sicnot

Perfil

Mundo

Detetado sinal de uma galáxia emitido há 5 mil milhões de anos

Um telescópio australiano detetou um sinal emitido há 5.000 milhões de anos pela galáxia PKS B1740-517, situada perto da constelação de Ara, informaram hoje fontes científicas.

O conjunto de telescópios da agência australiana.

O conjunto de telescópios da agência australiana.

atnf.csiro.au/projects/askap/ska.html

A galáxia foi descoberta pelo telescópio SKA Pathfinder (ASKAP), da Organização para a Investigação Industrial e Científica da Commonwealth da Austrália (CSIRO), no Observatório Radioastronómico Murchison, a 790 quilómetros da cidade de Perth.

Segundo destacou a CSIRO em comunicado, a descoberta vai permitir conhecer um período da história do universo pouco estudado.

A equipa liderada por James Allison utilizou uma técnica especial para detetar uma mudança nas ondas de rádio procedentes do centro da galáxia B1740-517, segundo a CSIRO.

A emissão de rádio com 5.000 milhões de anos de antiguidade estava "gravada" em gás de hidrogénio e viajava em direção à Terra, que é pelo menos 500 anos mais jovem que essa galáxia.

Allison explicou que muitos observatórios não puderam captar este sinal, quase impercetível, "porque estava escondido no fundo do som de rádio", no entanto o silêncio radioeletrónico do observatório permitiu que fosse captado "claramente".

Segundo um comunicado da CSIRO, a descoberta da galáxia, em que participaram várias universidades australianas, será anunciada hoje no Reino Unido.

 

Lusa

  • Trabalharia horas extra sem ser pago? E feriados?  
    1:25
  • UE dá "luz verde" para início das negociações do Brexit

    Brexit

    Os 27 Estados-membros da União Europeia aprovaram esta segunda-feira a autorização para o início das negociações do Brexit, indicando formalmente o final de junho para início do processo de saída do Reino Unido, que se prolongará por dois anos.

  • Regras secretas do Facebook permitem divulgação de imagens violentas

    Mundo

    A política interna da empresa Facebook defende que nem todos os vídeos violentos publicados na rede social devem ser apagados porque "não quer censurar ou punir pessoas em perigo". A revelação é feita pelo jornal britânico The Guardian após uma investigação em que conseguiu ter acesso ao manual interno.