sicnot

Perfil

Mundo

Ataque bombista suicida num posto de controlo militar em Maiduguri na Nigéria

Um bombista suicida fez-se explodir hoje num posto de controlo militar nos subúrbios da cidade de Maiduguri, na Nigéria, no decorrer de ataques reivindicados pelos rebeldes islamitas do Boko Haram.

© Stringer . / Reuters

A explosão ocorreu por volta das 11:10 TMG (12:10 em Lisboa) no posto militar em Jimtilo, segundo testemunhos de dois civis, citados pela agência noticiosa francesa, AFP. 

"Houve algumas baixas mas ainda estamos em fase de apuramento das mesmas", disse à AFP um representante da milícia que colabora com o exército no combate aos rebeldes.

No sábado passado duas pessoas morreram em Maiduguri na sequência de um ataque falhado por dois bombistas suicidas a uma estação de autocarros. 

Antes, 15 pessoas morreram em N'Djamena, na capital do Chade, após um bombista suicida se ter explodido num mercado lotado.

Estes ataques acontecem após a Nigéria, e outros países vizinhos, terem desenvolvido conjuntamente uma força regional para combater contra os rebeldes islamitas do Boko Haram, os quais reforçaram a intensidade dos seus ataques contra civis.  

Maiduguri tem sido alvo frequente de ataques e desde a presidência de Muhammadu Bari, em 29 maio, cerca de 570 pessoas já morreram na Nigéria.

Lusa

  • Caravana com cinzas de Fidel chega este sábado a Santiago de Cuba
    2:01
  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.