam 173 passageiros e 16 membros da tripulação.

Vários sobreviventes relataram que a embarcação se voltou, de forma repentina, devido à forte ondulação, pelo que muitos dos passageiros não tiveram tempo para abandonar o barco antes de se afundar, ficando encurralados no seu interior. 

Além disso, outros acusaram a tripulação do barco de não ter distribuído coletes salva-vidas, apesar das más condições meteorológicas.

O chefe do serviço de guarda costeira de Visayas Oriental, o capitão Pedro Tinampay, declarou que a embarcação não viajava sobrecarregada, já que tinha capacidade para 178 passageiros.

Contudo, outro dos sobreviventes do acidente, citado pelos 'media' locais, disse que o barco transportava também centenas de sacos de cimento e de arroz.

O Presidente das Filipinas, Benigno Aquino, ordenou uma investigação exaustiva. 

Segundo o porta-voz da presidência, Abigail Valte, a guarda costeira destacou uma equipa de especialistas em acidentes marítimos que analisa vários cenários, como a possibilidade de excesso de carga e a aptidão do capitão e dos tripulantes.

Tanto o capitão do barco como a tripulação estão sob custódia.

O barco rumava à ilha de Camotes, a cerca de 40 quilómetros a sudoeste de Ormoc, quando se deparou com grandes ondas e virou a apenas a uma centena de metros do porto donde zarpou.

A agência meteorológica das Filipinas tinha advertido os pescadores para o perigo de saírem para o mar na região de Visayas Oriental, à qual pertence Ormoc.

Dezenas de pessoas morrem anualmente em acidentes marítimos nas Filipinas, a maioria em naufrágios causados pelo mau tempo, incumprimento de normas de segurança e deficiente manutenção dos equipamentos ou sobrecarga.

O acidente mais grave na história moderna da navegação comercial sucedeu nas Filipinas, em 1987, quando o 'ferry' Dona Paz se afundou após colidir com um petroleiro, causando 4.341 mortes.

 

Lusa

  • Proteção Civil garante que já não há desaparecidos
    1:40
  • "Depois de sair da autoestrada o vidro do carro ainda estava a ferver"
    2:01
  • "O fogo chegou de repente. Foi um demónio"
    2:15
  • O desabafo de um empresário que perdeu "uma vida inteira de trabalho" no fogo
    2:08
  • O testemunho emocionado de quem perdeu quase tudo
    2:10
  • As comunicações entre operacionais no combate às chamas em Viseu
    2:27
  • Houve "erros defensivos que normalmente a equipa não comete"
    0:38

    Desporto

    No final do jogo, quando questionado sobre a ausência de Casillas no onze do FC Porto, Sérgio Conceição referiu que a equipa apresentada era aquela que lhe oferecia garantias. Quanto ao jogo, o treinador portista reconheceu que a equipa cometeu vários erros defensivos.

  • "Cometemos erros e há que tentar corrigi-los"
    0:41

    Desporto

    No final do jogo em Leipzig, Iván Marcano desvalorizou a ausência de Iker Casillas e entendeu que o facto de o guarda-redes ter ficado no banco não teve impacto na equipa. Já sobre o jogo, o central espanhol garantiu que não correu da forma como os jogadores esperavam.

  • Norte-americana foi à discoteca e tornou-se princesa

    Mundo

    A história de Ariana Austin é quase como um conto de fadas moderno. A jovem vai até ao baile, onde conhece o seu príncipe. Só que a norte-americana foi a uma discoteca e, na altura, não sabia que Joel Makonnen era na verdade um príncipe da Etiópia e que casaria com ele 12 anos depois, tornando-se também ela numa princesa.