sicnot

Perfil

Mundo

ONU anuncia "pausa" no conflito no Iémen para assistência humanitária

A Organização das Nações Unidas (ONU) anunciou hoje uma "pausa incondicional" no conflito em curso no Iémen para proceder à assistência humanitária, num dia em que morreram pelo menos 36 rebeldes xiitas. 

Hani Mohammed

A "pausa" vai acontecer entre as 23:59 de sexta-feira (21:59 em Lisboa) e o fim do Ramadão, previsto para 17 de julho.

Segundo as Nações Unidas, que reclamam uma trégua há várias semanas para poderem garantir assistência à população iemenita, a situação humanitária decorrente dos combates que opõem uma coligação militar de países árabes e grupos rebeldes xiitas atingiu um ponto crítico. 

"É imperativo e urgente que a ajuda humanitária chegue a todas as pessoas vulneráveis no Iémen, sem entraves", frisou Stéphane Dujarric, porta-voz da ONU. 

O presidente iemenita, Abd Rabbo Mansur Hadi, forçado ao exílio na Arábia Saudita, "transmitiu o seu acordo" à "pausa" nas ações da coligação liderada pela Arábia Saudita, indicou Stéphane Dujarric.

Por seu lado, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, recebeu "garantias" da parte das milícias xiitas e seus aliados de que "a pausa será totalmente respeitada". 

Hoje, segundo fontes militares e de segurança, pelo menos 36 rebeldes xiitas foram mortos em ataques levados a cabo pela coligação árabe, no Sul do Iémen.

"Esperamos que todas as partes implicadas no conflito respeitem a pausa humanitária", sublinhou Dujarric.

Esta não é a primeira trégua pedida pelas organizações internacionais. A anterior durou cinco dias, mas os combates foram retomados logo a seguir.

Desde 26 de março que uma coligação de países árabes combate os rebeldes xiitas, que, apoiados pelo Irão e por forças leais ao ex-presidente iemenita Ali Abdallah Saleh, tomaram controlo de uma significativa parte do Iémen, incluindo a capital, Sanaa.

Lusa

  • Continuam combates no Iémen entre mílicias xiitas e forças governamentais
    0:55

    Mundo

    Continuam os combates no Iémen entre as mílicias xiitas apoiadas pelo Irão e as forças governamentais. Há relatos de confrontos no sul, apesar do anúncio, ontem, do fim da campanha aérea da coligação liderada pela Arábia Saudita. Barack Obama advertiu o Irão face a um eventual fornecimento de armas aos rebeldes. Hoje, o Presidente do Irão continua a negar qualquer envolvimento e voltou a apelar a uma solução negociada para alcançar a paz na região.

  • Conflito no Iémen fez 944 mortos e 3.487 feridos num mês
    2:00

    Mundo

    A violência no Iémen matou 944 pessoas e fez 3.487 feridos desde meados de março. Os dados foram hoje divulgados pela Organização Mundial de Saúde. Também hoje a Organização Internacional para as Migrações anunciou que suspendeu temporariamente a evacuação de estrangeiros do país, por causa da falta de segurança.

  • Estados Unidos anunciam que meios da marinha vão ser enviados para costa do Iémen
    1:47

    Mundo

    Os Estados Unidos anunciaram que meios da marinha americana vão ser enviados para a costa do Iémen para operações de segurança marítima. O anúncio do Pentágono surge no dia em que os bombardeamentos à capital do Iémen fizeram pelo menos 25 mortos e 400 feridos.Os dados são da agência noticiosa estatal iémenita. No país está em curso uma ofensiva contra os xiitas huthis que tomaram a capital Sanna e reivindicam o poder no país. Trata-se de uma coligação militar árabe, liderada pela Arábia Saudita que nas últimas semanas tem feito raides aéreos. Os desta segunda-feira foram dos mais intensos.

  • Marcelo saúda "forma rápida" como Conselho de Ministros "tratou de tudo"
    1:03

    País

    O Presidente da República lembra que é preciso convergência de forma a adotar rapidamente as medidas mais urgentes do plano de emergência. No concelho de Tábua, Marcelo Rebelo de Sousa destacou ainda os esforços do Conselho de Ministros, mas lembrou que as medidas anunciadas são apenas o início de um processo e não o fim.