sicnot

Perfil

Mundo

Microsoft vai despedir 7800 trabalhadores

A Microsoft vai cortar 7800 postos de trabalho na sequência da reorganização da unidade de telemóveis, a segunda vaga de despedimentos no espaço de um ano, anunciou esta quarta-feira o grupo. 

Esta redução dos postos de trabalho é a segunda vaga de despedimentos no último ano, já que em julho de 2014 a tecnológica havia anunciado um corte de 18 mil postos de trabalho, a maioria resultante da integração da unidade da Nokia. (Arquivo)

Esta redução dos postos de trabalho é a segunda vaga de despedimentos no último ano, já que em julho de 2014 a tecnológica havia anunciado um corte de 18 mil postos de trabalho, a maioria resultante da integração da unidade da Nokia. (Arquivo)

© Pichi Chuang / Reuters

Em comunicado, a gigante tecnológica explicou que a redução do número de trabalhadores deverá ocorrer essencialmente na divisão de aparelhos móveis, adquirida em 2014 à fabricante finlandesa Nokia, tendo previsto gastar entre 750 e 850 milhões de dólares (680 a 771 milhões de euros) em compensações aos trabalhadores. 

Esta redução dos postos de trabalho é a segunda vaga de despedimentos no último ano, já que em julho de 2014 a tecnológica havia anunciado um corte de 18 mil postos de trabalho, a maioria resultante da integração da unidade da Nokia. 

Também agora a maioria dos cortes ocorrerão na divisão ligada aos telemóveis, que vai ser reestruturada para "concentrar e alinhar os recursos", num mercado muito agressivo. 

A Microsoft concluiu a compra de unidade móvel da Nokia em abril de 2014, no sentido de reforçar a sua posição nos dispositivos móveis. 

As metas da Microsoft para esta área de negócio têm falhado. Segundo um estudo da IDC, o Windows só deverá ter 3,2% do mercado de 'smarphone' este ano. 

A Microsoft tinha no final de março cerca de 118 mil trabalhadores em todo o mundo, de acordo com a sua página oficial, estando mais de metade nos Estados Unidos. 

Lusa

  • Fuga de Vale de Judeus em junho de 1975 no Perdidos e Achados
    0:36

    Perdidos e Achados

    Prisão Vale de Judeus, final de tarde de domingo, dia 29 de junho de 1975. O plano da fuga terá sido desenhado por uma vintena de homens. Serrada a presiana metálica era preciso passar, para fora do edifício, as cabeceiras dos beliches onde os presos dormiam. Ao longo de cerca de uma hora 89 detidos, agentes da PIDE/DGS, a Polícia Internacional e de Defesa do Estado português extinta depois da revolução de 1974, fogem do estabelecimento prisional.

    Segunda-feira no Jornal da Noite