sicnot

Perfil

Mundo

Microsoft vai despedir 7800 trabalhadores

A Microsoft vai cortar 7800 postos de trabalho na sequência da reorganização da unidade de telemóveis, a segunda vaga de despedimentos no espaço de um ano, anunciou esta quarta-feira o grupo. 

Esta redução dos postos de trabalho é a segunda vaga de despedimentos no último ano, já que em julho de 2014 a tecnológica havia anunciado um corte de 18 mil postos de trabalho, a maioria resultante da integração da unidade da Nokia. (Arquivo)

Esta redução dos postos de trabalho é a segunda vaga de despedimentos no último ano, já que em julho de 2014 a tecnológica havia anunciado um corte de 18 mil postos de trabalho, a maioria resultante da integração da unidade da Nokia. (Arquivo)

© Pichi Chuang / Reuters

Em comunicado, a gigante tecnológica explicou que a redução do número de trabalhadores deverá ocorrer essencialmente na divisão de aparelhos móveis, adquirida em 2014 à fabricante finlandesa Nokia, tendo previsto gastar entre 750 e 850 milhões de dólares (680 a 771 milhões de euros) em compensações aos trabalhadores. 

Esta redução dos postos de trabalho é a segunda vaga de despedimentos no último ano, já que em julho de 2014 a tecnológica havia anunciado um corte de 18 mil postos de trabalho, a maioria resultante da integração da unidade da Nokia. 

Também agora a maioria dos cortes ocorrerão na divisão ligada aos telemóveis, que vai ser reestruturada para "concentrar e alinhar os recursos", num mercado muito agressivo. 

A Microsoft concluiu a compra de unidade móvel da Nokia em abril de 2014, no sentido de reforçar a sua posição nos dispositivos móveis. 

As metas da Microsoft para esta área de negócio têm falhado. Segundo um estudo da IDC, o Windows só deverá ter 3,2% do mercado de 'smarphone' este ano. 

A Microsoft tinha no final de março cerca de 118 mil trabalhadores em todo o mundo, de acordo com a sua página oficial, estando mais de metade nos Estados Unidos. 

Lusa

  • Cessar-fogo de 30 dias na Síria
    2:07

    Mundo

    O Conselho de Segurança das Nações Unidas chegou este sábado a acordo sobre o cessar-fogo na Síria, depois de três dias de intensas negociações para evitar o veto da Rússia. As tréguas vão durar 30 dias e permitir a entrada de ajuda humanitária em Ghouta Oriental, a região mais atingida pela guerra na Síria, nesta altura. Em apenas sete dias, os bombardeamentos do regime fizeram mais de 500 mortos.

  • Portugueses e espanhóis protestam em Salamanca contra mina de urânio
    0:38

    País

    O Bloco de esquerda desafia o Governo português a exigir às autoridades espanholas uma avaliação do impacto ambiental da mina de urânio a 40 quilómetros da fronteira portuguesa. Este caso está gerar contestação entre os ambientalistas. Várias associações portuguesas participaram este sábado numa manifestação em Salamanca. A Quercus diz-se preocupada com o impacto da mina de urânio no território português.

  • PS e PSD querem acordo sobre fundos e descentralização até ao verão
    3:07
  • Assalto a Tancos e roubo de armas da PSP podem estar relacionados
    1:24

    País

    O assalto a Tancos e o roubo de três armas da PSP, recuperadas na semana passada, podem estar relacionados. O semanário Expresso avança hoje que há suspeitos de terem participado nos dois assaltos e o grupo, ou parte dele, atua principalmente do Algarve, com possíveis ligações a outras organizações espalhadas pelo país ou até transacionais.

  • As gravações que provam que as autoridades conheciam o perfil violento de Nikolas Cruz
    1:35