sicnot

Perfil

Mundo

Filipinas detetam segundo caso do coronavírus MERS

As autoridades filipinas detetaram um segundo caso de Síndrome Respiratória do Médio Oriente (MERS) no país, informou hoje a imprensa local.  

© Antara Photo Agency / Reuters

Segundo o portal de notícias Rappler, a pessoa infetada é um cidadão estrangeiro de 36 anos que chegou às Filipinas vindo da Arábia Saudita e que fez escala no Dubai, confirmou hoje a ministra da Saúde filipina, Jannete Garin. 

A mesma fonte indicou que o doente começou a ter sintomas característicos do novo coronavírus, como tosse e febre, desde quinta-feira. 

Segundo a ministra, o indivíduo está internado no Instituto de Investigação de Medicina Tropical e a responder ao tratamento. 

Garin afirmou que as autoridades sanitárias estão à procura de cidadãos que estiveram em contacto com o infetado pelo coronavírus e que já identificaram oito pessoas, as quais se encontram em quarentena. 

Este é o segundo caso de MERS identificado nas Filipinas, depois de ter sido detetada, em fevereiro, uma infeção numa enfermeira que chegou ao arquipélago proveniente da Arábia Saudita, onde trabalhava. 

As autoridades colocaram a filipina sob quarentena e declararam o país livre de MERS há um mês, após a recuperação total da doente e de não ter sido detetada nenhuma infeção. 

O novo coronavírus tem uma taxa de mortalidade de aproximadamente 40%, segundo a Organização Mundial de Saúde.

A Arábia Saudita é o país mais afetado pelo coronavírus, que tem sido levado por viajantes até aos Estados Unidos e a alguns países europeus como o Reino Unido, França, Itália, Holanda, Áustria e Turquia. 

A Coreia do Sul figura como o segundo país com maior número de casos de MERS.

Dos 186 casos de MERS sinalizados na Coreia do Sul, 33 revelaram-se mortais. 

O primeiro caso de MERS na Coreia do Sul foi detetado em 20 de maio último

 

Lusa

  • "O que mais tem havido nesta altura são respostas precipitadas"
    7:21

    Opinião

    Foi um "debate contigo" o de hoje, no Parlamento, sobretudo no frente-a-frente entre António Costa e Passos Coelho, na opinião de Bernardo Ferrão. O subdiretor de informação da SIC sublinha uma declaração "mortal" do primeiro-ministro, quando este disse que "ninguém quer respostas precipitadas". Por outro lado, a comissão técnica independente pedida pelo PSD pode virar-se contra o próprio partido.

    Bernardo Ferrão

  • Fuzileiros continuam no terreno a ajudar população
    3:03
  • Cozido ou empanadas chilenas para o jantar?
    5:20

    Taça das Confederações

    Portugal e Chile defrontam-se esta quarta-feira em jogo das meias-finais da Taça das Confederações. O jornalista Gonçalo Azevedo Ferreira fala sobre as previsões da imprensa chilena para o encontro, revela alguns dados sobre as presenças de Portugal e Chile em grandes competições e mostra, através das redes sociais, o lado mais descontraído da antevisão deste duelo.

  • Portugal vai pagar 3.500 milhões ao FMI até agosto
    1:18

    Economia

    Portugal vai pagar, até agosto, 3.500 milhões de euros ao Fundo Monetário Internacional. Mil milhões seguem já na sexta-feira. A antecipação do pagamento foi esta quarta-feira formalmente autorizada pelos parceiros e credores europeus.

  • Trump volta a criticar as chamadas "fake news"

    Mundo

    O Presidente norte-americano voltou a criticar aquilo a que chama de "fake news", em português "notícias falsas". Através da rede social twitter, Donald Trump diz que o jornal New York Times "nem sequer liga para verificar os factos e que, por isso, dá notícias falsas".

  • Família Obama de férias na Indonésia

    Mundo

    Das águas claras de Bali aos encantos dos templos de Java, o antigo Presidente norte-americano Barack Obama levou a esposa e as filhas de férias numa aventura de (re)descobertas por um país onde Obama viveu durante quatro anos da sua infância.

    SIC

  • NotPetya: Lourenço Medeiros explica o novo ciberataque global
    2:44
  • Desacatos no aeroporto de Faro deixam turistas britânicos em terra
    1:46

    País

    Cinco pessoas, que integravam o grupo de turistas britânicos que nos últimos dias causou desacatos em Albufeira, foram ontem impedidas de regressar a Inglaterra. Agressões no aeroporto e desacatos à entrada do avião levaram os comandantes de dois voos a recusar levar aqueles passageiros.