sicnot

Perfil

Mundo

Filipinas detetam segundo caso do coronavírus MERS

As autoridades filipinas detetaram um segundo caso de Síndrome Respiratória do Médio Oriente (MERS) no país, informou hoje a imprensa local.  

© Antara Photo Agency / Reuters

Segundo o portal de notícias Rappler, a pessoa infetada é um cidadão estrangeiro de 36 anos que chegou às Filipinas vindo da Arábia Saudita e que fez escala no Dubai, confirmou hoje a ministra da Saúde filipina, Jannete Garin. 

A mesma fonte indicou que o doente começou a ter sintomas característicos do novo coronavírus, como tosse e febre, desde quinta-feira. 

Segundo a ministra, o indivíduo está internado no Instituto de Investigação de Medicina Tropical e a responder ao tratamento. 

Garin afirmou que as autoridades sanitárias estão à procura de cidadãos que estiveram em contacto com o infetado pelo coronavírus e que já identificaram oito pessoas, as quais se encontram em quarentena. 

Este é o segundo caso de MERS identificado nas Filipinas, depois de ter sido detetada, em fevereiro, uma infeção numa enfermeira que chegou ao arquipélago proveniente da Arábia Saudita, onde trabalhava. 

As autoridades colocaram a filipina sob quarentena e declararam o país livre de MERS há um mês, após a recuperação total da doente e de não ter sido detetada nenhuma infeção. 

O novo coronavírus tem uma taxa de mortalidade de aproximadamente 40%, segundo a Organização Mundial de Saúde.

A Arábia Saudita é o país mais afetado pelo coronavírus, que tem sido levado por viajantes até aos Estados Unidos e a alguns países europeus como o Reino Unido, França, Itália, Holanda, Áustria e Turquia. 

A Coreia do Sul figura como o segundo país com maior número de casos de MERS.

Dos 186 casos de MERS sinalizados na Coreia do Sul, 33 revelaram-se mortais. 

O primeiro caso de MERS na Coreia do Sul foi detetado em 20 de maio último

 

Lusa

  • "O que é isto, mamã?"
    36:23
  • O ensino à distância em Portugal
    4:12

    País

    Em Portugal, o ensino básico e secundário à distância já conta com 300 alunos e com a preciosa ajuda das novas tecnologias. É através do computador que a escola viaja e acompanha os alunos, alguns com doenças que não os permitem ir às aulas, outros que são atletas de alta competição e que têm a maior parte do tempo ocupado por treinos ou ainda os que fazem parte de famílias itenerantes, como é o caso dos que vivem no circo e andam de terra em terra.

  • Aprender a jogar badminton ao ritmo do samba
    2:54

    Mundo

    No Brasil, a correspondente da SIC foi conhecer um projeto social no Rio de Janeiro que mistura samba e desporto. Um desporto que ainda é pouco praticado mas que tem sido fundamental para transformar a vida de jovens das favelas e para descobrir novos talentos do badminton brasileiro.

    Correspondente SIC